29 de maio de 2022 – Liturgia da Solenidade da Ascensão do Senhor – Ano C

LEITURA I Actos 1, 1-11

Leitura dos Actos dos Apóstolos

No meu primeiro livro, ó Teófilo, narrei todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar, desde o princípio até ao dia em que foi elevado ao Céu, depois de ter dado, pelo Espírito Santo, as suas instruções aos Apóstolos que escolhera. Foi também a eles que, depois da sua paixão, Se apresentou vivo com muitas provas, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando-lhes do reino de Deus. Um dia em que estava com eles à mesa, mandou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, «da qual __ disse Ele __ Me ouvistes falar. Na verdade, João baptizou com água; vós, porém, sereis baptizados no Espírito Santo, dentro de poucos dias». Aqueles que se tinham reunido começaram a perguntar: «Senhor, é agora que vais restaurar o reino de Israel?» Ele respondeu-lhes: «Não vos compete saber os tempos ou os momentos que o Pai determinou com a sua autoridade;
mas recebereis a força do Espírito Santo, que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém e em toda a Judeia e na Samaria e até aos confins da terra». Dito isto, elevou-Se à vista deles e uma nuvem escondeu-O a seus olhos. E estando de olhar fito no Céu, enquanto Jesus Se afastava, apresentaram-se-lhes dois homens vestidos de branco, que disseram: «Homens da Galileia, porque estais a olhar para o Céu? Esse Jesus, que do meio de vós foi elevado para o Céu, virá do mesmo modo que O vistes ir para o Céu».

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Salmo 46 (47), 2-3.6-7.8-9 (R. 6)

Refrão: Por entre aclamações e ao som da trombeta,
ergue-Se Deus, o Senhor.

Ou: Ergue-Se Deus, o Senhor,
em júbilo e ao som da trombeta.

 

Povos todos, batei palmas,
aclamai a Deus com brados de alegria,
porque o Senhor, o Altíssimo, é terrível,
o rei soberano de toda a terra.

Deus subiu entre aclamações,
o Senhor subiu ao som da trombeta.
Cantai hinos a Deus, cantai,
cantai hinos ao nosso rei, cantai.

Deus é rei do universo:
cantai os hinos mais belos.
Deus reina sobre os povos,
Deus está sentado no seu trono sagrado.

 

LEITURA II Ef 1, 17-23

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios

Irmãos:
O Deus de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda um espírito de sabedoria e de revelação para O conhecerdes plenamente e ilumine os olhos do vosso coração, para compreenderdes a esperança a que fostes chamados, os tesouros de glória da sua herança entre os santos e a incomensurável grandeza do seu poder para nós os crentes. Assim o mostra a eficácia da poderosa força que exerceu em Cristo, que Ele ressuscitou dos mortos e colocou à sua direita nos Céus, acima de todo o Principado, Poder, Virtude e Soberania, acima de todo o nome que é pronunciado, não só neste mundo, mas também no mundo que há-de vir. Tudo submeteu aos seus pés e pô-l’O acima de todas as coisas como Cabeça de toda a Igreja, que é o seu Corpo, a plenitude d’Aquele que preenche tudo em todos.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Lc 24, 46-53

+ Conclusão do santo Evangelho segundo São Lucas

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Está escrito que o Messias havia de sofrer e de ressuscitar dos mortos ao terceiro dia e que havia de ser pregado em seu nome o arrependimento e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sois testemunhas disso. Eu vos enviarei Aquele que foi prometido por meu Pai. Por isso, permanecei na cidade, até que sejais revestidos com a força do alto». Depois Jesus levou os discípulos até junto de Betânia e, erguendo as mãos, abençoou-os. Enquanto os abençoava, afastou-Se deles e foi elevado ao Céu. Eles prostraram-se diante de Jesus, e depois voltaram para Jerusalém com grande alegria. E estavam continuamente no templo, bendizendo a Deus.

Palavra da salvação.

 

REFLEXÃO

1. A Ascensão de Jesus, nossa Esperança

Verdade da nossa Fé. «No meu primeiro livro, ó Teófilo, narrei todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar, até ao dia em que foi elevado ao Céu, depois de ter dado, pelo Espírito Santo, as suas instruções aos Apóstolos que escolhera

A Ascensão de Jesus – ao mesmo tempo que é um acontecimento histórico testemunhado por cerca de quinhentos discípulos – é uma verdade da nossa fé.

Ensina-nos o Catecismo da Igreja Católica: «Então, o Senhor Jesus, depois de lhes ter falado, foi elevado ao céu e sentou-se à direita de Deus» (Mc 16, 19). O corpo de Cristo foi glorificado desde o momento da sua ressurreição, como o provam as propriedades novas e sobrenaturais de que, a partir de então, ele goza permanentemente (Cf. Lc 24. 31; Jo 20, 19.26). Mas, durante os quarenta dias em que vai comer e beber familiarmente com os discípulos (Cf. Act 10, 41) e instruí-los sobre o Reino (Cf. Act 1, 3), a sua glória fica ainda velada sob as aparências duma humanidade normal (Cf. Mc 16, 12; Lc 24. 15; Jo 20, 14-15; 21, 4). A última aparição de Jesus termina com a entrada irreversível da sua humanidade na glória divina, simbolizada pela nuvem (Cf. Act 1, 9; também Lc 9. 34-35; Ex 13, 22) e pelo céu (Cf. Lc 24, 51). onde a partir de então, está sentado à direita de Deus (Cf. Mc 16, 19; Act 2, 33; 7. 56: também Sl 110, 1). Só de modo absolutamente excepcional e único é que Se mostrará a Paulo, «como a um aborto» (1 Cor 15, 8), numa última aparição que o constitui Apóstolo (Cf. 1 Cor 9, 1: Gl 1, 16). (CIC, n.º 659).

Durante quarenta dias depois da Ressurreição, Jesus apareceu várias vezes aos Apóstolos, para os confirmar na fé da Ressurreição.

Depois convocou-os para o Jardim das Oliveiras – muito perto do lugar onde agonizou na noite de Quinta-Feira Santa – e elevou-se à vista de Maria, dos Apóstolos e de muitos discípulos. A tradição venera o lugar onde começou a elevar-se, até que uma nuvem – símbolo da fé – O ocultou aos olhares dos presentes.

Sendo uma verdade de fé, a Ascensão de Jesus é também o motivo da nossa Esperança: pela misericórdia do Senhor, seguiremos este mesmo caminho até ao Céu.

2. O caminho do Céu

Conversão pessoal. «Naquele tempo, os onze discípulos partiram para a Galileia, em direcção ao monte que Jesus lhes indicara. Quando O viram, adoraram n’O; mas alguns ainda duvidaram

Ao contemplar Jesus Cristo que sobre glorioso e triunfante ao Céu, depois de ter vencido a morte e o pecado, enchemo-nos de saudade – porque deixamos de o ver até depois da nossa morte – e de desejos de O acompanhar.

Ele ensina-nos o caminho do Céu e convida-nos a segui-l’O, para participar da Sua felicidade e glória.

O primeiro passo que temos de dar é convertermo-nos, acertar a nossa vida pelos Mandamentos da Sua Lei.

Antes de anunciar aos outros a salvação em Jesus, é preciso acolhê-la na vida. O trabalho da nossa conversão é contínuo e só acaba no fim da vida terrena.

É necessária a coerência de vida: fazer e ensinar, como fez Jesus na Sua vida terrena.

Um santo dos nossos dias afirmava, referindo-se às virtudes, sacrifícios e práticas de penitência: “Nunca peço às pessoas para fazerem alguma coisa que eu não tenha feito.”

No Reino de Deus soa a moeda falsa dizer: “Olhai para o que eu digo e não olheis para o que eu faço.” Temos de fazer um esforço generoso para praticar aquilo mesmo que recomendamos, de outro modo, o que dizemos, soa a hipocrisia.

Também não estamos à espera de sermos santos para começar a dar bons conselhos. O importante é podermos dizer com verdade: “Eu também luto, também me esforço, também me custa e nem sempre venço, mas procuro ser fiel a Deus.

 

ORAÇÃO UNIVERSAL OU DOS FIÉIS 

Caríssimos fiéis:
No dia em que o Senhor Jesus subiu ao Céu, invoquemos a sua intercessão pelos homens e mulheres do mundo inteiro, dizendo (ou: cantando), com alegria:

R. Cristo, elevado ao Céu, ouvi-nos.
Ou: Cristo, ouvi-nos. Cristo, atendei-nos.
Ou: Mediador dos homens, escutai-nos.

1. Pelos pastores da Igreja enviados por Jesus
a anunciar o Evangelho em toda a parte,
para que vivam animados pelo Espírito Santo,
oremos.

2. Pelos que buscam a Deus olhando o Céu,
para que O reconheçam também na terra
nos mais pobres e nos que choram ou estão sós,
oremos.

3. Pelos homens que não conhecem a Cristo,
para que a luz da fé os ilumine
e recebam o Baptismo no Espírito Santo,
oremos.

4. Pelos esposos cristãos e pelos seus lares,
para que sejam um sinal do amor de Deus
e uma escola do Evangelho para seus filhos,
oremos.

5. Por todos nós aqui reunidos em assembleia,
para que Jesus nos chame um dia a contemplar
a glória eterna do Pai onde Ele habita,
oremos.

(Outras intenções: meios de comunicação social; jornalistas …).

Senhor Jesus Cristo,
Filho de Deus vivo, escutai as nossas súplicas, e fazei-nos desejar as moradas eternas, onde viveis e intercedeis por nós. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos.

Check Also

12 de junho de 2022 – Liturgia da Solenidade da Santíssima Trindade – Ano C

LEITURA I Prov 8, 22-31 Leitura do Livro dos Provérbios Eis o que diz a …