Diocese do Algarve – Mensagem para a Quaresma 2020, de D. Manuel Neto Quintas

“Convertei-vos e acreditai no Evangelho” (Mc 1,15)

Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus; convertei-vos e acreditai no Evangelho. Este é, para o evangelista Marcos, o pórtico de toda a pregação de Jesus e, simultaneamente, o conteúdo fundamental do Evangelho: o reino de Deus que está presente na Sua pessoa.
Deste modo, converter-se significa acreditar em Jesus e tornar-se seu discípulo, ação que Jesus protagoniza logo de seguida, ao chamar Simão e André, Tiago e João e quantos se lhe seguiram, ao longo dos tempos, na resposta à mesma vocação e no acolhimento da mesma missão.
Convertei-vos a acreditai no Evangelho constitui, igualmente, o pórtico de entrada na Quaresma. Apelo renovado anualmente pela Igreja, em quarta-feira de cinzas, com o objetivo de abrirmos o nosso coração e a nossa vida à misericórdia de Deus, de modo a renovarmos a nossa fé no Ressuscitado e a reafirmarmos a nossa adesão pessoal a Cristo e ao Evangelho, à luz do dinamismo presente no mistério pascal.
A Igreja, qual mãe zelosa pelos seus filhos, guia-nos neste caminho, servindo-nos, de modo mais abundante e insistente, o alimento indispensável para que prossigamos, sem desanimar, neste caminho de conversão:
– a escuta mais assídua da Palavra de Deus;
– a oração mais sincera, que aproxima de Cristo e é reflexo da vida;
– o jejum, que vai muito além do privar-se de alimento;
– a esmola, que traduz o caminho de conversão na partilha fraterna e solidária.
A Páscoa de Jesus não é um acontecimento do passado: pela força do Espírito Santo é sempre atual e permite-nos contemplar e tocar com fé a carne de Cristo em todos os sofredores do nosso tempo. Colocar o Mistério pascal no centro da vida significa sentir compaixão pelas chagas de Cristo crucificado presentes nas inúmeras vítimas inocentes das guerras, das prepotências contra a vida desde a do nascituro até à do idoso, das variadas formas de violência, dos desastres ambientais, da iníqua distribuição dos bens da terra, do tráfico de seres humanos em todas as suas formas e da sede desenfreada de lucro, que é uma forma de idolatria (cf. Francisco, Mensagem para a Quaresma, 2020).
Sempre que partilhamos o que somos e o que temos, unindo-nos a todos os homens e mulheres de boa vontade, contrariamos a inclinação para “construir muros” à nossa volta, bem como a tendência para a acumulação supérflua e o desperdício, e contribuímos para minorar o sofrimento humano, tornando-nos semeadores de esperança.
Também este ano somos convidados a nos unirmos, como Igreja diocesana, na partilha fraterna presente na “renúncia quaresmal”, como expressão concreta da nossa conversão pessoal.
No ano passado a nossa partilha destinou-se a algumas comunidades das dioceses de Viana e Luena (Angola), para as quais enviámos 20.000€. Esta quantia destinou-se à promoção humana e social, sobretudo no campo da educação (participação na construção de uma Escola). Eu próprio tive a oportunidade de verificar, pela visita que ali realizei em julho passado, a oportunidade e o acerto desta partilha. Os missionários e as comunidades beneficiadas manifestaram-me o seu reconhecimento à diocese do Algarve.
Este ano decidimos acolher o pedido que nos chegou da diocese de S. Tomé e Príncipe, mais concretamente, por indicação do seu Bispo D. Manuel Santos, a Paróquia do Príncipe. A verba recolhida destinar-se-á a apoiar a resposta a diversas carências pastorais e sociais, nomeadamente, a formação escolar, a reconstrução da igreja paroquial (teto a ruir), a conclusão da Casa da Catequese, a formação dos agentes de pastoral…
Exorto todos, à semelhança dos anos anteriores, à generosidade nesta partilha fraterna, expressão da nossa comunhão eclesial com esta diocese missionária e esta comunidade paroquial, que pede a nossa ajuda.

Iluminados pela luz de Cristo ressuscitado, deixemo-nos guiar por Maria, neste caminho de conversão pessoal a Cristo e de adequação da nossa vida ao seu Evangelho.

Manuel Quintas, Bispo do Algarve

 

Fonte: Paróquia Vaqueiros Alcoutim

Check Also

Nota Pastoral do Bispo do Algarve – Na linha da frente para vencer a indiferença

1. “Este não é tempo para a indiferença, porque o mundo inteiro está a sofrer …