Home | Noticias | Bispo do Algarve apelou no primeiro dia deste ano ao “dinamismo do amor” como “caminho da paz”

Bispo do Algarve apelou no primeiro dia deste ano ao “dinamismo do amor” como “caminho da paz”

O bispo do Algarve pediu ontem aos algarvios que promovam neste novo ano de 2017 o “dinamismo do amor” como “caminho da paz” e renúncia à violência e à destruição.

D. Manuel Quintas referia-se a “gestos fraternos de paz, amor, perdão e reconciliação”, a que apelou no primeiro dia do ano em que se celebrou o Dia Mundial da Paz e a solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus.

Na celebração da eucaristia a que presidiu, como acontece anualmente, no Santuário de Nossa Senhora da Piedade (popularmente conhecida como Mãe Soberana), em Loulé – o santuário mariano de maior expressão no Algarve –, o prelado explicou que aquele “dinamismo” passa por “acolher a bênção de Deus como dom” e por partilhá-la “também como dom para os outros” através dos gestos indicados que frisou serem de “não-violência”. “Que a não-violência ativa seja um estilo de vida”, pediu, referindo-se à mensagem do papa Francisco para o 50º Dia Mundial da Paz, intitulada “A não-violência: estilo de uma política para a paz”.

Missa_1_janeiro_2017 (2)

Foto © Samuel Mendonça

“Queremos inserir-nos neste grande movimento da construção da paz tão necessária e tão urgente nos dias de hoje, desde a paz nos corações, passando pela paz nas famílias, pelo ambiente que nos rodeia, até à paz entre os povos e nações”, afirmou, lembrando que a paz é “algo fundamental para que toda a humanidade possa viver com dignidade”.

O bispo diocesano alertou assim que a “não-violência” nasce no interior de cada pessoa. “Não devemos olhar apenas ao longe, mas ao perto e, sobretudo, para dentro de nós quando falamos de não-violência. Sempre que cultivamos a não-violência, estamos a identificar-nos verdadeiramente com a Boa Nova que Jesus nos trouxe, com Ele próprio. Se somos seus discípulos, temos de cultivar esta não-violência”, advertiu, acrescentando: “que o rosto de Deus seja também o rosto luminoso que ilumine a nossa própria vida, os caminhos que vamos percorrer ao longo deste novo ano para que possamos também iluminar o caminho e a vida, antes de mais, daqueles que vivem connosco todos os dias”.

Missa_1_janeiro_2017 (3)

Foto © Samuel Mendonça

O bispo do Algarve lembrou assim que “Maria é o modelo de todo o crente que acolhe a bênção de Deus e colabora com Ele na realização deste projeto de libertação e salvação”. “Queremos todos iniciar este novo ano sob a proteção de Nossa Senhora, com o seu amparo e a sua bênção, certos que assim nos sentiremos mais seguros”, afirmou, lembrando que este ano será “marcadamente mariano” também na diocese algarvia, que tem como lema “Chamados, com Maria, a ser discípulos e testemunhas do Evangelho da Alegria e do Amor”, porque se celebra o centenário das aparições em Fátima.

Lembrando que “um ano devia ser sempre iniciado com uma esperança renovada”, D. Manuel Quintas agradeceu ainda pelo findado ano de 2016. “Ao iniciar um novo ano, brote no nosso coração sempre sentimentos de ação de graças e de louvor a Deus por todos os dons que nos concedeu ao longo do ano que ontem [anteontem] terminou e também sentimentos de reconhecimento da sua bondade e misericórdia pelas nossas fragilidades e limitações”.

 

Fonte:

www.folhadodomingo.pt

Check Also

A fé como luta

A história da Igreja Católica mostra-nos muitos grandes santos que tiveram experiências de dúvida, de …