Home | Liturgia Dominical | 21 de abril de 2019 – Domingo de Páscoa da Ressurreição do Senhor

21 de abril de 2019 – Domingo de Páscoa da Ressurreição do Senhor

LEITURA I – Act 10,34.37-43

Leitura dos Actos dos Apóstolos

Naqueles dias, Pedro tomou a palavra e disse: «Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia, a começar pela Galileia, depois do baptismo que João pregou: Deus ungiu com a força do Espírito Santo a Jesus de Nazaré,
que passou fazendo o bem e curando a todos os que eram oprimidos pelo Demónio, porque Deus estava com Ele.
Nós somos testemunhas de tudo o que Ele fez no país dos judeus e em Jerusalém; e eles mataram-n’O, suspendendo-O na cruz. Deus ressuscitou-O ao terceiro dia e permitiu-Lhe manifestar-Se, não a todo o povo,
mas às testemunhas de antemão designadas por Deus, a nós que comemos e bebemos com Ele, depois de ter ressuscitado dos mortos. Jesus mandou-nos pregar ao povo e testemunhar que Ele foi constituído por Deus
juiz dos vivos e dos mortos. É d’Ele que todos os profetas dão o seguinte testemunho: quem acredita n’Ele recebe pelo seu nome a remissão dos pecados».

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 117 (118)

Refrão: Este é o dia que o Senhor fez:
exultemos e cantemos de alegria.

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
Diga a casa de Israel:
é eterna a sua misericórdia.

A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei-de viver
para anunciar as obras do Senhor.

A pedra que os construtores rejeitaram
tornou-se pedra angular.
Tudo isto veio do Senhor:
é admirável aos nossos olhos.

 

LEITURA II – Col 3,1-4

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Colossenses
Irmãos: Se ressuscitastes com Cristo, aspirai às coisas do alto, onde está Cristo, sentado à direita de Deus.
Afeiçoai-vos às coisas do alto e não às da terra. Porque vós morrestes e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a vossa vida, Se manifestar, também vós vos haveis de manifestar com Ele na glória.

Palavra do Senhor.

SEQUÊNCIA

À Vítima pascal
ofereçam os cristãos
sacrifícios de louvor.

O Cordeiro resgatou as ovelhas:
Cristo, o Inocente,
reconciliou com o Pai os pecadores.

A morte e a vida
travaram um admirável combate:
Depois de morto,
vive e reina o Autor da vida.

Diz-nos, Maria:
Que viste no caminho?

Vi o sepulcro de Cristo vivo
e a glória do Ressuscitado.
Vi as testemunhas dos Anjos,
vi o sudário e a mortalha.
Ressuscitou Cristo, minha esperança:
precederá os seus discípulos na Galileia.

Sabemos e acreditamos:
Cristo ressuscitou dos mortos.
Ó Rei vitorioso,
tende piedade de nós.

 

EVANGELHO – Jo 20,1-9

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi de manhãzinha, ainda escuro, ao sepulcro e viu a pedra retirada do sepulcro. Correu então e foi ter com Simão Pedro e com o discípulo predilecto de Jesus e disse-lhes: «Levaram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde O puseram». Pedro partiu com o outro discípulo« e foram ambos ao sepulcro. Corriam os dois juntos, mas o outro discípulo antecipou-se, correndo mais depressa do que Pedro,
e chegou primeiro ao sepulcro. Debruçando-se, viu as ligaduras no chão, mas não entrou. Entretanto, chegou também Simão Pedro, que o seguira. Entrou no sepulcro e viu as ligaduras no chão e o sudário que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não com as ligaduras, mas enrolado à parte. Entrou também o outro discípulo que chegara primeiro ao sepulcro: viu e acreditou. Na verdade, ainda não tinham entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos.

Reflexão:

Derramarei sobre vós uma água pura.

São muito bonitas as cerimónias litúrgicas da Vigília pascal. Todas elas giram à volta do Baptismo e da Eucaristia.
As leituras, a bênção da água, a celebração dos baptizados falam-nos da vida nova que Jesus nos trouxe pela Sua morte e ressurreição No baptismo lavou-nos do pecado por uma água pura, como o profeta Ezequiel anunciava ao povo de Israel. Deu-nos um coração novo para O amarmos e sermos o povo santo da nova aliança.
A passagem do Mar Vermelho é também uma prefiguração do Baptismo. Como os israelitas, também nós fomos libertados da escravidão, duma escravidão pior que a do Egipto. O Senhor libertou-nos do pecado e do demónio e tornou-nos verdadeiramente filhos de Deus.
Os Santos Padres viram na água e no sangue que manaram do peito aberto de Cristo o sinal dos sacramentos que Jesus deixou à Sua Igreja. Morrendo na cruz obteve-nos a salvação, mereceu para todos os homens a abundância da graça que redime e salva. E é pelos sacramentos, que Ele instituiu, que essa graça mana sobre nós.
O primeiro de todos é o Baptismo. É por ele que nascemos para a vida nova de filhos de Deus. Jesus disse a Nicodemos que era preciso nascer de novo para poder entrar no Reino de Deus. E ele perguntava :-Como pode um homem nascer sendo velho? Porventura pode tornar a entrar no seio de sua mãe? E Jesus respondeu-lhe “ Em verdade, em verdade te digo: quem não renascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus. ” (Jo 3,5) Antes de subir ao Céu disse aos Apóstolos : “ide por todo o mundo pregai o Evangelho a toda a criatura. Quem acreditar e for baptizado será salvo. mas quem não acreditar será condenado “ (Mc 16,15,16 ).E mandou-os baptizar “ em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo “ (Mt 18,20)
O baptismo é o sacramento que nos faz nascer para a vida nova de Jesus, a graça que nos faz santos, membros da Sua Igreja e herdeiros da Sua felicidade infinita. O Compêndio do Catecismo da Igreja Católica ensina :”O Baptismo perdoa o pecado original, todos os pecados pessoais e as penas devidas ao pecado ;faz participar na vida divina trinitária mediante a graça santificante, a graça da justificação que incorpora em Cristo e na Igreja ; faz participar no sacerdócio de Cristo e constitui o fundamento da comunhão entre todos os cristãos ; confere as virtudes teologais e os dons do Espírito Santo. O baptizado pertence para sempre a Cristo : com efeito, é assinalado com o selo indelével de Cristo (carácter ). (263).

Fomos baptizados na Sua morte

A morte e Ressurreição de Jesus não são apenas acontecimentos do passado. Estão presentes na vida da Igreja e na vida de cada um de nós.
Estão presentes aqui neste momento. Na Eucaristia que celebramos torna-se presente o sacrifício do Calvário. É Jesus ressuscitado que está no meio de nós. Reconhecemo-Lo ao partir do pão como os discípulos de Emaús, naquela tarde de Páscoa. Que neste dia tomemos mais consciência desta verdade, que nos há-de encher de alegria como às mulheres e aos discípulos no dia Páscoa.
Estes dias são tradicionalmente de grande alegria para o povo cristão. Porque procurou avivar a sua fé e purificar a sua alma ao longo da quaresma para este encontro com o Senhor ressuscitado. Na comunhão pascal mais vivida e mais bem preparada pelo sacramento da penitência, que Jesus deixou à Sua Igreja como prenda no dia de Páscoa.
A morte e ressurreição estão presentes na vida de cada um de nós. Fomos baptizados na Sua morte – diz S.Paulo. ”Não sabeis que os que fomos baptizados em Cristo Jesus fomos baptizados na Sua morte? Fomos, pois, pelo baptismo sepultados com Ele na morte para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos para glória do Pai, assim caminhemos numa vida nova (Rom.6,3-4).
Morremos com ele para o pecado e ressuscitámos com Ele para a vida da graça. Participamos misteriosamente da Sua morte e ressurreição.

Também nós vivamos uma vida nova

Em Jesus o cristão é um homem novo, vivendo em Cristo, o homem novo. S.Leão Magno admoestava os cristãos :”Reconhece, ó cristão, a tua dignidade ; participante da natureza divina não voltes aos erros da tua conduta passada. Recorda quem é a tua cabeça e de que corpo és membro. Recorda que foste arrancado ao poder das trevas e transportado para a luz e para o Reino de Deus. Pelo sacramento do baptismo transformaste-te em templo do Espírito Santo. Procura não afastar um hóspede tão importante com as tuas más acções, caindo de novo sob o domínio do demónio. O preço da tua salvação é o sangue de Cristo “ ( Serm.I do Natal do Senhor ).
Renovados por dentro, “ participantes da natureza divina “(2 Ped 1,4 ), temos de viver à maneira de Jesus, temos de ser santos. S Pedro exortava os primeiros cristãos :”Como filhos obedientes, não vos conformeis com os desejos do vosso passado (antes do baptismo ), quando estáveis na ignorância, mas, à imitação d’Aquele que vos chamou, sede vós também santos em todas as acções, porque está escrito: “Sereis santos, porque Eu sou santo”. E, se invocais como Pai Aquele que julga cada um segundo as suas obras, sem acepção de pessoas, vivei com temor durante o tempo da vossa peregrinação, sabendo que fostes resgatados da vida fútil recebida dos vossos pais, não com coisas corruptíveis, prata ou ouro, mas pelo sangue precioso de Cristo, o Cordeiro sem defeito e sem mancha, predestinado antes da criação do mundo, e manifestado nos últimos tempos por amor de vós. Por Ele acreditais em Deus, que O ressuscitou dos mortos e O glorificou, de maneira que a vossa fé e a vossa esperança estejam em Deus. “(1 Ped 1,14-21 )
Contamos com as graças actuais que derivam do baptismo, para vivermos, pela vida fora, essa vida nova de filhos de Deus, ao estilo de Cristo.
Contamos com a acção do Espírito Santo em nossa alma, que nos leva a tratar a Deus como filhos e nos ensina a copiar Jesus em nossa vida. Ele é dom de Jesus, fruto da Sua morte.
Temos a ajuda do sacramento do perdão, que é como que um novo baptismo, que podemos e devemos receber muitas vezes. Que não seja apenas no tempo da quaresma. Como ninguém toma banho apenas uma vez no ano. Renova-nos a graça baptismal e enche-nos da alegria que vem de Deus.
Um miúdo foi ter com o pároco e disse-lhe:
-O senhor padre confessa-me?
-Mas tu quantos anos tens?-Tenho cinco.
-Confessas-te mais adiante quando fizeres a primeira comunhão.
-Eu queria confessar-me agora porque tenho um pecado. Sim! É que o meu irmão, que vai fazer a primeira comunhão, confessou-se. E saiu tão contente…E eu fiquei com inveja.
Vale a pena renovarmos muitas vezes o nosso baptismo através do sacramento da penitência.

Oração Universal ou dos Fiéis.

Caríssimos irmãos e irmãs em Cristo:
Neste dia santíssimo que o Senhor fez, em que o Espírito nos torna homens novos, oremos ao Pai, para que a alegria da Páscoa se estenda ao mundo inteiro, dizendo (ou: cantando), com fé:

R. Pela Ressurreição do vosso Filho, ouvi-nos, Senhor.
Ou: Abençoai, Senhor, a vossa Igreja.
Ou: Ouvi-nos, Senhor.

1. Pela Igreja católica e apostólica,
para que se alegre santamente nesta Páscoa
e proclame que o Senhor ressuscitou,
oremos, irmãos.

2. Por todos os que foram baptizados,
para que aspirem às realidades do alto
e dêem graças pelo seu novo nascimento,
oremos, irmãos.

3. Pela humanidade inteira,
para que acolha a Boa Nova e a Aliança
que Deus lhe oferece em Cristo ressuscitado,
oremos, irmãos.

4. Pelas famílias cristãs,
para que o Cordeiro pascal, que é a nossa vida,
as alimente com o seu Corpo e o seu Sangue,
oremos, irmãos.

5. Pela nossa comunidade (paroquial),
para que cresça no amor a Jesus Cristo
e dê testemunho da sua Ressurreição,
oremos, irmãos.

(Outras intenções: famílias que se reúnem neste dia; nossos familiares
defuntos …).

Deus santo, Deus da vida, Deus salvador, que na Ressurreição do vosso Filho
destes ao mundo a vitória sobre a morte, fazei-nos viver ressuscitados com Ele, deixando-nos conduzir pelo seu Espírito. Por Cristo Senhor nosso.

Check Also

30 de junho de 2019 – 13º Domingo do Tempo Comum – Ano C

LEITURA I 1 Reis 19, 16b.19-21 Leitura do Primeiro Livro dos Reis Naqueles dias, disse …