1 de agosto de 2021 – Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum -Ano B

LEITURA I Ex 16, 2-4.12-15

Leitura do Livro do Êxodo

Naqueles dias, toda a comunidade dos filhos de Israel começou a murmurar no deserto contra Moisés e Aarão. Disseram-lhes os filhos de Israel: «Antes tivéssemos morrido às mãos do Senhor na terra do Egipto, quando estávamos sentados ao pé das panelas de carne e comíamos pão até nos saciarmos. Trouxestes-nos a este deserto,
para deixar morrer à fome toda esta multidão». Então o Senhor disse a Moisés: «Vou fazer que chova para vós pão do céu. O povo sairá para apanhar a quantidade necessária para cada dia. Vou assim pô-lo à prova, para ver se segue ou não a minha lei. Eu ouvi as murmurações dos filhos de Israel. Vai dizer-lhes: Ao cair da noite comereis carne
e de manhã saciar-vos-eis de pão. Então reconhecereis que Eu sou o Senhor, vosso Deus’» Nessa tarde apareceram codornizes, que cobriram o acampamento, e na manhã seguinte havia uma camada de orvalho em volta do acampamento. Quando essa camada de orvalho se evaporou, apareceu à superfície do deserto uma substância granulosa, fina como a geada sobre a terra. Quando a viram, os filhos de Israel perguntaram uns aos outros: «Man-hu?», quer dizer: «Que é isto?», pois não sabiam o que era. Disse-lhes então Moisés: «É o pão que o Senhor vos dá em alimento».

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Salmo 77 (78), 3.4bc.23-24.25.54 (R. 24b )

Refrão: O Senhor deu-lhes o pão do céu.

Nós ouvimos e aprendemos,
os nossos pais nos contaram
os louvores do Senhor e o seu poder
e as maravilhas que Ele realizou.

Deu suas ordens às nuvens do alto
e abriu as portas do céu;
para alimento fez chover o maná,
deu-lhes o pão do céu.

O homem comeu o pão dos fortes!
Mandou-lhes comida com abundância
e introduziu-os na sua terra santa,
na montanha que a sua direita conquistou

 

LEITURA II Ef 4, 17.20-24

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios

Irmãos: Eis o que vos digo e aconselho em nome do Senhor: Não torneis a proceder como os pagãos, que vivem na futilidade dos seus pensamentos. Não foi assim que aprendestes a conhecer a Cristo, se é que d’Ele ouvistes pregar e sobre Ele fostes instruídos, conforme a verdade que está em Jesus. É necessário abandonar a vida de outrora e pôr de parte o homem velho, corrompido por desejos enganadores. Renovai-vos pela transformação espiritual da vossa inteligência e revesti-vos do homem novo, criado à imagem de Deus na justiça e santidade verdadeiras.

Palavra do Senhor

 

EVANGELHO Jo 6, 24-35

+ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João

Naquele tempo, quando a multidão viu que nem Jesus nem os seus discípulos estavam à beira do lago, subiram todos para as barcas e foram para Cafarnaum, à procura de Jesus. Ao encontrá-l’O no outro lado do mar, disseram-Lhe:
«Mestre, quando chegaste aqui?». Jesus respondeu-lhes: «Em verdade, em verdade vos digo: vós procurais-Me, não porque vistes milagres, mas porque comestes dos pães e ficastes saciados. Trabalhai, não tanto pela comida que se perde, mas pelo alimento que dura até à vida eterna e que o Filho do homem vos dará. A Ele é que o Pai, o próprio Deus, marcou com o seu selo». Disseram-Lhe então: «Que devemos nós fazer para praticar as obras de Deus?». Respondeu-lhes Jesus: «A obra de Deus consiste em acreditar n’Aquele que Ele enviou». Disseram-Lhe eles: «Que milagres fazes Tu, para que nós vejamos e acreditemos em Ti? Que obra realizas? No deserto os nossos pais comeram o maná, conforme está escrito: ‘Deu-lhes a comer um pão que veio do Céu’». Jesus respondeu-lhes: «Em verdade, em verdade vos digo: Não foi Moisés que vos deu o pão do Céu; meu Pai é que vos dá o verdadeiro pão do Céu. O pão de Deus é o que desce do Céu para dar a vida ao mundo». Disseram-Lhe eles: «Senhor, dá-nos sempre desse pão». Jesus respondeu-lhes: «Eu sou o pão da vida: quem vem a Mim nunca mais terá fome, quem acredita em Mim nunca mais terá sede».

Palavra da salvação

 

REFLEXÃO

1) Trabalhai pelo alimento que dura até à vida eterna

 Jesus tinha matado a fome àquela multidão que O seguia, esquecendo-se até da comida. Foi uma manifestação dos cuidados de Jesus, que nos dá as coisas materiais necessárias quando pomos em primeiro lugar as espirituais. “Procurai o reino de Deus e a sua justiça (a santidade) e tudo o mais vos será dado por acréscimo” – disse Ele (Mt 6, 33).

Mas Jesus serviu-se deste grande milagre para avivar a fé daquela gente para o que ia anunciar-lhes em seguida. Queria falar-lhes do milagre da Eucaristia, desse pão maravilhoso que ia dar-nos: a Sua carne como comida de vida eterna.

Trabalhai pelo alimento que dura até à vida eterna e que o Filho do Homem vos dará… Eu sou o pão da vida (Ev.).

Temos de avivar a nossa fé em Jesus. Ele tem todo o poder. Ele é a própria verdade. Podemos não compreender o que nos diz mas sabemos que é verdade. Passamos a vida a acreditar em pessoas que se enganam e podem enganar-nos. Como não havemos de acreditar em quem sabe tudo e não pode enganar-nos. Alguém dizia que a fé é a coisa mais razoável do mundo.

Avivemos a nossa fé na Eucaristia. Ela é o mistério da fé.

Manifestemos com obras a nossa fé. Um sacerdote santo, S.Josemaria, ao dar a comunhão às freiras do convento de Santa Isabel, em Madrid, ia dizendo baixinho: Jesus, amo-te mais do que esta. E ouviu que o Senhor lhe respondia:-Obras são amores e não boas palavras.

2) Eu sou o pão da vida

 Se queremos ter a vida da graça temos de comungar e comungar bem. Jesus é o pão da vida eterna. Quem come a minha carne e bebe o Meu Sangue tem a vida eterna e Eu o ressuscitarei no último dia (Ev) A Eucaristia é fonte de vida, une-nos a Jesus, comunica-nos a Sua graça. Ele é a cepa da videira. DEle recebemos a seiva divina. E temos a garantia de chegar ao céu não só com a alma mas também com o corpo, semelhante ao de Cristo ressuscitado.

Mas temos de comungar bem preparados. Aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será réu do corpo e sangue do Senhor-avisava S.Paulo aos cristãos de Corinto (1Cor 11,27).Tantos que hoje vão à comunhão e não se examinam se estão preparados. Andam largos meses sem se confessar. Vão comungar mesmo depois de faltar à missa ao domingo ou de outros pecados graves.

Que Jesus seja para nós de verdade o pão da vida e não da condenação. Que preparemos bem a nossa comunhão, desejando que venha a nós, tendo fome de recebê-Lo. Dizendo-Lhe muita vezes ao longo do dia que O amamos. A pequena Jacinta mandava recados a Jesus no Sacrário através da prima que ia para a escola. -Diz a Jesus que gosto muito dEle.

3) Revesti-vos do homem novo

S.Paulo recomendava aos cristãos de Éfeso para viverem à maneira do homem novo que é Cristo. Não torneis a proceder como os pagãos que vivem na futilidade dos seus pensamentos. Renovai-vos pela transformação espiritual da vossa inteligência e revesti-vos do homem novo criado à imagem de Deus na justiça e santidade verdadeiras (2ª leit.).

Na comunhão revestimo-nos de Cristo. Não é o Seu corpo que se transforma em nós mas nós que nos transformamos nEle.

A Igreja vive da Eucaristia. Cada cristão da mesma forma. Quando comungamos temos de sentir uma transformação: cá fora parecer-nos mais com Jesus.

É preciso fazer bem a preparação para a comunhão mas fazer bem também a ação de graças. Quando comemos procuramos mastigar bem a comida e fazer bem a digestão. Assim também quando comungamos: saborearmos bem este divino manjar e transformá-lo em nossa vida Já não sou eu que vivo é Cristo que vive em mim – exclamava S.Paulo (Gal 2,20).

Depois de comungar partimos para a nossa vida sabendo que levamos Cristo connosco. Não O esqueceremos à hora de trabalhar, de descansar, de nos divertirmos, de tratar com os outros.

Temos a força de Jesus em nós, a Sua graça. Temos o Seu exemplo e os Seus ensinamentos. Falharemos muitas vezes, mas voltaremos à luta para imitarmos a Jesus.

Que Nossa Senhora nos ensine a amar a Jesus na Eucaristia, a recebê-Lo com amor e a tirar todo o fruto da sagrada comunhão.

 

 

ORAÇÃO UNIVERSAL OU DOS FIÉIS 

Irmãos e irmãs em Cristo:
Nós, que fomos revestidos do homem novo, peçamos humildemente ao Pai celeste que nos torne dignos dessa graça,
dizendo (ou: cantando), com fé:

R. Deus omnipotente, vinde em nosso auxílio.
Ou: Ouvi-nos, Senhor.
Ou: Ouvi, Senhor, o vosso povo.

 

1. Pelos fiéis e pastores de todas as comunidades,
para que se renovem e anunciem Jesus Cristo,
como fonte de luz e santidade,
oremos, irmãos. 

2. Pelos que pensam demasiado nos bens do mundo,
para que trabalhem não tanto pela comida que perece,
mas pelo alimento que dura até à vida eterna,
oremos, irmãos. 

3. Pelos homens e mulheres que não são respeitados
na sua fé, consciência e liberdade,
para que Deus os livre das mãos dos seus perseguidores,
oremos, irmãos. 

4. Pelos cristãos que se uniram em matrimónio,
para que manifestem, no seu modo de viver,
o mistério do amor de Cristo pela Igreja,
oremos, irmãos. 

5. Pelos membros da nossa assembleia,
para que os benefícios oferecidos pela bondade de Deus
nos levem a amá-l’O com todo o nosso coração,
oremos, irmãos. 

 

(Outras intenções: lares onde o amor desapareceu; nossos fiéis defuntos …).

 

Senhor, nosso Deus,
que ao povo de Israel destes o maná e, na plenitude dos tempos, enviastes o vosso Filho, que nos dá o verdadeiro pão do Céu, saciai a fome e a sede que temos de Vós.
Por Cristo Senhor nosso

Check Also

29 de agosto de 2021 – Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B

LEITURA I Deut 4, 1-2.6-8 Leitura do Livro do Deuteronómio Moisés falou ao povo, dizendo: …