12 de junho de 2022 – Liturgia da Solenidade da Santíssima Trindade – Ano C

LEITURA I Prov 8, 22-31

Leitura do Livro dos Provérbios

Eis o que diz a Sabedoria de Deus:
«O Senhor me criou como primícias da sua actividade, antes das suas obras mais antigas. Desde a eternidade fui formada, desde o princípio, antes das origens da terra. Antes de existirem os abismos e de brotarem as fontes das águas, já eu tinha sido concebida. Antes de se implantarem as montanhas e as colinas, já eu tinha nascido; ainda o Senhor não tinha feito a terra e os campos, nem os primeiros elementos do mundo. Quando Ele consolidava os céus,
eu estava presente; quando traçava sobre o abismo a linha do horizonte, quando condensava as nuvens nas alturas,
quando fortalecia as fontes dos abismos, quando impunha ao mar os seus limites para que as águas não ultrapassassem o seu termo, quando lançava os fundamentos da terra, eu estava a seu lado como arquitecto, cheia de júbilo, dia após dia, deleitando-me continuamente na sua presença. Deleitava-me sobre a face da terra e as minhas delícias eram estar com os filhos dos homens».

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Salmo 8, 4-9 (R. 2a)

Refrão: Como sois grande em toda a terra,
Senhor, nosso Deus!

Quando contemplo os céus, obra das vossas mãos,
a lua e as estrelas que lá colocastes,
que é o homem para que Vos lembreis dele,
o filho do homem para dele Vos ocupardes?

Fizestes dele quase um ser divino,
de honra e glória o coroastes;
destes-lhe poder sobre a obra das vossas mãos,
tudo submetestes a seus pés:

Ovelhas e bois, todos os rebanhos,
e até os animais selvagens,
as aves do céu e os peixes do mar,
tudo o que se move nos oceanos.

 

LEITURA II Rom 5, 1-5

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos

Irmãos: Tendo sido justificados pela fé, estamos em paz com Deus, por Nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual temos acesso, na fé, a esta graça em que permanecemos e nos gloriamos, apoiados na esperança da glória de Deus. Mais ainda, gloriamo-nos nas nossas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz a constância, a constância a virtude sólida, a virtude sólida a esperança. Ora a esperança não engana, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Jo 16, 12-15

+ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Tenho ainda muitas coisas para vos dizer, mas não as podeis compreender agora. Quando vier o Espírito da verdade, Ele vos guiará para a verdade plena; porque não falará de Si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará o que está para vir. Ele Me glorificará, porque receberá do que é meu e vo-lo anunciará. Tudo o que o Pai tem é meu. Por isso vos disse que Ele receberá do que é meu e vo-lo anunciará».

Palavra da salvação.

 

REFLEXÃO

Ao longo do tempo pascal recordámos com alegria a vitória de Jesus que, morrendo destruiu a morte. No Domingo, celebrámos o Espírito Santo prometido e enviado sobre os Apóstolos. Hoje celebramos a festa da Santíssima Trindade. Diz-nos o Catecismo da Igreja católica: “O mistério da Santíssima Trindade é o mistério central da fé e da vida cristã. É o mistério de Deus em si mesmo. É a fonte de todos os outros mistérios da nossa fé.” (Catecismo da Igreja católica no nº 234)

Conheço uma capela onde existe um quadro maravilhoso, representando a Santíssima Trindade: Vemos Deus Pai, sentado, com os braços abertos, recebendo Jesus morto, estendido num lençol, segurado pelos Anjos. O Espírito Santo, em forma de pomba está junto ao coração do Pai e próximo da cabeça de Jesus, deitado no colo de Seu eterno Pai. O rosto sereno de Deus Pai irradia uma bondade infinita. Os seu olhos estão abertos, como que olhando para todos os seus filhos de todos os tempos e lugares. Os seus lábios, também abertos, parecem produzir aquelas palavras reveladoras do seu Amor infinito: “Deus Pai amou tanto o mundo que lhe deu o Seu Filho Unigénito.” (Jo 3,16)

Habitualmente iniciamos a Eucaristia com as palavras de S. Paulo aos Coríntios: “A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco.” (II Cor. 13.13) Com esta saudação professamos a fé no mistério da Santíssima Trindade. Todos os Domingos rezamos: Creio em um só Deus. A fé cristã ensina que há um só Deus que Se revelou como “Um Deus cheio de misericórdia, cheio de clemência, cheio de bondade e cheio de fidelidade.» (Ex 34, 6)

Deus nosso Pai “é rico em misericórdia” (Ef 2,4). “Jesus Cristo é o rosto da misericórdia do Pai. Tal misericórdia tornou-se visível em Jesus de Nazaré, nascido da Virgem Maia para nos revelar, de modo definitivo com a sua palavra, os seus gestos e toda a sua pessoa, a misericórdia de Deus… Com o olhar fixo em Jesus e no seu rosto misericordioso, podemos contemplar o amor da Santíssima Trindade, o mistério do amor divino na sua plenitude.” (Papa Francisco, o Rosto da misericórdia 1;8) Jesus revela-nos o mistério de Deus, utilizando uma linguagem familiar: “Quando orardes dizei: “Pai Nosso!” (Mat 6,9) Afirma ser Filho de Deus e identifica-se com Ele: “Quem me vê a Mim, vê o Pai!” (Jo 14,9)  “Eu e o Pai somos um só!”(Jo 10,30) Jesus promete-nos o Espírito Santo. Diz-nos que o Espírito Santo será para nós um Advogado que nos defende e um Mestre que nos confirmará na verdade plena. Deus é uma família: “O nosso Deus, no seu mistério mais íntimo, não é solidão, mas uma família, dado que tem em si mesmo paternidade, filiação e a essência da família que é o amor. Este amor na família divina é o Espírito Santo. (Papa Francisco, A Alegria do Amor, 11) O Pai ama o Filho, o Filho ama o Pai e faz sempre a vontade de Seu Eterno Pai. Tudo o que é do Pai, pertence ao Filho. O Pai e o Filho enviam o Espírito Santo sobre os Apóstolos: “O Paráclito, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome vos ensinará todas as coisas! (Jo 14,26) “Quando vier o Paráclito, que Eu vos enviarei de junto do Pai, o Espírito da verdade, que procede do Pai, Ele dará testemunho de mim.” (Jo 15,26) Diz-nos também que Deus Pai nos ama! “O próprio Pai vos ama, porque vós Me amastes e acreditastes que Eu saí de Deus.” (J0 16, 27)  

O Apóstolo São João foi uma testemunha privilegiada desta comunhão de amor divino! Conviveu com Jesus. Ouviu a Voz do Pai, no monte Tabor. Viu, ouviu e escreveu acerca do Amor de Deus, que se manifestou em Cristo Jesus: “Deus é Amor. Nós conhecemos o Amor que Deus nos tem e acreditamos nele. Quem ama permanece em Deus e Deus permanece nele, porque Deus é Amor.” (1 Jo 4, 8.16). Que consolação para nós: “Vede que admirável amor o Pai nos consagrou! Somos filhos e somo-lo de facto.”(I Jo 3,1)

São Paulo também nos ajuda a compreender o Mistério da Santíssima Trindade: Deus manifestou o seu amor infinito e destinou-nos a tomar parte nessa comunhão de amor. Que alegria sabermos que Deus derrama o Seu amor nos nossos corações pelo Espírito Santo: “Deus enviou o seu Filho ao mundo para nos tornar seus filhos adoptivos. E porque somos filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama «Abba, Pai». (Gal 4, 4.5-6)

Pelo Baptismo nascemos de novo, tornamo-nos “filhos muito amados”, ficamos a pertencer à grande família dos filhos de Deus. Os cristãos são baptizados «em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo» (Mt 28, 19). Na cerimónia do Baptismo, respondem por três vezes «Sim creio» à tríplice pergunta com que são interpelados: credes em Deus Pai, credes em Jesus, credes no Espírito Santo? “Sim Creio.” Acreditamos em Deus Pai, Criador, em Deus Filho, Redentor, no Espírito Santo de Amor. Jesus ensina: “Vós sois todos irmãos. Um só é o vosso Pai, o Pai Celeste.”( Mat 23,8.9 Em comunhão com toda a Igreja, rezemos com filial alegria: “Bendigamos o Pai, o Filho e o Espírito Santo; louvemo-l’O e exaltemo-l’O para sempre.” Bendito sejais, Senhor nosso Deus e nosso Pai. A Vós a honra, a glória e o louvor, agora e para sempre! Amen! Aleluia!

 

ORAÇÃO UNIVERSAL OU DOS FIÉIS 

Caríssimos irmãos e irmãs:
Oremos a Deus Pai todo-poderoso, por intercessão de seu Filho, nosso Salvador, e na força do Espírito Santo, que nos foi dado, dizendo (ou: cantando), cheios de confiança:

R. Pai nosso, que estais nos céus, ouvi-nos.
Ou: Senhor, Pai Santo, escutai-nos.
Ou: Ouvi, Senhor, a nossa súplica.

1. Pela santa Igreja de Deus verdadeiro,
que se estende por todo o universo,
para que seja revelação do seu mistério,
oremos ao Pai, pelo Filho, no Espírito Santo.

2. Pelos homens ofendidos e humilhados
e pelos que sofrem a doença e a solidão,
para que encontrem quem os ajude,
oremos ao Pai, pelo Filho, no Espírito Santo.

3. Por todos os que, como nós, adoram o Deus único,
especialmente os Judeus e os Muçulmanos,
para que o Espírito os leve à verdade plena,
oremos ao Pai, pelo Filho, no Espírito Santo.

4. Por aqueles a quem Deus dá a sabedoria
de verem no homem quase um ser divino,
para que defendam e promovam a sua dignidade,
oremos ao Pai, pelo Filho, no Espírito Santo.

5. Pelas famílias da nossa comunidade (paroquial),
para que a Palavra e o Pão da vida
as façam crescer na unidade,
oremos ao Pai, pelo Filho, no Espírito Santo.

(Outras intenções: todas as famílias da paróquia; nossos familiares defuntos …).

Pai santíssimo, que criastes o universo
e por Jesus Cristo, vosso Filho e Deus convosco, nos enviastes o Espírito da verdade, ouvi as orações do vosso povo
e alegrai-nos com a vossa salvação.

Por Cristo Senhor nosso.

Check Also

13 de novembro de 2022 – Liturgia do 33º Domingo do tempo Comum – Ano C

LEITURA I Mal 3, 19-20a Leitura da Profecia de Malaquias Há-de vir o dia do …