28 de março de 2024 – Missa Vespertina da Ceia do Senhor

1- Eucaristia, dom para amar até ao fim do fim

A Igreja recebeu a Eucaristia de Jesus Cristo como o dom por excelência, porque é dom d’Ele mesmo e, por isso, é ver é verdadeiramente o mistério da fé e o sacramento do mistério da Páscoa. Em S. Paulo (cf. Ef 1, 4-12; 3, 1-13), o mistério de Cristo indica o plano divino da salvação, cujo ponto central é o mistério da Páscoa.

Esta mesa de peregrinos conduz-nos ao banquete do Reino: «felizes os convidados para a ceia do Senhor». Assim o repetimos em cada celebração da Eucaristia, lugar onde somos alimentados pelo Corpo de Cristo e onde se manifesta visivelmente a unidade do Povo de Deus.

A Igreja não vive a partir de si mesma, mas a partir da Eucaristia, que gera a comunhão. O sentido originário é, como diz santo Ambrósio: «Beijamos a Cristo com o ósculo da comunhão… Não se trata do ósculo dos lábios, mas do coração e da alma».

A fonte do dom para amar até ao fim do fim é a Trindade, o Deus três vezes santo; como rezamos na Oração Eucarística II: «Vós, Senhor, sois verdadeiramente santo, sois a fonte de toda a santidade». A liturgia é capaz de narrar num espaço celebrativo concreto o espaço prometido. O espaço, o tempo, o corpo, os gestos e as palavras traduzem a santidade de Deus no aqui e agora da história e chamam- nos à comunhão possível até que um dia seja plena.

2- Ato-palavra do lava-pés

A narrativa da última ceia ligada ao lava-pés encontra-se apenas no evangelho de João. Todavia, o contexto da última ceia e o sublinhar do exemplo de humildade e de amor serviçal dado por Jesus reenvia-nos ao evangelho de Lucas e à exortação do próprio Jesus acerca do poder e do serviço (Lc 22, 24-27).

São João atribui expressamente ao lava-pés realizado por Jesus o significado da humildade a imitar pelos discípulos (cf. Jo 15, 12 e 13). Mas o fundamento de tudo é o amor: «Ele, que amara os seus que estavam no mundo, levou o seu amor por eles até ao extremo» e ainda mais claramente a seguir Jesus deixa o mandamento novo: «é este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei» (Jo 15,12).

Jesus é mestre no servir e interpela-nos a fazer o mesmo. «Jesus não fala, quando se ajoelha diante dos discípulos para lhes lavar os pés. O seu ato vale pela palavra: o seu ato faz corpo com a sua palavra ou a sua palavra faz corpo com o seu ato. O seu ato é palavra» (José A. Mourão).

O sacerdócio batismal de todos os fiéis e o nosso ministério sacerdotal é ainda mais claro ao considerarmos a passagem evangélica do lava-pés, que continua o lugar onde Jesus revela o Seu amor total de eterna vida. Para Jesus, a única autoridade é o serviço. E nós somos «servos inúteis a tempo inteiro» (D. Tonino Bello) e não o queiramos ser em part-time.

3- Hoje, quem são os lavadores de pés?

– Os que acompanham os jovens e os pobres;

– Os bons cuidadores dos idosos;

– Os que de máscara, luvas, bata e outros equipamentos materiais e espirituais combatem o mal comum da pandemia covid-19 e todos os males com o bem comum do seu serviço, profissionalismo, inteligência, coragem e confiança;

– Os médicos, os enfermeiros e todos os que laboram na saúde;

– Os voluntários e todos os cuidadores junto das famílias e das pessoas sós e mais vulneráveis;

– Os que trabalham nos hospitais, nos lares de idosos, nos laboratórios, nos múltiplos serviços do funcionamento da sociedade;

– Os artesãos da paz e da reconciliação;

– Os pastores e os consagrados que estão com o povo santo fiel de Deus;

– As autoridades civis e da saúde que servem ao bem comum;

– Os que rezam e no serviço silencioso praticam o dom da caridade;

– Os que praticam as obras de misericórdia em favor de todos e sobretudo dos pobres da nossa cidade e Arquidiocese;

– As pessoas e as instituições que são conforto para os migrantes e refugiados da guerra;

– Todos os que arriscam dar a vida por amor.

«Dei-vos o exemplo, para que, assim como Eu fiz, vós façais também» (Jo 13, 15). Esta é a vida que nasce da Eucaristia, dom da caridade e mistério de vida eterna.

Check Also

Nota Pastoral na comemoração dos cinquenta anos do “25 de Abril”

1. Na comemoração do cinquentenário da Revolução de 25 de Abril de 1974 cabe aos …

Sahifa Theme License is not validated, Go to the theme options page to validate the license, You need a single license for each domain name.