Home | Liturgia Dominical | 16 de fevereiro de 2020 – 6º Domingo do Tempo Comum – Ano A

16 de fevereiro de 2020 – 6º Domingo do Tempo Comum – Ano A

LEITURA I Sir 15, 16-21 (15-20)

Leitura do Livro de Ben-Sirá
Se quiseres, guardarás os mandamentos: ser fiel depende da tua vontade. Deus pôs diante de ti o fogo e a água: estenderás a mão para o que desejares. Diante do homem estão a vida e a morte: o que ele escolher, isso lhe será dado. Porque é grande a sabedoria do Senhor, Ele é forte e poderoso e vê todas as coisas. Seus olhos estão sobre aqueles que O temem, Ele conhece todas as coisas do homem. Não mandou a ninguém fazer o mal, nem deu licença a ninguém de cometer o pecado.

Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 118 (119), 1-2.4-5.17-18.33-34 (R. 1b)

Refrão: Ditoso o que anda na lei do Senhor.

Felizes os que seguem o caminho perfeito
e andam na lei do Senhor.
Felizes os que observam as suas ordens
e O procuram de todo o coração.

Promulgastes os vossos preceitos,
para se cumprirem fielmente.
Oxalá meus caminhos sejam firmes,
na observância dos vossos decretos.

Fazei bem ao vosso servo:
viverei e cumprirei a vossa palavra.
Abri, Senhor, os meus olhos,
para ver as maravilhas da vossa lei.

Ensinai-me, Senhor, o caminho dos vossos decretos,
para ser fiel até ao fim.
Dai-me entendimento para guardar a vossa lei
e para a cumprir de todo o coração.

LEITURA II 1 Cor 2, 6-10

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
Irmãos: Nós falamos de sabedoria entre os perfeitos, mas de uma sabedoria que não é deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que vão ser destruídos. Falamos da sabedoria de Deus, misteriosa e oculta, que já antes dos séculos Deus tinha destinado para a nossa glória. Nenhum dos príncipes deste mundo a conheceu; porque, se a tivessem conhecido, não teriam crucificado o Senhor da glória. Mas, como está escrito, «nem os olhos viram, nem os ouvidos escutaram, nem jamais passou pelo pensamento do homem o que Deus preparou para aqueles que O amam». Mas a nós, Deus o revelou por meio do Espírito Santo, porque o Espírito Santo penetra todas as coisas, até o que há de mais profundo em Deus.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Forma longa Mt 5, 17-37

+ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim revogar, mas completar. Em verdade vos digo: Antes que passem o céu e a terra, não passará da Lei a mais pequena letra ou o mais pequeno sinal, sem que tudo se cumpra. Portanto, se alguém transgredir um só destes mandamentos, por mais pequenos que sejam, e ensinar assim aos homens, será o menor no reino dos Céus. Mas aquele que os praticar e ensinar será grande no reino dos Céus. Porque Eu vos digo: Se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus, não entrareis no reino dos Céus. Ouvistes que foi dito aos antigos: ‘Não matarás; quem matar será submetido a julgamento’. Eu, porém, digo-vos: Todo aquele que se irar contra o seu irmão será submetido a julgamento. Quem chamar imbecil a seu irmão será submetido ao Sinédrio, e quem lhe chamar louco será submetido à geena de fogo. Portanto, se fores apresentar a tua oferta ao altar e ali te recordares que o teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar, vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão e vem depois apresentar a tua oferta. Reconcilia-te com o teu adversário, enquanto vais com ele a caminho, não seja caso que te entregue ao juiz, o juiz ao guarda, e sejas metido na prisão. Em verdade te digo: Não sairás de lá, enquanto não pagares o último centavo. Ouvistes que foi dito: ‘Não cometerás adultério’. Eu, porém, digo-vos: Todo aquele que olhar para uma mulher com maus desejos já cometeu adultério com ela no seu coração. Se o teu olho direito é para ti ocasião de pecado, arranca-o e lança-o para longe de ti, pois é melhor perder-se um só dos teus olhos do que todo o corpo ser lançado na geena. E se a tua mão direita é para ti ocasião de pecado, corta-a e lança-a para longe de ti, porque é melhor que se perca um só dos teus membros, do que todo o corpo ser lançado na geena. Também foi dito: ‘Quem repudiar sua mulher dê-lhe certidão de repúdio’. Eu, porém, digo-vos: Todo aquele que repudiar sua mulher, salvo em caso de união ilegítima, expõe-na ao adultério. E quem se casar com uma repudiada comete adultério. Ouvistes ainda que foi dito aos antigos: ‘Não faltarás ao que tiveres jurado, mas cumprirás diante do Senhor o que juraste’.
Eu, porém, digo-vos que não jureis em caso algum: nem pelo Céu, que é o trono de Deus; nem pela terra, que é o escabelo dos seus pés; nem por Jerusalém, que é a cidade do grande Rei. Também não jures pela tua cabeça, porque não podes fazer branco ou preto um só cabelo. A vossa linguagem deve ser: ‘Sim, sim; não, não’. O que passa disto vem do Maligno».

Palavra da salvação.

Reflexão:

Falamos da sabedoria de Deus

Deus quer-nos felizes cá na terra e, depois, um dia na eternidade. Pela fé participamos da sabedoria de Deus, conhecemos o mundo e a vida com a visão do próprio Deus.
A doutrina cristã pode parecer a muitos como algo estranho e irrealista. A mentalidade mundana choca com os ensinamentos de Jesus e da Sua Igreja.
Temos de sentir um complexo de superioridade, que é razoável e justo e que nos defende de andar à deriva ou de ir atrás dos outros para o mal.
Possuímos a verdadeira sabedoria, que é saber viver, saber apreciar as realidades terrenas como elas são.
Um simples aldeão que vive a sua fé sabe mais da vida que muitos doutores e sábios deste mundo.
Temos de agradecer a Deus o dom da fé. É um tesouro que nunca apreciaremos bastante. Temos de pedir-Lhe uma fé maior e mais viva. Senhor, aumenta-nos a fé – pediam os Apóstolos.
Temos de cultivar a nossa fé: meditando a palavra de Deus, estudando o Catecismo da Igreja Católica, rezando. A oração ajuda-nos a crescer na fé, a interiorizá-la, a saboreá-la.
É preciso também procurar vivê-la em nossa vida, cumprindo fielmente os mandamentos. Finalmente, devemos confessar com valentia a nossa fé, não só proclamando-a e defendendo-a, mas sobretudo no testemunho da nossa vida de cada dia.

Ver as maravilhas da vossa Lei

Cumprir os mandamentos é professar a fé na vida de cada dia. É fiar-nos nos ensinamentos de Jesus e deixar-nos guiar por Ele.
No evangelho de hoje Ele dizia que não veio revogar os mandamentos dados por Deus a Moisés. Veio ensinar-nos a cumpri-los com mais perfeição, com mais exigência.
Deus escreveu no coração do homem a Sua Lei. É a chamada lei natural que todos os homens podem conhecer. Todos podem saber que matar ou roubar é mal.
Falando a Moisés no Monte Sinai, Deus deu os Dez Mandamentos. Foi uma ajuda para que o povo de Israel pudesse conhecer melhor a lei inscrita no coração de todos os homens. Como os pais com os filhos pequenos, Deus foi ensinando pouco a pouco a humanidade através dos profetas. Com a vinda de Jesus manifestou de modo pleno a Sua sabedoria, convidando todos os homens à santidade, imitando a vida de Jesus nos afazeres do dia a dia.
Jesus é não apenas o mestre que ensina mas também o modelo que havemos de imitar.
Jesus explica no evangelho de hoje como devemos cumprir os mandamentos com todas as suas exigências. E disse-nos: “Dou-vos um mandamento novo: amai-vos uns aos outros como Eu vos amei”. Lembra-nos que o mais importante da Lei é amar a Deus com todo o coração e amar o próximo como a si mesmo.
O amor é o pleno cumprimento da Lei de Deus (Rom 13,10) – lembra S.Paulo.
Cumprir os mandamentos é encher-nos da sabedoria de Deus. Ele é um Pai muito sábio e muito atento aos Seus filhos. Indica-nos o caminho para sermos felizes cá na terra e, depois, um dia para sempre no céu. Esse caminho é o dos mandamentos. Às vezes os homens pensam que sabem mais do que Ele, desobedecem a Deus como os nossos primeiros pais e acabam por dar conta que se deixaram enganar pelo demónio ou pelos conselhos dos outros ou pelas suas próprias más inclinações.
O salmo é um hino de louvor à Lei de Deus. “Abri, Senhor os meus olhos – rezava o salmista – para ver as maravilhas da Vossa lei”.
O santo Cura d’Ars, quando foi nomeado para a sua paróquia, teve de meter-se por caminhos através dos campos, para chegar à pequena aldeia quase desconhecida. A certa altura encontrou um pequeno pastor e pediu-lhe para lhe indicar o caminho para Ars. Depois agradeceu-lhe, dizendo: – “tu ensinaste-me o caminho de Ars, eu ensinar-te-ei o caminho do céu”.
Se precisamos de quem nos indique caminhos e estradas para percorrer este mundo, mais importante é termos quem nos aponte os caminhos para chegar ao céu. E Jesus continua a fazê-lo através dos sacerdotes, através da Sua Igreja.

Diante do homem a vida e a morte

Deus fez-nos livres, capazes de escolher o bem ou o mal, capazes de dizer não a Deus.
A liberdade é um dom maravilhoso que temos de saber agradecer e saber usá-lo bem.
“Diante do homem estão a vida e a morte: o que ele escolher isso lhe será dado.” (1ª leit).
Dizia Santa Catarina de Génova: “Já nesta vida servir a Deus é reinar. Quando Deus livra o homem do pecado que o torna escravo, desembaraça-o de toda a servidão e estabelece-o na verdadeira liberdade. Doutro modo o homem vai sempre de desejo em desejo sem descansar jamais. Quanto mais tem mais quererá, procurando buscar satisfação nunca está contente. Com efeito o que tem um desejo está possuído por ele: vende-se ao que ama; buscando a liberdade, seguindo os seus apetites com ofensa a Deus, torna-se escravo do demónio para sempre” ( Le libre arbitre, I.c,p.110-111)
Jesus ensina-nos o caminho da verdadeira liberdade: “Se vós permanecerdes na Minha palavra sereis verdadeiramente Meus discípulos, conhecereis a verdade e a verdade vos fará livres” (Jo 2 32). Guiados por Jesus seremos verdadeiramente livres. Tantos não querem segui-Lo e acabam escravos do pecado e das suas paixões.
Alguém que vai de automóvel ou moto pela estrada pode pensar: faço o que me apetece e assim mostro que sou livre. Engana-se, porque depressa choca contra outros ou vai ribanceira abaixo e acabou-se a pretensa liberdade. Cumprir as regras da estrada é a melhor forma de ser livre e de respeitar a liberdade dos outros. E na vida é a mesma coisa.
A Virgem ensina-nos a obediência pronta e sem reservas: “Eis a escrava do Senhor – respondeu ao enviado de Deus – faça-se em Mim segundo a tua palavra”.
“Quando nos decidimos a responder ao Senhor: a minha liberdade para Ti, ficamos livres de todas as cadeias que nos haviam atado a coisas sem importância, a preocupações ridículas, a ambições mesquinhas. E a liberdade – tesouro incalculável, pérola maravilhosa que seria triste lançar aos animais – emprega-se inteira em aprender a fazer o bem. Esta é a liberdade gloriosa dos filhos de Deus.” – dizia S.Josemaria (Amigos de Deus 38).

Oração Universal ou dos Fiéis

Irmãos e irmãs em Cristo:
Oremos a Deus Pai todo-poderoso, para que nos ajude com a sua graça a pôr em prática as palavras de Jesus, suplicando (ou: cantando), confiadamente:

R. Ouvi-nos, Senhor.
Ou: Pela vossa misericórdia, salvai-nos, Senhor.
Ou: Senhor, nosso refúgio, ouvi-nos.

1. Pelo Papa N. e pelos bispos que professam a fé apostólica,
para que despertem no coração dos fiéis e catecúmenos
o desejo do reino dos Céus,
oremos.

2. Pelos que têm responsabilidades educativas,
para que saibam promover a cultura do povo
fundada nos mandamentos de Deus,
oremos.

3. Pelos oprimidos e marginalizados,
pelos pobres, pelos aflitos e pelos que sofrem,
para que encontrem alívio, consolação e saúde,
oremos.

4. Pelas mães solteiras e pelos lares separados,
para que sintam, da parte dos cristãos,
o acolhimento e a ajuda de que precisam,
oremos.

5. Por todos nós aqui presentes na assembleia do domingo
e que escutámos as palavras de Jesus no Evangelho,
para que a nossa justiça supere a dos escribas e fariseus,
oremos.

(Outras intenções: crianças que vão comungar este ano pela primeira vez …).

Senhor, Deus omnipotente,
gravai em nós a lei do amor e do perdão, para sermos capazes de viver em conformidade com o Evangelho do vosso Filho. Ele que vive e reina por todos os séculos dos séculos.

Check Also

26 de janeiro de 2020 – 3º Domingo do Tempo Comum-Domingo da Palavra de Deus

LEITURA I Is 8, 23b – 9, 3 (9, 1-4) Leitura do Livro de Isaías …