Home | Noticias | 7 de outubro de 2017 – Festa de Nossa Senhora do Rosário

7 de outubro de 2017 – Festa de Nossa Senhora do Rosário

Ao longo do ano o calendário litúrgico está cheio de festas em honra de Nossa Senhora. Esta do Rosário é mais uma, agora porventura mais em destaque após as aparições de Fátima. Aquela Senhora, «mais brilhante de que o sol» diz o Seu nome: Eu sou a Senhora do Rosário.
Rosário: oração simples em que se reveem os mistérios da nossa salvação e nos orientamos para Deus mediante a intercessão maternal de Maria.

Como filhos e filhas de Maria Santíssima, Mãe de Deus e nossa querida Mãe celestial, queremos sentir o palpitar do seu coração materno e ouvir mais uma vez ela dizer-nos, como disse nas bodas de Caná em Galileia: «Fazei tudo o que Ele, meu Filho, vos disser».
Ela não só disse estas palavras, mas também as praticou toda a sua vida que pode ser resumida em três palavras: Fiat, Magnificat e Stabat. Fiat, quer dizer «seja feita a vontade de Deus», Magnificat, «que Deus seja sempre louvado», e Stabat, «ser fiel a Deus e aos nossos compromissos até ao fim de vida».
O evangelho que acabamos de ouvir, trouxe-nos à memória aquele momento solene quando Maria Santíssima disse um «sim» total e incondicional, um Fiat, à mensagem do Arcanjo Gabriel que lhe comunicou que Deus queria que ela fosse a Mãe do seu Filho incarnado.
O «sim» de Maria não terminou com a Anunciação do Arcanjo. Maria foi imediatamente a toda a pressa visitar sua prima Isabel que precisava de ajuda, pois estava grávida. E quando a sua prima, divinamente inspirada, a proclamou «Mãe de Deus» e «bendita entre todas as mulheres», o coração de Maria Santíssima rompeu num cântico de louvor e agradecimento a Deus todo-poderoso pelas maravilhas que fez nela e na história de humanidade. Este cântico da Virgem chama-se o Magnificat.
Depois disto, Maria Santíssima viveu o seu Fiat e Magnificat toda a sua vida, nas alegrias e nas dores, até ao pé da cruz do seu Filho no Calvário. O evangelho tem uma palavra que descreve bem esta atitude de fidelidade e perseverança de Nossa Senhora: Stabat, quer dizer, estava firme, resoluta e decidida.
Com estes sentimentos – Fiat, Magnificat e Stabat – a Virgem Maria ensinou-nos o que significa viver como discípulos de Jesus Cristo. Fiat: dizendo sempre «sim» à vontade de Deus a nosso respeito. Magnificat vivendo na alegria, paz e amor ainda que a vida nos traga frequentemente cruzes e amarguras. Stabat: sendo fiéis até à morte aos nossos compromissos e deveres. É um ensinamento profundo, pois muitas vezes dizemos «sim» a Deus e rejubilamos pelos efeitos imediatos, mas falhamos no terceiro elemento de fidelidade e perseverança. Por isso muitas iniciativas perdem-se pela estrada, muitos matrimónios fracassam com o divórcio, muitas pessoas interrompem a sua vocação da vida, e às vezes até a própria vida. Ora, estes três sentimentos – Fiat, Magniflcat e Stabat – se obtêm só com sacrifício e oração.
Ao honramos Nossa Senhora do Rosário: é o apelido com que ela mesma se designou na última aparição em Fátima, há 100 anos, diante de 70.000 pessoas. Naquela ocasião, Nossa Senhora pediu que se rezasse o terço todos os dias pela conversão dos pecadores e pela paz no mundo. O Santo Rosário faz-nos recordar os sentimentos do Fiat, Magnificat e Stabat que marcaram a vida de Nossa Senhora e inspira-nos a imitá-la para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
Normalmente quando rezamos o terço, pensamos – como é natural – às nossas intenções pessoais, às nossas famílias e necessidades. Mas não esqueçamos as intenções que nos propôs a nossa Mãe de Céu: a conversão dos pecadores e a paz no mundo. São intenções muito caras ao coração de Deus.
Antes de tudo: a conversão dos pecadores. Hoje o mundo está espiritualmente doente e, mais do que nunca, aumentam os pecados e os pecadores; até porque o mal se apresenta como bem, e os vícios são exibidos como virtudes. Há ideologias e doutrinas chamadas New Age que negam a existência de Deus e exaltam o poder humano. Há modas de vestir e de viver que traduzem um modo pagão de viver sem Deus e ofendem muito o coração de Deus, porque reduzem o homem – a obra-prima da sua criação – à uma condição indigna da sua dignidade de filho de Deus. Abundam hoje também os atentados contra a vida, desde as inocentes crianças no seio materno até a eutanásia e há leis civis contra a moralidade matrimonial. Há seitas secretas, cultos satânicos, o terrorismo e poderosos meios de comunicação social que destroem muitos, especialmente os jovens, da atenção que devem dar a Deus e ao próximo.
E onde chega o pecado, aí faz falta a paz de Jesus. No mundo hoje, há guerras não só entre nações, mas entre habitantes duma mesma nação, nas próprias famílias e comunidades, e sobretudo no íntimo dos corações. As causas são diversas: a inveja, o egoísmo, a avidez, honras e posição social, a arrogância de comportar-se como se Deus não existisse ou fosse irrelevante na vida do homem ou, pior ainda, como se o homem mesmo fosse Deus. Estamos no meio dum combate espiritual entre o bem e o mal; entre o amor de Deus e do próximo, duma parte, e o amor egoísta que escraviza o mundo e busca só a prosperidade, a popularidade e o poder. Mas, uma coisa é certa: a vitória final será de Deus, graças às orações dos fiéis e à intercessão poderosa de Nossa Senhora que já predisse: «Finalmente o meu Coração triunfará».
Hoje mais do que nunca, o mundo necessita de nossos sacrifícios e preces pela conversão dos pecadores e pela paz no mundo. Vivamos fielmente os sentimentos do Fiat, Magnificat e Stabat de Nossa Senhora e, obedientes ao seu apelo materno, vamos fazer muita penitência e oração e, em particular, vamos rezar o terço cada dia pedindo a Deus, Pai de misericórdia, que tenha piedade de nós e nos dê a paz de Jesus que tanto necessitamos e desejamos.

Check Also

Clero do Algarve inicia hoje retiro anual

O clero do Algarve inicia hoje o seu retiro anual na Casa de Retiros de …