Home | Noticias | Mês Missionário: Papa assume intenção de «sacudir» as comunidades católicas
epa07886360 Pope Francis presides the Vespers for the beginning of the Missionary Month in Saint Peter's Basilica at the Vatican City, 01 October 2019. EPA/GIUSEPPE LAMI

Mês Missionário: Papa assume intenção de «sacudir» as comunidades católicas

Francisco pede «ousadia e criatividade» para transmitir a mensagem do Evangelho

Cidade do Vaticano, 01 out 2019 (Ecclesia) – O Papa presidiu hoje no Vaticano a uma celebração de oração pela abertura do Mês Missionário extraordinário, na qual desafiou os católicos a anunciar o Evangelho com “ousadia e criatividade”.

“Este Mês Missionário extraordinário quer ser uma sacudidela que nos provoca a ser ativos no bem. Não notários da fé e guardiões da graça, mas missionários”, declarou, na homilia que pronunciou na Basílica de São Pedro.

A recitação das Vésperas aconteceu, simbolicamente, na memória litúrgica de Santa Teresa do Menino Jesus, padroeira das Missões.

Francisco sustentou que ser missionário é, antes de tudo, ser “testemunha”, mostrando com a própria vida que “se conhece Jesus”.

“Testemunha é a palavra-chave; uma palavra que tem a mesma raiz e significado de mártir. E os mártires são as primeiras testemunhas da fé: não por palavras, mas com a vida. Sabem que a fé não é propaganda nem proselitismo, mas um respeitoso dom de vida”, precisou.

O Papa elogiou todos os que sabem viver com o “amor de Jesus”, para todos, “incluindo os inimigos”.


Quem está com Jesus sabe que tem aquilo que se dá, possui aquilo que se doa; e o segredo para possuir a vida é doá-la. Viver de omissões é renegar a nossa vocação: a omissão é o contrário da missão”.

Francisco lamentou que muitos crentes se fechem numa “triste vitimização”, pensando que “está tudo mal”, no mundo e na Igreja, e vivendo uma “fé de sacristia”, em vez de passar da “omissão à Missão”.

“Pecamos contra a missão, quando caímos escravos dos medos que imobilizam, e nos deixamos paralisar pelo ‘sempre se fez assim’. E pecamos contra a missão, quando vivemos a vida como um peso e não como um dom”, advertiu.

A intervenção reafirmou uma das ideias centrais do atual pontificado, o de uma “Igreja que vive em saída”, que coloca a missão por diante da “relevância social ou institucional”.

No início do “outubro missionário”, Francisco evocou três figuras inspiradoras: Santa Teresa do Menino Jesus (1873-1897), “que fez da oração o combustível da ação missionária no mundo”; São Francisco Xavier (1506-1552), “talvez o maior missionário da história depois de São Paulo”; e a venerável Paulina Jaricot (1799-1862), “uma operária que apoiou as missões com o seu trabalho diário”, na França, dando início às Obras Missionárias Pontifícias.


Ninguém está excluído da missão da Igreja. Sim, neste mês, o Senhor chama-te também a ti. Chama a ti, pai e mãe de família; a ti, jovem que sonhas com grandes coisas; a ti, que trabalhas numa fábrica, numa loja, num banco, num restaurante; a ti, que estás sem trabalho; a ti, que estás numa cama de hospital”.

O Papa encerrou a sua intervenção com um apelo à missão “ad gentes”, noutros países, “onde há mais falta de esperança e dignidade, onde tantas pessoas vivem ainda sem a alegria do Evangelho”.

“Vai! O Senhor não te deixará sozinho; dando testemunho, descobrirás que o Espírito Santo chegou antes de ti para te preparar o caminho. Coragem, irmãos e irmãs! Coragem, Mãe Igreja: reencontra a tua fecundidade na alegria da missão”, concluiu.

Francisco entregou, simbolicamente, uma cruz missionária a vários dos participantes na cerimónia.

A celebração foi antecedida por uma série de testemunhos e apresentações sobre a atividade missionária católica nos cinco continentes, muitas vezes em contextos de guerra ou pobreza.

A Igreja Católica vive desde hoje um Mês Missionário Extraordinário, por decisão do Papa, com o tema ‘Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo’, no centenário da promulgação da Carta Apostólica ‘Maximum illud’, do Papa Bento XV.

OC

Check Also

Chegará quem não esperas

Passamos parte da vida à espera que a solução para os nossos problemas e angústias …