Nota Pastoral para a Semana Nacional da Educação Cristã 2022

Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé

SEMANA NACIONAL DA EDUCAÇÃO CRISTÃ

2 a 9 de outubro de 2022

 

O EDUCADOR CRISTÃO, UM GUIA NO CAMINHO

NOTA PASTORAL

 

1. Educar é acompanhar. O educador cristão acompanha aqueles que lhe são confiados e orienta-os para saírem de si mesmos e se abrirem à vida, aos outros, à fé, ao amor e à esperança. Assim, poderão alcançar o seu pleno desenvolvimento e contribuir para um mundo mais humano e fraterno. À luz do Evangelho, podemos considerar o educador cristão como uma imagem e um colaborador de Jesus, o Bom Pastor, que nos acompanha com a graça e a bondade, todos os dias da nossa vida, para ultrapassarmos os “vales tenebrosos” e seguir os caminhos da retidão     (cf. Sl 23/22, 6). Em Jesus se encontra a verdadeira fonte de luz e de alegria, como Ele próprio prometeu: “Eu sou a luz do mundo, quem Me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8, 12). Como guia cristão, o educador procura, pois, amadurecer a experiência pessoal do encontro, do olhar e do seguimento de Jesus, Caminho e Vida.

A designação “guia-educador” realça, portanto, a dimensão da experiência pessoal, a dinâmica do caminho e do crescimento, a presença próxima e o acompanhamento. Contorna, assim, a imagem do “professor”, sentado na “cátedra” do saber, ou a de um pedagogo centrado apenas nos métodos da pedagogia. O guia cristão centra-se na pessoa do educando e ajuda-o a sair do seu individualismo e a abrir-se a Deus e aos outros. À luz do Evangelho, podemos realçar algumas características que lhe são peculiares.

 

2. Acolher a riqueza pessoal do educando. Antes de mais, aquele que educa à maneira de Jesus cultiva um olhar de estima e apreço pela riqueza única da personalidade de cada educando e uma atitude solidária e cooperante no seu pleno desenvolvimento. Como afirma o Papa Francisco: “Numa civilização paradoxalmente ferida pelo anonimato e, simultaneamente, obcecada pelos detalhes da vida alheia, descaradamente doente de morbosa curiosidade, a Igreja tem necessidade de um olhar solidário para contemplar, comover-se e parar diante do outro” (EG 169). O educador precisa, portanto, de ter estima e consideração para com cada um dos seus educandos. Se não possui essa propensão, tal significa que estará vocacionado para outras tarefas que não a educativa. 

3. Educar com amor e para o amor. Todos desejam amar e ser amados. Educar é tocar o coração e motivar a vontade, sem deixar de esclarecer a inteligência para fundamentar a razoabilidade e a sabedoria do caminho da verdade e do bem. O coração mexe com a vontade e desperta interesse em conhecer e, por isso, o educador esforça-se por tocar o coração dos educandos para os conduzir à plenitude de vida. Realmente, o caminho que propõe é estreito, mas conduz à vida, diz o Evangelho (Mt 7, 14). A tentação de seguir o caminho largo, sem orientações nem regras, sem exigência nem responsabilidade, parece mais fácil e agradável, mas empobrece em vez de conduzir ao pleno desenvolvimento. Para que os educandos descubram e se decidam livremente pelo caminho da plenitude da vida, o educador precisa de os acompanhar com dedicação, inteligência e afeto. Atualmente, é necessário ensinar a amar, pois o individualismo e o egoísmo marcam o nosso tempo e a nossa cultura. Mostram-se como o caminho largo do êxito e das vantagens pessoais, mas fecham a pessoa em si mesma e no seu bem individual. Ensinar a amar será, assim, libertar os educandos do individualismo, despertando-os para o bem comum e para uma fraternidade aberta a todos, sem fronteiras geográficas, culturais ou religiosas.

4. Envolver para educar juntos. Numa cultura aberta e sujeita a múltiplas e complexas influências, a educação frutuosa só é possível com a colaboração conjugada de todas as instituições ou associações implicadas na Educação: Família, Escolas e outras instâncias da Igreja e da sociedade civil (movimentos católicos, associações culturais e desportivas, etc.). Relembramos as palavras da mensagem do Papa Francisco, ao lançar o Pacto Educativo Global (12 de setembro de 2019): “nunca como agora houve necessidade de unir esforços numa ampla aliança educativa para formar pessoas humanas maduras, capazes de superar fragmentações e contrastes e reconstruir o tecido das relações em ordem a uma humanidade mais fraterna (…). Vivemos uma mudança epocal não só cultural, mas antropológica, que gera novas linguagens e descarta, sem discernimento, os paradigmas recebidos da história (…). Ora, cada mudança precisa de uma caminhada educativa que envolva a todos. Por isso, é necessário construir uma “aldeia da educação” onde, na diversidade, se partilhe o compromisso de gerar uma rede de relações humanas e abertas”.

5. Esta aliança educativa apresenta-se em profunda sintonia com o caminho sinodal que a Igreja se esforça por seguir na fidelidade ao Evangelho e às características da nossa cultura. Neste contexto, o educador cristão é chamado a acompanhar o seu grupo, fazendo-se presente e estando disponível para animar a participação concertada dos vários intervenientes da Educação. Numa cultura globalizada e complexa, alcançaremos melhor os frutos desejados se os educadores cristãos trabalharem unidos e conjugarem os seus esforços, sem se isolarem no seu grupo ou na sua área pastoral.

É este também o desafio na preparação e vivência da Jornada Mundial da Juventude, que é um convite a tomar parte num movimento de saída apressada ao encontro do outro, a exemplo de Maria («Maria levantou-se e partiu apressadamente» – Lc 1, 39). Uma “pressa boa” que, nas palavras do Papa Francisco, nos “impele sempre para o alto e para o outro” (mensagem para a XXXVII Jornada Mundial da Juventude 2022-2023).

Façamos juntos o caminho da Educação.

 

 

Dia de S. Vicente de Paulo

Lisboa, 27 de setembro de 2022

Check Also

Comunicado final da 197.ª Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa

1. Decorreu em Fátima, de 11 a 14 de novembro de 2019, a 197.ª Assembleia …