Home | Noticias | Vaticano: Papa convoca jornada mundial de oração e jejum pela paz

Vaticano: Papa convoca jornada mundial de oração e jejum pela paz

Iniciativa marcada para 23 de fevereiro evoca em particular populações da R. D. Congo e Sudão do Sul

Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul

Cidade do Vaticano, 04 fev 2018 (Ecclesia) – O Papa convocou hoje uma jornada mundial de oração e jejum pela paz, a 23 de fevereiro, evocando em particular as vítimas dos conflitos na R. D. Congo e Sudão do Sul.

“Perante o trágico arrastamento de situações de conflito em diversas partes do mundo, convido todos os fiéis para uma jornada especial de oração e jejum pela paz, a 23 de fevereiro, sexta-feira da primeira semana da Quaresma”, anunciou, desde a janela do apartamento pontifício, após a recitação da oração do ângelus.

Francisco precisou que este dia de oração vai ser especialmente dedicado às “populações da República Democrática do Congo e do Sudão do Sul”.

“Como noutras ocasiões similares, convido os irmãos e irmãs não-católicos e não-cristãos a associarem-se a esta iniciativa, das formas que julgarem mais oportunas, mas todos juntos”, acrescentou.

O Papa convocou uma jornada semelhante, em setembro de 2013, pela paz na Síria.

A 23 de novembro de 2017, Francisco presidiu a uma oração pela paz no Sudão do Sul e na República Democrática do Congo, no Vaticano.

A República Democrática do Congo tem estado no centro de vários apelos do pontífice, nas últimas semanas, após a repressão violenta de manifestações contra o presidente Joseph Kabila.

Quanto ao Sudão do Sul, afetado pelo conflito que se iniciou em dezembro de 2013 – quando o presidente, Salva Kiir, acusou o vice-presidente ex-líder dos rebeldes, Riek Machar, de planear um golpe de Estado -, o Papa anunciou que “tinha decidido fazer-lhe uma visita”, mas não foi possível deslocar-se ao país africano.

A jornada de 23 de fevereiro, adiantou hoje o pontífice, que dar voz aos que “gritam a Deus, na dor e na angústia”.

“Dirijo um forte apelo que também nós escutemos este grito e, cada um na sua própria consciência, diante de Deus, se questione: ‘O que posso fazer eu pela paz?’”, disse Francisco.

“Podemos rezar, com certeza, mas não só: cada um pode dizer ‘não’, concretamente, à violência, no que dependi de si”, acrescentou.

O Papa declarou que as vitórias obtidas com a violência são “falsas vitórias” e que, pelo contrário, “trabalhar pela paz faz bem a todos”.

OC

 

 

Check Also

Quaresma a Caminho da Páscoa

Começamos hoje uma solene e generosa caminhada que nos vai conduzir à Páscoa da Ressurreição …