31 de maio – Visitação de Nossa Senhora

Ao encerrarmos o mês de maio, tradicionalmente dedicado a Nossa Senhora e conhecido pela designação de mês de Maria, a Igreja convida-nos celebrar a Visitação e Nossa Senhora a santa Isabel.

Anima-nos por este meio, a conservar perenemente na memória esta lição maravilhosa de entrega e caridade que Nossa Senhora nos dá.

Na verdade, a nossa devoção à Mãe de Deus e nossa Mãe não se pode limitar atos de piedosa devoção, mas há-de levar-nos ao encontro de todos os que precisam de nós.

1. Mensageira da paz e da alegria

A Igreja escolheu para Primeira leitura da festa da Visitação de Nossa Senhora um texto do profeta Sofonias. Sete séculos  antes do nascimento de Maria, este homem de Deus escreveu um texto que pode ser perfeitamente apropriado ao mistério da Visitação de Maria a santa Isabel.

Mensageira da alegria. Isabel vivia o tempo que antecedia o nascimento de João Batista refugiada em Ain Karim. A graça da maternidade já fora do tempo em que podia acontecer era tão grande que ela tinha receio de estar iludida.

A visitação da sua parente fez dissipar todas as nuvens. «Clama jubilosamente, filha de Sião; solta brados de alegria, Israel. Exulta, rejubila de todo o coração, filha de Jerusalém

Ela trazia a certeza de que era verdade tudo o que estava a acontecer, porque fora o Céu quem testemunhara a Nossa Senhora o grande acontecimento.

  Quando uma pessoa imita Isabel, franqueando as portas a uma sincera devoção a Nossa Senhora, a sua vida inunda-se de verdadeira alegria.

Assim aconteceu a santa Jacinta Marto, no dia treze d maior de 1917. A alegria desta criança foi tão grande que ela teve de a partilhar com a mãe.

Isabel tinha mais uma razão para se sentir feliz. A esterilidade era considerada nos tempos bíblicos como a negação das bênçãos de Deus a uma família. Sofonias parece insinuar isto mesmo: «O Senhor revogou a sentença que te condenava, afastou os teus inimigos

Mensageira da paz. A paz é a tranquilidade na ordem. Com o aparecimento de Maria à porta deste casal, depois de uma longa viagem, acabou toda a insegurança.

Maria estava ali coma sua generosa juventude, para os ajudar a resolver todos os problemas nesta situação embaraçosa e traz o próprio Deus consigo. «O Senhor revogou a sentença que te condenava, afastou os teus inimigos. O Senhor, Deus de Israel, está no meio de ti e já não temerás nenhum mal

Quando nos dispomos a cultivar uma verdadeira, sincera e autêntica devoção a Nossa Senhora, as hesitações e dúvidas interiores desaparecem como o nevoeiro da manhã é dissipado pelo sol. «Todos os pecados da tua vida parecem ter-se posto de pé. – Não desanimes. Pelo contrário, chama por tua Mãe, Santa Maria, com fé e abandono de criança. Ela trará o sossego à tua alma.» S. Josemaria, Caminho, n.º 498).

Parecem ainda referir-se a Isabel estas palavras do profeta: «Afastei para longe de ti a desventura, a humilhação que te oprimia, Jerusalém

Com a visita da Mãe de Deus a esta família transformou-se todo o ambiente ali vivido. De modo semelhante, assim acontece a todo o fiel que deixa entrar em seu coração a devoção a Nossa Senhora com todas as suas consequências.

 

2. O caminho de Maria

S. Lucas dedica um longo texto à descrição deste mistério de Maria e nele brilham fulgores de luz do Céu. A santidade de Maria manifesta-se aqui em muitos pormenores.

Generosidade. Com a Anunciação do Arcanjo em Nazaré, a vida de Maria sobre uma mudança profunda. Sem que ninguém o pudesse imaginar, Vê-se, de repente, investida na missão de Mãe do Redentor. «Naqueles dias, Maria pôs-se a caminho e dirigiu-se apressadamente para a montanha, em direcção a uma cidade de Judá

É neste ambiente que Maria toma a resolução de visitar imediatamente a sus parente e a faz partir apressada através das montanhas da Judeia. A pressa não significa apenas urgência em realizar o que está planeado, mas é inseparável da alegria. 

Não conseguimos, a tanta distância, imaginar os problemas que teve de resolver, para viajar a Ain Karim. Foi preciso convencer a família, sem revelar o mistério que se passava n’Ela; incorporar-se numa caravana, para esconjurar os perigos…

É muito natural que o seu noivo José a acompanhasse, para A defender em qualquer eventualidade.

Levou a graça. Quando Maria saudou Isabel, muitas maravilhas começaram a acontecer:

– João Batista saltou de alegria no seio materno e recebeu a graça santificante que o tornou filho de Deus. «O menino exultou-lhe no seio. […] Na verdade, logo que chegou aos meus ouvidos a voz da tua saudação, o menino exultou de alegria no meu seio

– Isabel ficou cheia do Espírito Santo e exaltou Nossa Senhora como a “eleita do Senhor”. «Isabel ficou cheia do Espírito Santo e exclamou em alta voz: «Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre

– Começou também a proclamá-l’A verdadeira Mãe de Deus. «Donde me é dado
que venha ter comigo a Mãe do meu Senhor?
»

– O Espírito Santo leva-a a exaltar a fé inigualável de Nossa Senhora: «Bem-aventurada aquela que acreditou no cumprimento de tudo quanto lhe foi dito da parte do Senhor

Ensina-nos a humildade. Maria não desmente o que Isabel acaba de afirmar, Na verdade, Ele foi eleita para ser a Mãe de Deus. A humildade é a verdade.

Mas tudo aquilo se deve à misericórdia do Senhor. Foi Ele que fez em Maria grandes coisas. A humildade é a verdade acerca de Deus, dos outros e de nós mesmos e a sua aceitação.

A lição de humildade continuou nos restantes meses de espera pelo nascimento de João Batista num serviço generoso, como a mais humilde das empregadas domésticas, escondida no seio daquela família.

Uma lição de caridade. A Visitação de Nossa Senhora a Santa Isabel é uma eloquente lição de caridade. Maria como que esquece os seus problemas, as suas urgências, e dispõe-se a servir.

Leva Deus consigo. Não podemos servir sem este cuidado prévio: Deus connosco na intenção de O servir nas pessoas, nos meios com que pretendemos ajudar e na docilidade ao Espírito Santo.

Quando viu que já não era precisa, Maria regressou a Nazaré, para retomar a sua vida e preparar-se para o grande acontecimento no nascimento do Salvador. A caridade é discreta, pontual e oportuna.

Depois de tudo isso, Maria regressou à normalidade da sua vida. É deste modo que nos havemos de santificar, fazendo com amor e perfeição as pequenas coisas de cada dia, sem preocupações de chamar a ação, conquistar louvores, mas apenas servir e ama a Deus com naturalidade, nas coisas pequenas de cada dia.

Check Also

20 de junho de 2021 – 12º Domingo do Tempo Comum – Ano B

Somos cristãos. Sabemos que Deus é nosso Pai, que Jesus morreu e ressuscitou por nós, …