14 de julho de 2024 – Liturgia do 15º Domingo do Tempo Comum – Ano B

LEITURA I Am 7, 12-15

Leitura da Profecia de Amós

Naqueles dias,
Amasias, sacerdote de Betel, disse a Amós: «Vai-te daqui, vidente. Foge para a terra de Judá. Aí ganharás o pão com as tuas profecias. Mas não continues a profetizar aqui em Betel, que é o santuário real, o templo do reino».
Amós respondeu a Amasias: «Eu não era profeta, nem filho de profeta. Era pastor de gado e cultivava sicómoros.
Foi o Senhor que me tirou da guarda do rebanho e me disse: ‘Vai profetizar ao meu povo de Israel’».

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Salmo 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14 (R. 8)

Refrão: Mostrai-nos, Senhor, o vosso amor
e dai-nos a vossa salvação.

Ou: Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia.

 

Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis
e a quantos de coração a Ele se convertem.
A sua salvação está perto dos que O temem,
e a sua glória habitará na nossa terra.

Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,
abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra,
e a justiça descerá do Céu.

O Senhor dará ainda o que é bom,
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente,
e a paz seguirá os seus passos.

 

LEITURA II Forma longa Ef 1, 3-14

Leitura da Epístola do apóstolo são Paulo aos Efésios

Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto dos Céus nos abençoou com toda a espécie de bênçãos espirituais em Cristo. N’Ele nos escolheu, antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, em caridade, na sua presença. Ele nos predestinou, conforme a benevolência da sua vontade, a fim de sermos seus filhos adotivos, por Jesus Cristo, para louvor da sua glória e da graça que derramou sobre nós, por seu amado Filho. N’Ele, pelo seu sangue, temos a redenção e a remissão dos pecados. Segundo a riqueza da sua graça, que Ele nos concedeu em abundância, com plena sabedoria e inteligência, deu-nos a conhecer o mistério da sua vontade, o desígnio de benevolência n’Ele de antemão estabelecido, para se realizar na plenitude dos tempos: instaurar todas as coisas em Cristo, tudo o que há nos Céus e na terra. Em Cristo fomos constituídos herdeiros, por termos sido predestinados, segundo os desígnios d’Aquele que tudo realiza conforme a decisão da sua vontade, para sermos um hino de louvor da sua glória, nós que desde o começo esperámos em Cristo. Foi n’Ele que vós também, depois de ouvirdes a palavra da verdade, o Evangelho da vossa salvação, abraçastes a fé e fostes marcados pelo Espírito Santo. E o Espírito Santo prometido é o penhor da nossa herança,
para a redenção do povo que Deus adquiriu para louvor da sua glória.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Mc 6, 7-13

+ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo são Marcos

Naquele tempo, Jesus chamou os doze Apóstolos e começou a enviá-los dois a dois. Deu-lhes poder sobre os espíritos impuros e ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, a não ser o bastão: nem pão, nem alforge, nem dinheiro; que fossem calçados com sandálias, e não levassem duas túnicas. Disse-lhes também: «Quando entrardes em alguma casa, ficai nela até partirdes dali. E se não fordes recebidos em alguma localidade, se os habitantes não vos ouvirem, ao sair de lá, sacudi o pó dos vossos pés como testemunho contra eles». Os Apóstolos partiram e pregaram o arrependimento, expulsaram muitos demónios, ungiram com óleo muitos doentes e curaram-nos.

Palavra da salvação.

 

REFLEXÃO

1. Deus procura-nos

Deus quer precisar de cada um de nós para que a Sua Mensagem de Amor e Salvação chegue ao coração de cada pessoa e dê frutos de boas obras.

Ele, Criador e Senhor de todas as coisas, submete-Se assim à vontade dos homens, na aceitação ou não aceitação do envio, para anunciar, e no acolhimento à mensagem que deve levar à conversão pessoal.

• Disponibilidade para a missão. Amós viva tranquilo na sua terra como pastor de gado e cultivador de sicómoros. O sicómoro é uma espécie de figueira que se cultiva na Terra Santa há milénios. Assim ganhava a vida o profeta, até que o Senhor o enviou ao reino da Samaria, para chamar aquela parcela do Povo de Deus à conversão.

Deus chama algumas pessoas a deixar de lado a vida que levavam antes, para se dedicarem em pleno à evangelização e dá-lhes as graças necessárias para se desprenderem da vida que levavam e mesmo enfrentarem a oposição ao seu trabalho de evangelizadores.

De resto, qualquer vocação exige de nós um esquecimento próprio e uma entrega generosa. Vamos para servir, e não para ser servidos.

Mas todos os batizados, afinal, são chamados a anunciar a salvação em Jesus Cristo. Um falsa visão que temos do nosso cristianismo leva-nos a pensar que cada um cuida de si mesmo, sem se preocupar com os outros. Deus foi o primeiro a dar o exemplo de vir ao nosso encontro para nos ajudar no caminho da salvação eterna.

• Os enviados do Senhor. Recebem esta chamada de Deus para ajudar os outros, os pais aos filhos, em primeiro lugar. Deus confia-lhes para que, pela palavra, pelo ambiente e pelo exemplo, os ensinem e ajudem a seguir o caminho do Céu. Quando os pais se desinteressam de batizar os filhos logo que nascem, com a desculpa de que são eles que devem escolher mais tarde, tratam os filhos com crueldade. Quando se trata de alimentação, medicamentos, etc., os pais não esperam que os filhos o escolham e peçam.

Também os educadores nas diversas idades das crianças e dos jovens devem preocupar-se com a salvação eterna dos que lhes estão confiados.

Todos os cristãos, afinal, são enviados ao encontro das outras pessoas, para as ajudarem a palmilhar o caminho do Céu. Amós recebeu o chamamento de Deus no meio das atividades comuns que levava. O mesmo acontece connosco.

• Os meios de evangelização. Amós apresentou-se diante das pessoas de Betel com o seu cajado de pastor e proclamando em voz alta aquilo que lhe parecia ser a vontade do Senhor.

Nós transmitimos a mensagem de Deus, em primeiro lugar, pela vida, pelo esforço generoso em viveremos fiéis a Deus; e logo pela palavra oportuna: pelo conselho amigo, pela corajosa correção paterna, ou filial.

• Como acolher a mensagem de Deus. O sacerdote Amasías recebeu mal a mensagem de Amós. Deus começa por ser incómodo na nossa vida, quando ouvimos a Sua voz. Começa por pedir, e nós gostamos mais de receber.

O profeta enfrenta com fortaleza a situação e mostra-se resolvido a continuar a fazer a vontade de Deus.

Como recebemos os avisos de Deus na pregação, ou num conselho de uma pessoa amiga?

Cada vez que o Senhor Se dirige a cada um de nós, por meio dos nossos irmãos, usa de misericórdia para connosco.

Em Jesus Cristo, o Pai «nos escolheu, antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, em caridade, na sua presença

 

2. Somos enviados por Jesus

Temos uma visão deformada da nossa vida e da forma como vivemos o nosso cristianismo. Entendemo-lo, na prática, como um compromisso individual que só a cada um de nós diz respeito, sem nenhuma ligação com as outras pessoas.

• Uma aventura em comunhão. Desde há séculos, assistimos a uma luta subterrânea para afastar Deus do coração do homem. Agora luta-se para O proibir de entrar na vida comunitária da família e da sociedade, reduzindo a vida de fé ao foro privado, sem nenhuma implicação nas relações com as outras pessoas.

Segundo estes, cada um há-de viver o seu cristianismo individualmente, sem se preocupar com os outros, como se não fôssemos membros da mesma família solidária e, portanto, corresponsáveis uns pelos outros.

A nossa vocação eterna é a comunhão na Verdade e no Amor com a Santíssima Trindade, com Maria Santíssima e com toda a Corte Celestial. Mas esta vida é já uma experiência dessa comunhão.

Para a começarmos a viver desde já, Deus envia-nos ao encontro das outras pessoas, para as ajudar no caminho do Céu.

• Todos são enviados. Os Doze Apóstolos foram os primeiros enviados por Jesus a evangelizar, ainda durante a Sua Vida Pública.

Mas, pouco depois, enviou os setenta e dois discípulos dois a dois, a preparar a passagem de Jesus pelas cidades e aldeias.

Finalmente, antes de subir ao Céu, aos quinhentos discípulos que se encontravam no Monte das Oliveiras, mandou-os evangelizar todos os povos de todas as nações, ensinando-os a fazer tudo o que Ele tinha ensinado e batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

 Na verdade, se o maior dos Mandamentos é o Amor a Deus e ao próximo, como poderíamos descurar a salvação eterna, que é fundamental na vida?

• Os poderes que recebemos. Quando procuramos ajudar as pessoas, encaminhando-as ao encontro de Jesus, podemos dizer como S. Paulo: «Vivo, não já eu, vive Cristo em mim.» É Ele que fala, que sorri, que acaricia os doentes e conforta todos os que sofrem, por meio de mim. Cristo atua visivelmente com a visibilidade que Lhe “empresta” cada cristão. O Evangelho faz notar que Jesus, antes de enviar os Apóstolos, «Deu-lhes poder sobre os espíritos impuros

• Recomendações para o caminho. Jesus prepara os Doze com algumas recomendações para esta missão.

Desprendimento. Está concretizado na recomendação que lhes faz: «ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, a não ser o bastão: nem pão, nem alforge, nem dinheiro

 Mas há outros apegos contra os quais nos havemos de precaver: o cuidado da própria imagem, o medo do que dirão e a ambição da glória pessoal tiram a eficácia a qualquer ação apostólica.

Dignidade. O apresentarem-se calçados com sandálias é uma alusão à dignidade com que havemos de nos apresentar. Não têm razão de ser os complexos de inferioridade. Não pedimos um favor, mas oferecemos um dom.

• Mensageiros da paz. Em todo o tempo e lugar, junto de todas as pessoas, havemos de ser mensageiros da paz e não da intriga. Levamos a paz às consciências, não a angústia; a paz às famílias, ajudando-as a organizar a sua vida de acordo com a vontade de Deus.

Como se devem ter sentido confortadas as pessoas que encontram Nossa Senhora nos caminhos da vida, em Nazaré, primeiro, em Caná, depois, em Jerusalém e em Éfeso, finalmente!

Procuremos, quando nos sentimos perturbados, uns momentos de oração na sua presença, para que sintamos a paz e a alegria que Ela soube levar aos que encontrava nos caminhos desta vida.

 

ORAÇÃO UNIVERSAL OU DOS FIÉIS 

Irmãs e irmãos:
Supliquemos a Deus Pai que nos mostre a sua misericórdia e dê a salvação à santa Igreja,
dizendo (ou: cantando), de coração sincero:

R. Escutai, Senhor, a oração do vosso povo.
Ou: Mostrai-nos, Senhor, o vosso amor.
Ou: Deus omnipotente, vinde em nosso auxílio.

1. Pelo Papa N., e por todos os bispos, presbíteros e diáconos,
para que celebrem os mistérios de Jesus Cristo
com alegria e fervor sempre renovados,
oremos.

2. Pelos apóstolos que Jesus continua a enviar,
para que, sem alforge nem dinheiro,
anunciem o arrependimento e a paz,
oremos.

3. Pelos que têm fome e pelos doentes,
pelos rejeitados e por todos os que sofrem,
para que encontrem alívio junto de Deus e dos homens,
oremos.

4. Por todos aqueles que Deus abençoou e escolheu,
e pelos que chamou à fé e marcou pelo Espírito,
para que sejam santos e irrepreensíveis na sua presença,
oremos.

5. Por todos nós aqui reunidos em assembleia,
para que Deus nos conceda o perdão dos pecados
e a vontade de cumprir os mandamentos,
oremos.

(Outras intenções: enfermos que receberam a santa Unção; vocações …).

Senhor, nosso Deus e nosso Pai,
que nos destes a conhecer a vossa vontade de renovar todas as coisas em Cristo, iluminai os olhos do nosso coração, para sabermos a que esperança fomos chamados.
Por Cristo Senhor nosso.

Check Also

23 de junho de 2024 – Liturgia do 12º Domingo do Tempo Comum – Ano B [na Paróquia é a Liturgia da Dedicação da Igreja]

LEITURA I- Jb 38, 1.8-11 Leitura do Livro de Job O Senhor respondeu a Job …

Sahifa Theme License is not validated, Go to the theme options page to validate the license, You need a single license for each domain name.