Páscoa: Bispo do Algarve incentiva «à conversão e à renovação pedidas pelo Papa Francisco»

D. Manuel Quintas disse que anunciar o Evangelho «é o serviço da Igreja e de cada cristão ao mundo»

Faro, 18 abr 2022 (Ecclesia) – O bispo do Algarve afirmou que “não há conversão pessoal possível, nem renovação da Igreja” sem a convicção da fé alicerçada em “Cristo ressuscitado”.

“Celebrar a Páscoa deve significar para todos, à luz da fé em Cristo ressuscitado, que também nós somos convidados à conversão e à renovação pedidas pelo Papa Francisco, como membros cada vez mais conscientes da Igreja que constituímos”, disse este domingo D. Manuel Quintas, na Sé de Faro, divulga o jornal ‘Folha de Domingo’.

O bispo do Algarve explicou que a “fidelidade e a vitalidade como discípulos de Cristo” reside na afirmação e na profissão de “uma fé convicta e alicerçada em Cristo ressuscitado”.

“Seria superficial e passageira a nossa alegria se ela não se apoiasse numa atitude firme de fé em Cristo ressuscitado”, realçou.

Em cada Páscoa acolhemos um triplo mandamento que se prolonga pelo tempo pascal: o mandamento novo do amor – «amai-vos como eu vos amei» -, o mandamento do serviço – «como eu vos fiz, fazei vós também» -, e o mandamento do anúncio – «ide e anunciai o Evangelho»”.

D. Manuel Quintas salientou que anunciar o Evangelho “é o serviço da Igreja e de cada cristão ao mundo”, considerando que “o mundo de hoje” seria diferente se os católicos decidissem ser “testemunhas alegres de Cristo ressuscitado”.

Neste contexto, o responsável explicou que o mundo de hoje precisa do “testemunho de alegria, de fé, de amor e de esperança” dos cristãos.

O bispo do Algarve lembrou também a guerra na Ucrânia, referindo “todos que são vítimas inocentes desta atrocidade que é fruto da loucura humana”.

“É difícil nestes dias não dirigimos para lá, não apenas o nosso olhar, a nossa atenção, mas também a nossa oração”, indicou, numa intervenção citada pelo jornal diocesano ‘Folha do Domingo’.

CB/OC

Check Also

A morte dos outros e a minha

A morte aparece-nos sempre como algo distante. Não a tomamos como natural, pelo menos em …