SENHOR, abre os nossos olhos para que vejamos

Comissão Justiça e Paz da Diocese de Bragança-Miranda

 

Tu, que passas na rua, absorto pelas preocupações da vida, e te esqueces de olhar à tua volta;

Tu, que, muitas vezes, passas pelos abandonados e doentes e te esqueces de parar para oferecer ajuda;

Tu, que não precisas de te preocupar com as empresas que tiveram de fechar portas por causa da crise provocada pelo vírus SARS-CoV-2 e pela doença Covid-19;

Tu, que não queres saber quantos trabalhadores ficaram sem emprego e sem pão nos últimos 12 meses;

Tu, que achas que o Estado tem dinheiro para resolver todos os problemas humanos, económicos e sociais dos que não têm trabalho e dos que querem mas não podem trabalhar, ou por doença ou por velhice ou por falta de oportunidade;

Tu, que não ouves a mãe, ao teu lado, a chorar por não ter pão para dar aos filhos;

Tu, que achas que o pobre pedinte o é porque não quer trabalhar quando ele não sabe ter iniciativa e condições para trabalhar e não tem quem lhas ajude a criar;

Tu, que não conheces a angústia da mãe que não tem roupa para os filhos nem agasalhos para o Inverno;

Tu, que não queres saber do bullying que as crianças sofrem na Escola por andarem mal vestidas e não poderem falar dos seus haveres aos amigos;

Tu, que achas que os problemas dos outros não te dizem respeito e são da responsabilidade do Estado julgando não teres nada a ver com isso;

Tu, que foste sempre amado e não tiveste de te confrontar com as agruras da vida e os enfrentamentos dos outros;

Tu, que ouves e vês as notícias das desgraças e pensas que estas nunca virão ter contigo;

Tu, que como todas, todos e tods, ficaste atordoado com a ameaça do SARS-CoV-2;

Tu, que gostas tanto de ser amado e de receber lembranças no Natal;

Olha à tua volta e vê o pobre, o desempregado e o migrante que têm fome, a família que perdeu a habitação, o empresário que teve de despedir trabalhadores e fechar a empresa, o faminto que tem vergonha de pedir por outrora ter vivido em boas condições e ter estado bem incluído na sociedade e na economia;

Olha ainda à tua volta e vê também os deficientes, quase abandonados e quase nunca incluídos, os idosos e os sem-abrigo.

Pede ao SENHOR que abra os teus olhos para que vejas; para que identifiques situações problemáticas e que as tentes resolver junto de instituições de apoio social ou as comuniques às mesmas. E distribui as tuas compras por muitos para que ajudes o maior número possível de pessoas.

Por ti, por todas, todos e tods, pede a luz do amor e da fraternidade: “SENHOR, abre os olhos dele para que veja” (Eliseu, 2 Reis, 6:17).

E muito Feliz Natal apesar da pandemia que nos inquieta.

 

Fonte: https://agencia.ecclesia.pt/

Check Also

Vaticano: Mensagem para a Vida Consagrada centra-se na missão e incentiva a «alargar a tenda»

Cardeal D. João Braz de Aviz vai presidir à Missa do dia 2 de fevereiro …