Home | Liturgia Dominical | 8 de março de 2020 – 2º Domingo da Quaresma -Ano A

8 de março de 2020 – 2º Domingo da Quaresma -Ano A

LEITURA I Gen 12, 1-4a

Leitura do Livro do Génesis
Naqueles dias, o Senhor disse a Abrão: «Deixa a tua terra, a tua família e a casa de teu pai e vai para a terra que Eu te indicar. Farei de ti uma grande nação e te abençoarei; engrandecerei o teu nome e serás uma bênção. Abençoarei a quem te abençoar, amaldiçoarei a quem te amaldiçoar; por ti serão abençoadas todas as nações da terra». Abrão partiu, como o Senhor lhe tinha ordenado.

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Salmo 32 (33), 4-5.18-19.20.22 (R. 22)

 

Refrão: Esperamos, Senhor, na vossa misericórdia.

Ou: Desça sobre nós a vossa misericórdia,
porque em Vós esperamos, Senhor.

 

A palavra do Senhor é recta,
da fidelidade nascem as suas obras.
Ele ama a justiça e a rectidão:
a terra está cheia da bondade do Senhor.

Os olhos do Senhor estão voltados para os que O temem,
para os que esperam na sua bondade,
para libertar da morte as suas almas
e os alimentar no tempo da fome.

A nossa alma espera o Senhor:
Ele é o nosso amparo e protector.
Venha sobre nós a vossa bondade,
porque em Vós esperamos, Senhor.

LEITURA II 2 Tim 1, 8b-10

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo a Timóteo
Caríssimo: Sofre comigo pelo Evangelho, apoiado na força de Deus. Ele salvou-nos e chamou-nos à santidade,
não em virtude das nossas obras, mas do seu próprio desígnio e da sua graça. Esta graça, que nos foi dada em Cristo Jesus, desde toda a eternidade, manifestou-se agora pelo aparecimento de Cristo Jesus, nosso Salvador,
que destruiu a morte e fez brilhar a vida e a imortalidade, por meio do Evangelho.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Mt 17, 1-9

+ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e levou-os, em particular, a um alto monte
e transfigurou-Se diante deles: o seu rosto ficou resplandecente como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E apareceram Moisés e Elias a falar com Ele. Pedro disse a Jesus: «Senhor, como é bom estarmos aqui! Se quiseres, farei aqui três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias». Ainda ele falava, quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra, e da nuvem uma voz dizia: «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência. Escutai-O». Ao ouvirem estas palavras, os discípulos caíram de rosto por terra e assustaram-se muito. Então Jesus aproximou-Se e, tocando-os, disse:
«Levantai-vos e não temais». Erguendo os olhos, eles não viram mais ninguém, senão Jesus. Ao descerem do monte, Jesus deu-lhes esta ordem: «Não conteis a ninguém esta visão, até o Filho do homem ressuscitar dos mortos».

Palavra da salvação.

Reflexão:

No nosso itinerário para a Páscoa do Senhor somos convidados a compreender e responder ao essencial da nossa adesão e compromisso com Jesus Cristo, o Filho de Deus.
Cristo resplandece para nós, o dom excelso do Pai, centralidade da Lei e dos Profetas, doação máxima de amor.
O crucificado é o mesmo ressuscitado, vencedor da morte e do pecado. Ele caminha connosco. Vai à frente na entrega, na paixão, na morte e na ressurreição. Ele quer dar-nos a oportunidade que robustece a nossa coragem, fidelidade e esperança, antecipando a beleza e fecundidade da entrega e da vitória do amor.
Somos frágeis, pobres e pequenos mas mesmo assim convidados a assumir a beleza resplandecente de Cristo, que irradia ternura, vida, misericórdia, graça e dignidade.
Somos convidados a descer para servir, gastando as nossas vidas para que em todos e em todas as circunstâncias brilhe e resplandeça o rosto verdadeiro de cada homem e de cada mulher, o rosto de Cristo.

1- Acolher a Proposta de Deus.

Deus não desiste da humanidade. Ele tem para todos um projeto de vida e de amor. Sua vontade é o desejo de vida, de transformação radical do mundo como espaço de bênção, de dignidade e de santidade. Ele ama a justiça e a retidão.
Na liberdade muitas vezes as escolhas são fruto do egoísmo e das opções de construção sem Deus e na adesão ao pecado. Por isso as divisões, a violência, o mal-estar, os desequilíbrios assustadores, o engano e a mentira.
O olhar de Deus repousa sobre aqueles que acreditam que é possível elevar este mundo, que é possível vencer o pecado e a morte. E a resposta que Ele espera passa pela pobreza, simplicidade e humildade de cada pessoa que aceita deixar, perder, ir, arriscar, estar em saída, comprometer-se e dar-se.
Esta proposta é Jesus Cristo dom do Pai e entrega do Pai. Ele é o centro. Conhecê-Lo, amá-Lo e segui-Lo é o fundamental convite que nos é feito.

2- Jesus Cristo anima a nossa entrega.

Para animar os seus discípulos diante dos acontecimentos que se vão realizar com a Sua paixão dolorosa, sua morte e sua ressurreição, Jesus Cristo manifesta-se de forma maravilhosa, e se faz partilha como experiência única de transfiguração, que antecipa a vitória e a glória.
Todos somos convidados a crer que a transformação radical da vida e do mundo passa pela nossa entrega na comunhão mais profunda com a vontade de Deus. Ele não se importa da nossa fraqueza na medida em que ela nos ajuda a sermos humildes, dóceis, a acolher e a comprometermo-nos com generosidade nesta obra fundamental.
Em Cristo transfigurado se transfigura todo o homem e toda a mulher. Em tantos contextos e tantas situações somos chamados e enviados a ajudar a humanidade a valorizar e descobrir a beleza da vida, das pessoas, sobretudo dos frágeis. Somos chamados e enviados a transformar, pela doação da nossa vida, aquelas situações e contextos em que os rostos e as pessoas foram desfigurados pela escravidão dos ídolos. É nossa tarefa principal fazer resplandecer a sua beleza e glória que emerge do mistério da encarnação e culmina na páscoa do Senhor morto e ressuscitado.

3- Ver/Escutar/ Seguir/dar-se.

Somos chamados a seguir pelo caminho da cruz. Caminho de esperança e de fecundidade … quem perder a vida por minha causa e pela causa do evangelho… ganhará.
Somos convidados a ver quantas maravilhas o mistério pascal de Cristo tem operado ao longo dos séculos. Quanta beleza densa e historicamente fecunda em pessoas, em obras, em instituições. Ver pequenos e grandes sinais de ressurreição e do ressuscitado.
Ao olharmos este longo percurso que Cristo faz connosco mais entusiasmo devemos sentir para celebrar a alegria da nossa fé; a beleza e a glória da Palavra de Deus; o dom excelso que é Cristo presente, vivo e atuante na História; a beleza da fecundidade dos seus discípulos que saíram de si para amar, para construir, curar, abençoar, abraçar a glória que é a Cruz do Senhor.
Escutar. A nossa vocação é de Escutar. Somos chamados a viver da e pela Palavra. Este é o tempo da Palavra, a eternidade o tempo da visão e da contemplação.
Tempo da Palavra acolhida, contemplada e vivida no compromisso de dar a vida, como Jesus Cristo, proposta do Pai, centralidade da Escritura, resposta última e definitiva para o Homem.
Somos convidados a fazer da nossa vida um constante sair para servir, estar onde é necessário, dar-se numa entrega geradora de vida e de esperança.
Dar-se de forma sábia que não mede o valor da entrega pelos critérios da eficiência, do êxito, do sucesso, mas pela medida do amor na perspectiva de Deus, no desejo jovem de conversão, de luta, de entrega.
E na exigência de ir, de deixar, de seguir, de se comprometer: “Quando tivermos de partir para uma periferia extrema, talvez nos assalte o medo; mas não há motivo! Na realidade, Jesus já está lá; Ele espera-nos no coração daquele irmão, na sua carne ferida, na sua vida oprimida, na sua alma sem fé. Jesus está lá naquele irmão. Ele sempre nos precede; sigamo-Lo! Tenhamos a audácia de abrir estradas novas para o anúncio do Evangelho” (Papa Francisco).

 

Oração Universal ou dos Fiéis

Irmãs e irmãos:
Neste tempo santo da Quaresma, Cristo anuncia a vitória da vida sobre a morte. Peçamos a Deus que nos faça escutar a sua voz, dizendo (ou: cantando), com fé:

R. Ouvi-nos, Senhor.
Ou: Salvai, Senhor, o vosso povo.
Ou: Abençoai, Senhor, a vossa Igreja.

 

1. Para que o Papa N., os bispos e os presbíteros a ele unidos
recebam a graça de sofrer pelo Evangelho
e ponham a confiança em Deus, como Abraão,
oremos.

2. Para que os governos das várias nações
defendam os cidadãos e os seus direitos,
e tudo façam pelos mais pobres e esquecidos,
oremos.

3. Para que os doentes e todos os que sofrem
vivam unidos à cruz do nosso Salvador
e, um dia, cheguem à contemplação da sua glória,
oremos.

4. Para que os fiéis que se reúnem ao domingo
dêem testemunho de Jesus Cristo, luz do mundo,
aos que lhes pedem a razão da sua esperança,
oremos.

5. Para que esta assembleia de cristãos,
à medida que comunga o Pão do Céu,
se transfigure como Jesus no monte santo,
oremos.

(Outras intenções: crianças da catequese e catequistas; fiéis defuntos …).

 

Senhor, que no monte da transfiguração nos mandastes escutar o vosso Filho, atendei a oração que o seu Espírito fez nascer nesta santa assembleia pela Igreja, pelo mundo e por nós mesmos. Por Cristo, nosso Senhor.

Check Also

22 de março de 2020 – 4º Domingo da Quaresma – Ano A

LEITURA I 1 Sam 16, 1b.6-7.10-13a Leitura do Primeiro Livro de Samuel Naqueles dias, o …