6 de junho de 20021 – Liturgia do 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B

LEITURA I Gen 3, 9-15

Leitura do Livro do Génesis

Depois de Adão ter comido da árvore, o Senhor Deus chamou-o e disse-lhe: «Onde estás?». Ele respondeu: «Ouvi o rumor dos vossos passos no jardim e, como estava nu, tive medo e escondi-me». Disse Deus: «Quem te deu a conhecer que estavas nu? Terias tu comido dessa árvore, da qual te proibira comer?». Adão respondeu: «A mulher que me destes por companheira deu-me do fruto da árvore e eu comi». O Senhor Deus perguntou à mulher: «Que fizeste?». E a mulher respondeu: «A serpente enganou-me e eu comi». Disse então o Senhor Deus à serpente: «Por teres feito semelhante coisa, maldita sejas entre todos os animais domésticos e todos os animais selvagens. Hás-de rastejar e comer do pó da terra todos os dias da tua vida. Estabelecerei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a descendência dela. Esta há-de atingir-te na cabeça, e tu a atingirás no calcanhar».

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Salmo 129 (130), 1-2.3-4ab.4c-6.7-8 (R. 7)

Refrão: No Senhor está a misericórdia e abundante redenção.

Ou: No Senhor está a misericórdia,

no Senhor está a plenitude da redenção.
Do profundo abismo chamo por Vós, Senhor,
Senhor, escutai a minha voz.
Estejam os vossos ouvidos atentos
à voz da minha súplica.

Se tiverdes em conta os nossos pecados,
Senhor, quem poderá salvar-se?
Mas em Vós está o perdão,
para Vos servirmos com reverência.

Eu confio no Senhor,
a minha alma confia na sua palavra.
A minha alma espera pelo Senhor,
mais do que as sentinelas pela aurora.

Porque no Senhor está a misericórdia
e com Ele abundante redenção.
Ele há-de libertar Israel
de todas as suas faltas.

 

LEITURA II 2 Cor 4, 13 – 5, 1

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios

Irmãos:
Diz a Escritura: «Acreditei; por isso falei». Com este mesmo espírito de fé, também nós acreditamos, e por isso falamos, sabendo que Aquele que ressuscitou o Senhor Jesus também nos há-de ressuscitar com Jesus e nos levará convosco para junto d’Ele. Tudo isto é por vossa causa, para que uma graça mais abundante multiplique as acções de graças de um maior número de cristãos, para glória de Deus. Por isso, não desanimamos. Ainda que em nós o homem exterior se vá arruinando, o homem interior vai-se renovando de dia para dia. Porque a ligeira aflição dum momento prepara-nos, para além de toda e qualquer medida, um peso eterno de glória. Não olhamos para as coisas visíveis, olhamos para as invisíveis: as coisas visíveis são passageiras, ao passo que as invisíveis são eternas. Bem sabemos que, se esta tenda, que é a nossa morada terrestre, for desfeita, recebemos nos Céus uma habitação eterna,
que é obra de Deus e não é feita pela mão dos homens.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Mc 3, 20-35

+ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Naquele tempo, Jesus chegou a casa com os seus discípulos. E de novo acorreu tanta gente, que eles nem sequer podiam comer. Ao saberem disto, os parentes de Jesus puseram-se a caminho para O deter, pois se dizia: «Está fora de Si». Os escribas que tinham descido de Jerusalém diziam: «Está possesso de Belzebu», e ainda: «É pelo chefe dos demónios que Ele expulsa os demónios». Mas Jesus chamou-os e começou a falar-lhes em parábolas: «Como pode Satanás expulsar Satanás? Se um reino estiver dividido contra si mesmo, tal reino não pode aguentar-se. E se uma casa estiver dividida contra si mesma, essa casa não pode durar. Portanto, se Satanás se levanta contra si mesmo e se divide, não pode subsistir: está perdido. Ninguém pode entrar em casa de um homem forte e roubar-lhe os bens, sem primeiro o amarrar: só então poderá saquear a casa. Em verdade vos digo: Tudo será perdoado aos filhos dos homens: os pecados e blasfémias que tiverem proferido; mas quem blasfemar contra o Espírito Santo nunca terá perdão: será réu de pecado para sempre». Referia-Se aos que diziam: «Está possesso dum espírito impuro». Entretanto, chegaram sua Mãe e seus irmãos, que, ficando fora, O mandaram chamar. A multidão estava sentada em volta d’Ele, quando Lhe disseram: «Tua Mãe e teus irmãos estão lá fora à tua procura». Mas Jesus respondeu-lhes:
«Quem é minha Mãe e meus irmãos?». E, olhando para aqueles que estavam à sua volta, disse: «Eis minha Mãe e meus irmãos. Quem fizer a vontade de Deus esse é meu irmão, minha irmã e minha Mãe».

Palavra da salvação

 

REFLEXÃO: 

Quem fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe.

Na primeira leitura, o autor do livro do Génesis leva-nos ao jardim do paraíso e relata o diálogo de Deus com o homem: “Onde Estás?” Adão respondeu: “Ouvi o rumor dos vossos passos no jardim e, como estava nu, tive medo e escondi-me”. Desobedecendo a Deus os nossos primeiros pais sentem vergonha e medo. Estes sentimentos são sinais de ruptura com a anterior situação de inocência e de harmonia. A “árvore do conhecimento do bem e do mal” significa o orgulho e a auto-suficiência. Não devemos prescindir de Deus para decidir por nós próprios o que é bem e o que é mal. Ao defender-se, o homem acusa a mulher: “a mulher, que me deste por companheira, deu-me do fruto da árvore e eu comi”. Vem, depois, a “defesa” da mulher: “a serpente enganou-me e eu comi”. Deus, é justo juiz. Deus não abandonou a humanidade e anunciou a Boa Nova: “Estabelecerei inimizade entre ti (serpente) e a mulher, entre a tua descendência e a descendência dela. Esta te esmagará a cabeça.” Da descendência da mulher havia de nascer, Jesus o Salvador. Adão e Eva tinham sido felizes, ao ponto de terem a alegria de passear com Deus, “ pela brisa da tarde”. Que nostalgia desse tempo! A nossa alma tem sede de viver com Deus. E Deus alimentou esse nosso desejo, revelando-nos: “As minhas delícias consistem em viver no meio dos filhos dos homens!” Na plenitude dos tempos, Deus Pai cumpriu a sua promessa. Jesus veio acampar no meio de nós. “Habitou no meio de nós o Verbo cheio de graça e da sua plenitude todos nós recebemos. A graça e a verdade vieram por Jesus Cristo. (J0 1, 14) Jesus é o Emanuel. “Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho chamado Emanuel, que quer dizer Deus connosco.” No Evangelho de hoje vemos Jesus rodeado da multidão e dos seus discípulos, sentados ao seu redor, escutando as suas palavras. Que Boa Nova! Que Feliz anúncio: “Quem fizer a vontade de Meu Pai, esse é Meu irmão, minha irmã e minha mãe.” Com a Liturgia recordamos: “Pai santo, Vós revelastes na plenitude dos tempos o mistério escondido: Em Cristo, novo Adão e em Maria, nova Eva, manifestaste finalmente a vossa Igreja, primícias da humanidade redimida.” (Prefácio de Nossa Senhora). Nós somos a nova família de Jesus. Ele ensinou-nos a chamar a Deus com o nome de Pai. Jesus fez-nos esta confidência: “Pedireis em meu nome. Não digo que rogarei por vós, porque o próprio Pai vos ama, porque me amastes e acreditastes que Eu vim de Deus.” (Jo 16,26-27) Nós somos Seus filhos “muito amados.” Acerca dos que acreditam em Jesus e o recebem, S. João escreveu no Prólogo do seu Evangelho: “Estes não nasceram da vontade da carne e do sangue, mas de Deus.” Obrigado, Jesus, porque hoje nos revelais a nossa verdadeira identidade: nós somos a vossa família.

 

ORAÇÃO UNIVERSAL OU DOS FIÉIS

O remos, irmãos e irmãs, a Deus Pai de misericórdia, que quer salvar todos os homens, e peçamos-Lhe que saibamos resistir às promessas enganadoras da serpente, suplicando (ou: cantando), com toda a confiança:

R. Lembrai-Vos, Senhor, do vosso povo.
Ou: Ouvi-nos, Senhor.
Ou: Tende compaixão de nós, Senhor.

1. Para que os fiéis das nossas Dioceses e comunidades
acreditem em Jesus ressuscitado
e falem d’Ele com o desassombro de São Paulo,
oremos, irmãos. 

2. Para que os homens creiam em Deus que os criou,
não se deixem enganar por Satanás,
mas escutem a voz da consciência,
oremos, irmãos. 

3. Para que Deus multiplique os frutos da terra,
dê aos mais pobres o pão de cada dia,
e a todos ensine a ser discípulos do seu Filho,
oremos, irmãos. 

4. Para que os pecadores se convertam do pecado,
os doentes tenham saúde e alegria
e os defuntos recebam nos céus a vida eterna,
oremos, irmãos.

5. Para que os membros da nossa assembleia
procurem fazer a vontade de Deus Pai,
e Jesus os reconheça como irmãos,
oremos, irmãos. 

(Outras intenções: os que foram confirmados com o sinal do Espírito Santo …).

Senhor, nosso Deus,
dai-nos a audácia de ser santos e de proclamar com alegria que só em Vós está a misericórdia e a abundância da redenção.
Por Cristo Senhor nosso.

Check Also

30 de maio de 2021- Liturgia da Solenidade da Santíssima Trindade

LEITURA I Deut 4, 32-34.39-40 Leitura do Livro do Deuteronómio Moisés falou ao povo, dizendo: …