Sábado Santo, o dia do silêncio

Sábado Santo, o dia do silêncio

O Sábado Santo é o dia entre a dor pela morte de Jesus e a alegria da sua ressurreição. A comunidade está em silêncio, à espera, também recordando a perplexidade dos apóstolos após a morte de Cristo. Os protagonistas são o recolhimento e a meditação.
 

O Sábado Santo, ou Grande Sábado, foi justamente definido por alguém como “o mais longo dos dias”, um tempo de reflexão, que pode ampliar-se na vida de cada um. Não há celebrações, é um dia “alitúrgico”, não nos aproximamos da Eucaristia, mas espera-se em silêncio, para reviver a consternação dos apóstolos após a morte de Jesus.

Ouça e compartilhe!

Mesmo iniciando na noite de sábado, de fato, a Vigília Pascal é considerada parte da liturgia da Páscoa da Ressurreição. É também o dia da “crise” da Palavra: os próprios Evangelhos não falam nada,  podemos somente imaginar que este seja o tempo em que o corpo de Jesus permanece no sepulcro, enquanto os apóstolos, sendo um dia de repouso para os judeus, permanecem sem saber o que aconteceria a seguir.

Nem sempre foi silêncio …

A reforma litúrgica de Pio XII de uma certa maneira “restaurou” o Sábado Santo como dia de silêncio e de espera, no qual todo cristão, ainda hoje, medita sobre a morte de Jesus e sobre a própria, exercitando-se na espera desta última, o inevitável fim da vida terrena. Neste dia, a fé é provada porque o Messias está morto e ninguém sabe o que irá acontecer,  pode-se somente viver na espera de que o vazio que se sente seja preenchido.

O dia da descida à mansão dos mortos

Mesmo que tudo esteja em silêncio, Cristo age. Segundo antiga tradição, de fato, neste dia Jesus desce à mansão dos mortos, nas profundezas do reino da morte, para salvar o homem e levá-lo consigo para o céu, onde  nos precede e onde nos espera de braços abertos. Lá, encontra Adão, o primeiro homem que aqui simboliza toda a humanidade, o sacode, o desperta e lhe dá o anúncio da salvação do qual ninguém está excluído, colocando de fato uma ponte entre o sepulcro e o Reino de Deus. Jesus carrega a arma infalível da Cruz, porque “com a morte vence a morte”.

A hora da mãe

Há cerca de trinta anos, o Sábado Santo é também o dia em que, segundo a tradição bizantina, celebra-se a Hora da Mãe. Em outras palavras, concentra-se na figura de Maria, na qual à dor pela morte de seu filho une-se a esperança de sua ressurreição.

Maria é referida como Mater Dolorosa já por Santo Inácio de Loyola; deixamo-lo aos pés da Cruz, abandonada pelo Filho que morreu e que antes de expirar a confiou a João, porque Maria, chamada à missão de Mãe, não pode permanecer sem filhos. Mas a dor e a fé de Maria aqui, são a dor e a fé das quais nasce toda a Igreja, que ali está, com ela, aos pés da Cruz, sendo iluminada pela esperança. A partir do Ano Mariano de 1987, esta celebração em Roma realiza-se na Basílica de Santa Maria Maior.

Check Also

Nota Pastoral na comemoração dos cinquenta anos do “25 de Abril”

1. Na comemoração do cinquentenário da Revolução de 25 de Abril de 1974 cabe aos …

Sahifa Theme License is not validated, Go to the theme options page to validate the license, You need a single license for each domain name.