Home | Liturgia Dominical | 18 de fevereiro de 2018 – 1º Domingo da Quaresma – Ano B

18 de fevereiro de 2018 – 1º Domingo da Quaresma – Ano B

LEITURA I – Gn 9,8-15

Leitura do Livro do Génesis

Deus disse a Noé e a seus filhos: «Estabelecerei a minha aliança convosco, com a vossa descendência e com todos os seres vivos que vos acompanham: as aves, os animais domésticos, os animais selvagens que estão convosco, todos quantos saíram da arca e agora vivem na terra.
Estabelecerei convosco a minha aliança: de hoje em diante nenhuma criatura será exterminada pelas águas do dilúvio e nunca mais um dilúvio devastará a terra».
Deus disse ainda: «Este é o sinal da aliança que estabeleço convosco e com todos os animais que vivem entre vós, por todas as gerações futuras: farei aparecer o meu arco sobre as nuvens e aparecer nas nuvens o arco, recordarei a minha aliança convosco e com todos os seres vivos e nunca mais as águas formarão um dilúvio para destruir todas as criaturas».

Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 24 (25)

Refrão: Todos os vossos caminhos, Senhor, são amor e verdade
para os que são fiéis à vossa aliança.

 

Mostrai-me, Senhor, os vossos caminhos,
ensinai-me as vossas veredas.
Guiai-me na vossa verdade e ensinai-me,
porque Vós sois Deus, meu Salvador.

Lembrai-Vos, Senhor, das vossas misericórdias
e das vossas graças que são eternas.
Lembrai-Vos de mim segundo a vossa clemência,
por causa da vossa bondade, Senhor.

O Senhor é bom e recto,
ensina o caminho aos pecadores.
Orienta os humildes na justiça
e dá-lhes a conhecer a sua aliança.

 

LEITURA II – 1 Pe 3,18-22

Leitura da Primeira Epístola de São Pedro

Caríssimos: Cristo morreu uma só vez pelos pecados – o Justo pelos injustos – para vos conduzir a Deus. Morreu segundo a carne, mas voltou à vida pelo Espírito. Foi por este Espírito que Ele foi pregar aos espíritos que estavam na prisão da morte e tinham sido outrora rebeldes, quando, nos dias de Noé, Deus esperava com paciência, enquanto se construía a arca, na qual poucas pessoas, oito apenas, se salvaram através da água.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO – Mc 1,12-15

Evangelho de Nosso senhor Jesus Cristo segundo São Marcos

Naquele tempo, o Espírito Santo impeliu Jesus para o deserto. Jesus esteve no deserto quarenta dias
e era tentado por Satanás. Vivia com os animais selvagens e os Anjos serviam-n’O. Depois de João ter sido preso, Jesus partiu para a Galileia e começou a pregar o Evangelho, dizendo: «Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus. Arrependei-vos e acreditai no Evangelho».

Palavra da Salvação.

 

REFLEXÃO

A história da humanidade, desde as suas origens, está marcada pelo pecado. Ao longo dos séculos tem-se revivido o pecado dos nossos primeiros pais que foi, antes de mais, uma atitude de orgulho, de revolta, de falta de submissão à vontade de Deus. E as raízes desse mal estão em todos nós, sempre prontas a manifestar-se. Por isso toda a vida humana terá de ser uma vida de luta contra o mal.
Mas Deus intervém junto de nós, porque nos quer salvar. Interveio, logo no início dos tempos, quando mandou o Dilúvio para destruir o mal sobre a terra, fazendo desaparecer os homens pecadores. Interveio ainda, depois de tantas outras calamidades, quando fez uma aliança com Moisés e lhe entregou as Tábuas da Lei. E interveio finalmente quando enviou ao mundo o Seu Filho que por nós padeceu e morreu. Foi esta a Nova e Eterna Aliança que Deus fez com os homens, aliança definitiva que pelos méritos de Cristo nos obteve o perdão de todos os nossos pecados.
Mas Deus quer ainda intervir junto de cada um de nós e para isso nos proporciona este tempo da Quaresma, destinado a ser, por assim dizer, um retiro espiritual para renovar a nossa vida cristã.
Este é o grande tempo da catequese da Igreja, que começou na Quarta-feira de Cinzas e se prolonga até ao Tríduo Pascal. É o “tempo favorável” para mais nos abrirmos à misericórdia de Deus; e assim, convertidos e renovados, poderemos chegar com mais fervor e alegria às festas pascais.
Para isso recordemos, em primeiro lugar, o nosso Batismo, sugerido já pelas leituras deste domingo, procurando reviver a graça que nesse dia recebemos. Lancemos no fundo do mar as nossas más inclinações, e sigamos muito a sério por um novo caminho, numa linha de austeridade e renúncia, como é próprio deste tempo, que é o tempo apropriado para nos recolhermos no “deserto” interior do nosso coração, aprofundando a nossa relação com Deus, nosso Pai. Em união com Jesus, que no deserto foi tentado e venceu as tentações, procuremos também vencer o mal que há em nós. E não esqueçamos que o mal, o pecado, reina por toda a parte, à nossa volta, e não podemos ser indiferentes a isso.
Procuremos, por isso, fazer alguma coisa para evitar ou ajudar a destruir o mal que nos rodeia. Por exemplo, na sociedade de consumo em que vivemos, porque não evitar alguns gastos supérfluos e ajudar com essas economias alguém que precise da nossa ajuda? Há tanta gente que sofre de isolamento. Porque não ir visitar uma pessoa idosa ou doente, comunicando-lhe um pouco de alegria e boa disposição? Na vida familiar, quantos gestos de caridade, de paciência, de diligencia, podemos oferecer a Deus! E no meio de tanto barulho… porque não fazer um pouco de silêncio, nem que seja moderado o uso da TV, do Computador, etc, ou comedindo-nos um pouco mais nas nossas palavras, para ajudar a criar um ambiente de paz e favorecer o diálogo em família, tão necessário.
Isto ou outras coisas poderemos fazer, mas o importante é que cada um encontre a sua forma mais adequada de viver santamente esta Quaresma.

 

ORAÇÃO UNIVERSAL

Caríssimos irmãos e irmãs:
Voltemo-nos para Deus, que salvou Noé e os seus filhos do dilúvio com que submergiu a terra,
e oremos pela Igreja e pelo mundo, dizendo (ou: cantando), cheios de confiança:

R. Kyrie, eleison.
Ou: Renovai, Senhor, o vosso povo.
Ou: Senhor, tende piedade de nós.

1. Pelos ministros da Igreja, pelos fiéis e catecúmenos,
para que escutem o apelo feito a todos:
“Arrependei-vos e acreditai no Evangelho”,
Oremos, irmãos.

2. Pelos homens que governam as nações,
para que não se deixem tentar pelo poder
e estejam sempre ao lado dos mais fracos,
oremos, irmãos.

3. Pelos que vivem na solidão e na tristeza
e pelos humilhados, desprezados e esquecidos,
para que em Deus encontrem o que procuram,
oremos, irmãos.

4. Pelos cristãos que iniciaram a Quaresma,
para que, na oração, na partilha e no jejum,
se preparem para celebrar a santa Páscoa,
oremos, irmãos.

5. Por nós próprios e pela nossa comunidade (paroquial),
para que o Espírito nos faça sentir fome da Palavra
e não deixe que sejamos vencidos pelo Demónio,
oremos, irmãos.

(Outras intenções: catecúmenos adultos; grandes problemas mundiais …).

Senhor, nosso Deus, que fizestes uma aliança por todas as gerações com a descendência de Noé e com os seres vivos, concedei-nos a graça de descobrir que só em Vós se encontra a fonte do amor e da vida. Por Cristo Senhor nosso.

Check Also

30 de setembro de 2018 – 26º Domingo do Tempo Comum – Ano B

LEITURA I Num 11, 25-29 Leitura do Livro dos Números Naqueles dias, o Senhor desceu …