Catequese: Vaticano defende maior atenção às pessoas com deficiência

Novo Diretório sublinha atenção a questões sociais, ecológicas, culturais e espirituais do mundo contemporâneo

Cidade do Vaticano, 25 jun 2020 (Ecclesia) – O Vaticano apresentou hoje o Diretório para a Catequese, que defende uma maior atenção às pessoas com deficiência, migrantes e reclusos, na ação das comunidades católicas.

“As pessoas com deficiência constituem uma oportunidade de crescimento para a comunidade eclesial que, com a sua presença, é incentivada a superar os preconceitos culturais”, refere o documento, divulgado esta manhã pela Sala de Imprensa da Santa Sé.

O texto orientador da pastoral catequética desafia cada diocese a promover o acolhimento e “presença habitual das pessoas com deficiência”, marcando posição em favor de uma cultura da inclusão “contra a lógica do descarte”.

“As pessoas com deficiências intelectuais vivem a relação com Deus no imediatismo da sua intuição e é necessário e condigno acompanhá-las na vida de fé. Isso exige que os catequistas procurem novos canais de comunicação e métodos mais adequados para favorecer o encontro com Jesus”, pode ler-se.

O documento sugere formação específica e pede que os catequistas acompanhem também as famílias de pessoas com deficiência, “acompanhando-as e favorecendo a sua plena inserção na comunidade”.

Os sacramentos são dons de Deus e a liturgia, ainda antes de ser compreendida racionalmente, pede para ser vivida: portanto, ninguém pode recusar os sacramentos às pessoas com deficiência”.

O novo Diretório, terceiro documento do género em 50 anos, apela à presença dos migrantes no setor da Catequese, promovendo até a sua língua materna, para evitar a “perda dos seus ritos e da sua identidade religiosa”.

Outra nota liga-se à pastoral nas prisões, sustentando que o encontro com a Palavra de Deus “pode consolar e curar até a vida mais devastada pelo pecado, além de abrir espaços para a reeducação e a reabilitação”.

Desde o Concílio Vaticano II (1961-1965) foram publicados o Diretório Catequístico Geral, em 1971, e o Diretório Geral de Catequese, de 1997; a 11 de outubro de 1992, São João Paulo II publicou ainda o Catecismo da Igreja Católica.

O Diretório para a Catequese lançado esta manhã sublinha atenção a questões sociais, ecológicas, culturais e espirituais do mundo contemporâneo, propondo uma Igreja “capaz de acolhimento e proximidade, ativamente atenta às pessoas que vivem em sofrimento, pobreza e solidão”.

O Vaticano propõe uma Catequese “sensível à salvaguarda da criação”, que promove uma cultura da atenção “tanto ao ambiente como às pessoas que o habitam”

“A par de uma preocupante desigualdade social que, muitas vezes, desemboca em alarmantes tensões planetárias, está a alterar-se profundamente o horizonte de significado da própria experiência humana”, adverte.

Testemunho e anúncio, palavra e sacramento, mudança interior e transformação social. Todas estas ações são complementares e enriquecem-se reciprocamente.

O texto realça que a Catequese participa no desafio eclesial de se opor a “processos centrados na injustiça, na exclusão dos pobres, no primado do dinheiro” para se constituir, pelo contrário, em “sinal profético de promoção e de vida plena para todos”.

O novo Diretório foi apresentado hoje à imprensa pelos responsáveis do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (Santa Sé), que desde 2013, por decisão de Bento XVI, hoje Papa emérito, assumiu entre as suas competências o setor da Catequese.

Falando em dinâmica de conversão missionária, o documento apela para que cada paróquia se interrogue “acerca do tipo de catequese que propõe, sobretudo nos novos contextos sociais e culturais”.

Foto: Catequese/Patriarcado de Lisboa

“Cada Igreja particular é convidada a desenvolver da melhor maneira a catequese como expressão evangelizadora dentro do seu contexto cultural e social. Toda a comunidade cristã é responsável pela catequese, ainda que somente alguns recebam do Bispo o mandato para serem catequistas. Estes agem e operam sob forma eclesial em nome de toda a Igreja”, indica o texto.

O documento destaca o papel das associações, movimentos e diferentes grupos eclesiais, bem como das escolas católicas, aludindo ainda ao ensino da religião, defendendo uma distinção “clara”.

A Santa Sé questiona ainda a “ideologia do género”, uma visão da sexualidade como “construção social que se decide autonomamente, totalmente desvinculada do sexo biológico”.

Em Portugal o novo documento orientador da Catequese vai ser editado pelo Secretariado Nacional da Educação Cristã, com apresentação da obra nas Jornadas Nacionais de Catequistas.

OC

Check Also

Os teus pecados estão perdoados

No Sacramento da Reconciliação, pelo poder dado por Cristo aos Apóstolos e seus sucessores, acontecem …

Sahifa Theme License is not validated, Go to the theme options page to validate the license, You need a single license for each domain name.