Home | Noticias | Os felizes semeadores de saudade

Os felizes semeadores de saudade

A saudade nasce do contraste entre o que foi vivido no passado e o vazio disso mesmo no presente. Uma espécie de hoje esvaziado do que ontem era concreto e bom.

Pode tudo à nossa volta ser rico e agradável, ainda assim a saudade tem sempre lugar, porque o mais relevante é que falta algo. Como se pudéssemos escutar bem alto o telefone que não toca ou, ao olhar para uma multidão, a única coisa que víssemos fosse que a pessoa querida não está.

A saudade não é uma tristeza nem uma alegria; é uma estranha fusão das sementes e raízes de ambas. É o oposto ao riso e ao choro. Uma espécie de mergulho sem fim no profundo de nós mesmos.

Perdeu-se algo de muito bom, quer-se viver de novo, mas assume-se a certeza de que, na verdade, esse algo nunca poderá ser recuperado. Vive-se numa carruagem de tempo que se afasta da estação onde ficou algo de extraordinário. A saudade é a medida da perda, o desejo de a suprir e a certeza de que tal é impossível. A presença espiritual de uma ausência, algo vivido e, agora, mais desejado do que nunca.

Perde-se a motivação e a concentração. É um desconsolo, uma solidão que voa de forma indiferente ao espaço e ao tempo. Vagueia, sem sentido nem destino.

Quem se detiver no passado mais do que o tempo necessário para aprender, perde-se, porque perde o seu tempo. Aquele que lhe foi dado para viver e não para recordar.

Os que têm a coragem de passar o seu tempo a plantar sementes de saudade para o amanhã, vivem sempre felizes…

… porque se tornam, eles mesmos, sementes de saudade.

Hão de florir e frutificar naqueles que amaram.

 

Fonte: https://agencia.ecclesia.pt

Autor: José Luís Nunes Martins

Check Also

Seminário de Faro conta este ano com dois seminaristas da Arquidiocese de Évora

O Seminário de São José de Faro, instituição dedicada à formação dos futuros sacerdotes da …