Behold the Lamb of God John 1:36

17 de janeiro de 2021 – 2º Domingo do Tempo Comum – Ano B

A palavra de Deus é sempre criadora de vida, se a acolhermos com humildade, como tão bem nos mostram os textos da celebração de hoje.

Neles vemos como Deus se preocupa connosco e vem em nosso auxílio, fiel à Sua aliança para nos conduzir de modo a descobrirmos o sentido da nossa vida, a nossa vocação, qualquer que ela seja. Todos temos uma missão na vida, pequena ou grande aos olhos do mundo, mas sempre grande aos olhos de Deus, se a vivermos com amor. Como pais ou filhos de família, como estudantes ou professores, como empregados ou patrões, como catequistas, religiosos ou sacerdotes, todos somos chamados a dar uma resposta a Deus, consciente e livre, dentro do caminho que Ele nos traçou, dando assim o nosso contributo para a construção do Reino de Deus já neste mundo.

O episódio de Samuel presta-se a reflexões importantes sobre este tema. Passado muitos séculos antes de Cristo, encerra uma verdade que ainda hoje se aplica.

Devemos pensar, primeiro, que Deus está sempre pronto a revelar-nos o que quer de nós, se tivermos a disposição sincera de O querer ouvir.  Se Deus não nos fala de viva voz, como falou a Samuel, é porque temos ao nosso dispor outras “vozes” que nos transmitem a Sua vontade. É por vezes necessário recorrer a quem nos ajude a discernir a vontade de Deus. Disso nos deu o exemplo o pequeno Samuel, quando se dirigiu a Heli e aceitou o seu conselho. Geralmente quem está de fora vê melhor do que nós, e é agradável a Deus a humildade com que nos dirigimos a outras pessoas para pedirmos conselho. As palavras recomendadas a Samuel “Falai Senhor, que o Vosso Servo escuta” ditas com docilidade e amor, deviam andar sempre nos nossos lábios. Representam uma atitude de submissão à vontade de Deus, que devia ser sempre a nossa. Não basta dize-las num momento decisivo da vida; mas sempre, todos os dias, pois é todos os dias que temos de responder ao Senhor.

Evidentemente também é necessário estarmos atentos para ouvirmos o que Deus quer dizer-nos. E Deus fala-nos de tantas maneiras: através dos Seus representantes na Igreja ou na família, na escola, portanto através de outras pessoas, como aconteceu com Samuel; através da Sagrada Escritura especialmente dos Evangelhos que tão bem devíamos conhecer; através dos acontecimentos, das nossas tendências naturais, etc. mas para O ouvirmos é preciso que não haja em nós barulho, que não haja tumultos no nosso espírito. Foi no silêncio da noite que Deus falou a Samuel, em horas de sossego e de paz… Quer dizer, só um espírito tranquilo e calmo pode aperceber-se com limpidez das inspirações divinas. Se andarmos atordoados e atarefados com muitas coisas, não podemos ouvir a voz de Deus, que passará em vão. Não acontece isso muitas vezes connosco?

Mas se abrirmos o nosso coração à Palavra de Deus, Ele tem muito que nos ensinar e quer operar em nós através dela.

Check Also

Só os humildes chegam a ser grandes

Muitos querem ser grandes, mas poucos se dispõem a fazer o que é necessário para …