3 de março de 2024 – 3º Domingo da Quaresma – Ano B

A expulsão dos vendedores do templo é referida pelos quatro evangelistas, e isto demonstra a importância que eles atribuem ao facto.

A casa de oração tinha sido transformada, pelos seus próprios ministros, num lugar de mercado.

O episódio dramático narrado no Evangelho de hoje deve ser inserido neste contexto. Acontece por ocasião de uma festa da Páscoa em que Jesus, chegando ao templo, depara com o espectáculo indigno acima descrito.

As emoções que experimentou não são referidas por nenhum evangelista, mas são fáceis de intuir considerando a reação que teve: não pronunciou uma única palavra, fez um chicote, servindo-se provavelmente das cordas com que prendiam os animais, e começou, com fúria, a expulsar a todos do Pórtico Régio, atirou pelos ares as cadeiras, o dinheiro e as gaiolas das pombas; depois, sem parar um momento, desceu pela escadaria e, apanhando de surpresa os cambistas, derrubou as mesas e atirou por terra as moedas ali amontoadas.

João refere também – é o único dos evangelistas a fazê-lo – que para além dos vendedores foram expulsas as ovelhas e os bois.

O gesto de Jesus decretou o fim da religião ligada à oferta de animais e afirmou a recusa, da parte de Deus, dos sacrifícios cruentos, cuja inconsciência já tinha sido denunciada pelos profetas:

«De que me serve a mim a multidão das vossas vítimas – diz o Senhor. – Estou farto de holocaustos de carneiros, de gordura de bezerros; não me agrada o sangue de vitelos, de cordeiros nem de bodes». Na prova máxima de amor que Jesus estava para dar iria ser indicado o único sacrifício que agrada ao Pai, aquele que João explica assim aos cristãos das suas comunidades: « Foi com isto que ficámos a conhecer o amor: Ele, Jesus, deu a sua vida por nós; assim também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos».

O gesto realizado por Jesus no templo é surpreendente. Daquele que se tinha apresentado como ««manso e humilde de coração» ninguém esperaria uma reação semelhante. Porque se comportou assim? A explicação está nas duas frases que Ele pronunciou.

A primeira é: «Tirai tudo isto saqui e não façais da casa de meu Pai casa de comércio». Referia-se a um oráculo do profeta Zacarias que, depois de ter anunciado o aparecimento de um mundo completamente renovado, no qual o Senhor seria o rei de toda a terra e o país seria transformado num jardim, concluía: «Naquele dia já não haverá mais comerciantes no templo do Senhor do universo».

Ao purificar o templo dos mercadores, Jesus manifestou a sua condenação, severa e sem apelo, contra todo o tipo de associação entre religião e dinheiro, entre o culto ao Senhor e os interesses económicos. Do homem Deus espera apenas amor, e o amor é gratuito, manifesta-se e alimenta-se somente através de dons generosos e desinteressados. Para evitar equívocos perigosos, Jesus recomendou aos seus discípulos: «Recebestes de graça, dai de graça. Não possuais ouro, nem prata, nem cobre em vossos cintos; nem alforge para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem cajado; pois o trabalhador merece o seu sustento».

Mas o ensinamento mais importante encontra-se na segunda frase: «Destrui este templo e em três dias o levantarei». Já não se referia ao comércio e aos tráficos indignos que aconteciam naquele santuário, mas à inauguração de um novo templo; anunciava o início de um novo culto. É esclarecedor o comentário do evangelista: «Jesus falava do templo do seu corpo».

Agora é claro: o único sacrifício agradável a Deus é o dom da vida, são as obras de amor, o serviço generoso prestado ao outro, sobretudo ao mais pobre, ao doente, ao marginalizado, ao que tem fome, ao que está nu. Quem se inclina perante o irmão para o servir realiza um gesto sacerdotal: unido a Cristo, templo de Deus, faz subir ao Céu o perfume suave de uma oferta pura e santa.

Que sentido têm então as nossas liturgias, os sacramentos, os cânticos, as procissões, as peregrinações, as orações comunitárias, as práticas devocioneiras?

Check Also

Nota Pastoral na comemoração dos cinquenta anos do “25 de Abril”

1. Na comemoração do cinquentenário da Revolução de 25 de Abril de 1974 cabe aos …

Sahifa Theme License is not validated, Go to the theme options page to validate the license, You need a single license for each domain name.