Solenidade do SANTÍSSIMO CORPO E SANGUE E CRISTO

Todos os dias celebramos a Eucaristia, memorial da Paixão, morte e ressurreição de Jesus. Na Quinta Feira Santa celebramos o aniversário da Última Ceia. Nesse dia, a sombra da Cruz não nos deixa manifestar todo o júbilo pela presença de Jesus no meio de nós. Desde há muitos séculos a Igreja instituiu a Solenidade do Corpo de Deus! O Senhor fez-se alimento para saciar a nossa fome! O pão que Ele nos oferece é o seu Corpo. Trata-se de um alimento que permanece para a vida eterna! Ano da Eucaristia, tempo de bênçãos e graças que devemos aproveitar para nossa santificação.

A Eucaristia verdadeiramente um pedaço de Céu!
Cantávamos com o salmista: Jerusalém, louva o teu Senhor! Louvamos a Deus, nesta Eucaristia, pela sua bondade, pelo seu carinho em favor de todos nós, os seus filhos. Ele nos sacia com o melhor trigo! Ele nos alimenta com o Pão vivo descido do Céu, verdadeiro maná, na travessia da vida terrena. O pão que Jesus nos dá é o seu Corpo! Acreditamos na sua Palavra! Continua a dizer-nos como outrora aos judeus: a minha carne é verdadeira comida! O meu sangue é verdadeira bebida! Acreditamos que este alimento permanece para a vida eterna! Temos ainda na nossa memória o Papa João Paulo II, que no dia da sua morte, recebeu a comunhão do Corpo de Cristo, como viático para a vida eterna. Ele tinha escrito: «ao celebrarmos o sacrifício do Cordeiro, na Eucaristia, unimo-nos à liturgia celeste, associando-nos àquela multidão imensa que grita: a salvação pertence ao nosso Deus, que está sentado no trono, e ao Cordeiro (Ap 7,10). A Eucaristia é verdadeiramente um pedaço de Céu que se abre sobre a terra; é um raio de glória da Jerusalém celeste, que atravessa as nuvens da nossa história e vem iluminar o nosso caminho!» (João Paulo II, A Igreja vive da Eucaristia, 19)
Jesus na eucaristia é o sol que nos aquece e alumia. A sua presença sacramental em todos os sacrários das nossas Igrejas, narra o seu infinito amor por nós. Com a ajuda de Nossa Senhora prometamos hoje uma amizade mais comprometida através da assídua participação na Eucaristia, na Comunhão diária ou pelo menos frequente, nas visitas ao Santíssimo Sacramento, na Comunhão espiritual, na adoração.

A Missa torna presente o sacrifício da Cruz!
«A missa torna presente o sacrifício da Cruz. Não é mais um nem o multiplica. O que se torna presente é a celebração memorial, de modo que o único e definitivo sacrifício redentor de Cristo se actualiza incessantemente no tempo.» (João Paulo II, A Igreja vive da Eucaristia, 12) Todos os dias celebramos este mistério. Todos os anos, na Quinta feira Santa, recordamos este mistério. Mas, hoje a Igreja, inundada de alegria, dá largas ao seu entusiasmo, para manifestar visivelmente a sua gratidão, o seu louvor, a sua adoração, o seu amor a Jesus, o Emanuel, o Deus connosco. Jesus está vivo no meio de nós! A Adoração, as Procissões, os tapetes de flores, as colchas à janela, os cânticos de louvor… tudo isso é a expressão visível da nossa fé, do nosso júbilo: Jesus faz as suas delícias em viver no meio do seu povo, nós queremos testemunhar-lhe a nossa gratidão, a nossa fidelidade!
A festa do Corpo de Deus dá-nos a oportunidade para reflectirmos sobre as inesgotáveis riquezas da Eucaristia! Dá-nos a oportunidade para agradecermos a dádiva do Corpo e Sangue de Jesus como verdadeira comida e verdadeira bebida. Dá-nos a oportunidade para testemunharmos aos homens a esperança cristã que nos vem da presença de Jesus que caminha connosco e nos acompanha nos caminhos da vida. A sua presença real é força que nos transforma, é vínculo que nos une, é sinal de unidade, é fonte de amor fraterno.

Check Also

Portugal: Nova tradução da Carta aos Gálatas, texto de São Paulo, divulgada online

Comissão da Conferência Episcopal desafia leitores a contribuir para melhorar o texto Lisboa, 01 dez …