5 de junho de 2022 – Solenidade de Domingo de Pentecostes – Ano C

“O Espírito do Senhor encheu a terra inteira.

Ele, que abrange o universo, conhece toda a palavra. (Sab 1, 7)

Celebramos hoje a festa de Pentecostes, a festa conclusiva do tempo pascal. Com a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos, teve início o nascimento da Igreja. O Espírito Santo transformou profundamente os Apóstolos: tornou-os fortes e corajosos. O Espírito Santo uniu numa mesma comunidade de fé e de amor, povos de todas as raças e culturas (Act 2,1-11).

O Amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

Celebramos neste Domingo a festa dedicada ao Divino Espírito Santo. Sabemos que nos dias seguintes à ressurreição do Senhor, os Apóstolos permaneceram reunidos entre si, confortados pela presença de Maria, Mãe de Jesus. Depois da Ascensão, perseveravam juntamente com Ela em orante expectativa do Pentecostes.[1] Antes de subir ao Céu, Jesus tinha prometido que enviaria o Espírito Santo. Hoje, a primeira Leitura, tirada dos Actos dos Apóstolos, recorda-nos que se cumpriu a promessa de Jesus. “Viram então aparecer uma espécie de línguas de fogo, que se iam dividindo, e poisou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo.”[2]

São João situa a descida do Espírito Santo na tarde do dia de Páscoa. Jesus ressuscitado vai ao encontro dos Apóstolos, oferece a paz e enche-os com o dom do Espírito Santo. “Jesus soprou sobre eles e disse: A paz esteja convosco. Recebei o Espírito Santo.” (Jo 20,19-23) Os Apóstolos ficaram cheios de alegria, quando viram Jesus ressuscitado. Depois do Pentecostes a Igreja é-nos descrita como uma Comunidade cheia de tranquilidade e sem medo. “Tinham um só coração e uma só alma. Gozavam da simpatia de todo o povo.” (Actos 4, 32)

Jesus mostrou-lhes as mãos e o lado: “Não tenhais medo. Vede as minhas mãos e os meus pés. Sou eu mesmo.”[3] O mesmo Jesus que eles viram crucificado, mas que agora tem um corpo glorioso, capaz de entrar em casa com as portas fechadas. Jesus mostrou os sinais da Sua entrega total e amorosa, na cruz. Era necessário desfazer as dúvidas, arrancar o medo, infundir a alegria da vitória sobre a morte. As chagas serão memória permanente da Paixão do Senhor. A Igreja há-de agradecer continuamente a Jesus, porque “pelas Suas chagas fomos curados.” (1 Pedro 2,21)

“Divinas mãos e pés peito rasgado. Chagas do meu Senhor, redenção minha.”

 

 “Como o Pai me enviou, eu também vos envio a vós.”

O Pentecostes não é apenas um acontecimento do passado, mas continua ainda hoje. Animados pelo dom de Jesus Cristo ressuscitado e fortalecidos pelo Espírito Santo recebido no Sacramento do Crisma, somos enviados ao mundo como mensageiros da paz e da reconciliação. O Espírito Santo faz nascer a Igreja, anima a Igreja e sempre a renova ao longo dos tempos, com seus dons e carismas. «A Igreja encontra sua origem e a sua realização plena no eterno desígnio de Deus. Fundada pelas palavras e as acções de Jesus Cristo, foi realizada mediante a sua Morte redentora e a sua Ressurreição. Foi depois, manifestada como mistério de salvação mediante a efusão do Espírito Santo no Pentecostes. Terá a sua realização plena no final dos tempos, como assembleia celeste de todos os redimidos» (Catecismo Compêndio, 149; Catecismo da Igreja Católica, 778).

São Lucas disse que os Apóstolos começaram a falar em todas as línguas: “Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar outras línguas.” Deus quis manifestar assim a presença do Espírito Santo, fazendo com que todos aqueles que O tinham recebido falassem em todas as línguas. “Devemos entender, irmãos caríssimos, que se trata do mesmo Espírito Santo pelo qual a caridade de Deus se derrama em nossos corações. A caridade havia de reunir na Igreja de Deus todos os povos da terra; e assim como então, um só homem, ao receber o Espírito Santo, podia falar em todas as línguas, também agora uma só Igreja, reunida pelo Espírito Santo, se exprime em todas as línguas.”[4]

“Foi o Espírito Santo que no princípio da Igreja nascente revelou o conhecimento de Deus a todos os povos da terra e uniu a diversidade das línguas na profissão duma só fé. (Prefácio).

Check Also

Família, uma comunidade de crescimento da fé.

A família é, de facto, a primeira e mais importante comunidade educativa. A escola e …