25 de julho de 2021 – 17º Domingo do Tempo Comum – Ano B

O Evangelho de hoje de São João que nos relata o milagre da multiplicação dos pães.

Jesus, perante uma multidão que O seguia, preocupa-se e dialoga com os discípulos para encontrarem meios de arranjarem alimento necessário. Depois de os discípulos reconhecerem que eram incapazes de encontrar solução para darem de comer a tanta gente, Jesus tomou cinco pães e dois peixes que um rapazito levava, abençoou o pão e os peixes e distribuiu-os.

Toda a gente ficou saciada e ainda sobraram bocados que encheram doze cestos.

O acontecimento da multiplicação dos pães é relatado pelos quatro evangelistas, mas São João fá-lo duma maneira mais breve e situa-o imediatamente antes do discurso em que Jesus se apresenta como Pão da Vida.

A primeira leitura do 2º Livro dos Reis, também apresenta uma “multiplicação de pães”. O profeta Eliseu mandou que uma oferta de vinte pães de cevada e um saco de trigo novo, oferecidos a Javé, fossem distribuídos por 100 pessoas. O servo hesitou, pois era pouco para tanta gente, mas o profeta convenceu-o, mostrando que assim era a vontade de Javé.

E o “pouco”, com a bênção do Senhor, tornou-se “muito”, pois chegou e ainda sobejou.

Este milagre não só saciou os que tinham fome, como mostrou que Javé protege e alimenta o Seu Povo através dos profetas – Seus fiéis mensageiros.

Temos assim, nestas duas leituras, narração de dois acontecimentos em que há multiplicação de pães.

Na primeira leitura o acontecimento é sinal da bondade de Deus para os Seus filhos e é prelúdio da abundância prometida para os tempos messiânicos.

No evangelho de São João, a multiplicação dos pães surge como preparação para o anúncio da Eucaristia.

“Jesus revela-se como o Messias dos últimos tempos. O Profeta que vem satisfazer definitivamente a fome de Deus”.

Em ambas as multiplicações de pães, para além do milagre, ressalta a superabundância: Deus dá com generosidade.

A carta de São Paulo aos Efésios, que ouvimos na segunda leitura, é um apelo à unidade – exigência para todos aqueles que se comprometeram a viver como cristãos.

Exigência porque, como diz São Paulo, “há um só corpo e um só Espírito, como existe uma só esperança na vida a que fostes chamados. Há um só Deus e Pai de todos…”. E o Apóstolo indica aos Efésios como viver concretamente esta unidade, essencial à vida da Igreja: ”Procedei com toda a humildade, mansidão e paciência; suportai-vos uns aos outros com caridade, empenhai-vos em manter a unidade de espírito pelo vínculo da paz”.

Check Also

Símbolos da Jornada Mundial da Juventude voltam em outubro ao Algarve, ao fim de 11 anos

Os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) – a cruz e o ícone de …