2 de janeiro de 2022 – Liturgia da Solenidade da Epifania do Senhor – Ano C

LEITURA I Is 60, 1-6 

Leitura do Livro de Isaías 

Levanta-te e resplandece, Jerusalém, porque chegou a tua luz e brilha sobre ti a glória do Senhor. Vê como a noite cobre a terra e a escuridão os povos. Mas, sobre ti levanta-Se o Senhor e a sua glória te ilumina. As nações caminharão à tua luz e os reis ao esplendor da tua aurora. Olha ao redor e vê: todos se reúnem e vêm ao teu encontro; os teus filhos vão chegar de longe e as tuas filhas são trazidas nos braços. Quando o vires ficarás radiante, palpitará e dilatar-se-á o teu coração, pois a ti afluirão os tesouros do mar, a ti virão ter as riquezas das nações. Invadir-te-á uma multidão de camelos, de dromedários de Madiã e Efá. Virão todos os de Sabá, trazendo ouro e incenso e proclamando as glórias do Senhor.

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Salmo 71 (72), 2.7-8.10-11.12-13 (R. cf. 11) 

Refrão: Virão adorar-Vos, Senhor,
todos os povos da terra. Repete-se

 

Ó Deus, concedei ao rei o poder de julgar
e a vossa justiça ao filho do rei.
Ele governará o vosso povo com justiça
e os vossos pobres com equidade. Refrão

Florescerá a justiça nos seus dias
e uma grande paz até ao fim dos tempos.
Ele dominará de um ao outro mar,
do grande rio até aos confins da terra. Refrão

Os reis de Társis e das ilhas virão com presentes,
os reis da Arábia e de Sabá trarão suas ofertas.
Prostrar-se-ão diante dele todos os reis,
todos os povos o hão-de servir. Refrão

Socorrerá o pobre que pede auxílio
e o miserável que não tem amparo.
Terá compaixão dos fracos e dos pobres
e defenderá a vida dos oprimidos. Refrão

 

LEITURA II Ef 3, 2-3a.5-6 

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios 

Irmãos: Certamente já ouvistes falar da graça que Deus me confiou a vosso favor: por uma revelação, foi-me dado a conhecer o mistério de Cristo. Nas gerações passadas, ele não foi dado a conhecer aos filhos dos homens como agora foi revelado pelo Espírito Santo aos seus santos apóstolos e profetas: os gentios recebem a mesma herança que os judeus, pertencem ao mesmo corpo e participam da mesma promessa, em Cristo Jesus, por meio do Evangelho.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Mt 2, 1-12 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus 

Tinha Jesus nascido em Belém da Judeia, nos dias do rei Herodes, quando chegaram a Jerusalém uns Magos vindos do Oriente. «Onde está – perguntaram eles – o rei dos judeus que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-l’O». Ao ouvir tal notícia, o rei Herodes ficou perturbado e, com ele, toda a cidade de Jerusalém. Reuniu todos os príncipes dos sacerdotes e escribas do povo e perguntou-lhes onde devia nascer o Messias. Eles responderam: «Em Belém da Judeia, porque assim está escrito pelo Profeta: ‘Tu, Belém, terra de Judá, não és de modo nenhum a menor entre as principais cidades de Judá, pois de ti sairá um chefe, que será o Pastor de Israel, meu povo’». Então Herodes mandou chamar secretamente os Magos e pediu-lhes informações precisas sobre o tempo em que lhes tinha aparecido a estrela. Depois enviou-os a Belém e disse-lhes: «Ide informar-vos cuidadosamente acerca do Menino; e, quando O encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-l’O». Ouvido o rei, puseram-se a caminho. E eis que a estrela que tinham visto no Oriente seguia à sua frente e parou sobre o lugar onde estava o Menino. Ao ver a estrela, sentiram grande alegria. Entraram na casa, viram o Menino com Maria, sua Mãe, e, prostrando-se diante d’Ele, adoraram-n’O. Depois, abrindo os seus tesouros, ofereceram-Lhe presentes: ouro, incenso e mirra. E, avisados em sonhos para não voltarem à presença de Herodes, regressaram à sua terra por outro caminho.

Palavra da salvação.

 

REFLEXÃO

Vimos a sua estrela no Oriente

Os magos que hoje recordamos continuam a ser uma lição para nós. Vieram de muito longe á procura de Jesus. Não se pouparam a sacrifícios para O encontrarem. Não era uma viagem fácil naqueles tempos. Podemos imaginar os incómodos, os perigos que tiveram de enfrentar.

O Evangelho fala-nos do seu entusiasmo e da sua alegria. Vimos a Sua estrela no Oriente e viemos adorá-Lo – diziam. Em cada domingo vimos ao encontro de Jesus e temos de o fazer com alegria.

 A fé é para nós a luz que nos guia até Ele. É uma luz mais forte e mais clara que a dos magos. Fiamo-nos na palavra de Jesus, temos a garantia dos Seus milagres, temos a ajuda da Sua igreja que continua a repetir-nos as Suas palavras e a ser luz para toda a humanidade.

A fé tem de iluminar a nossa vida de cada dia, tem de ir à nossa frente. Quando parecer que a perdemos temos de fazer como os magos: perguntar a quem nos pode ensinar. Não a Herodes, mas àqueles que o Senhor pôs em Seu nome cá na terá para nos guiarem com a Sua autoridade divina.

Na Santa Missa Jesus alimenta-nos com a Sua Palavra. É a primeira parte da Missa. Devemos estar atentos ao que nos diz, guardá-lo e meditá-lo. Só Ele tem palavras de vida eterna.

A segunda parte é chamada liturgia eucarística. Jesus muda o pão no Seu Corpo o vinho no Seu Sangue, tornando presente sobre o altar o sacrifício do Calvário. Ele oferece de novo a Sua vida por nós como oferta agradável a Deus e convida-nos a oferecer com Ele a nossa vida: alegrias, penas, trabalhos e sacrifícios.

Como os reis magos que ofereceram ouro, incenso e mirra, também nós trazemos a Jesus o que temos de melhor: o nosso coração, o desejo de fazer a vontade de Deus e de fazer com que todos O amem.

Prostraram-se diante dele

Ao chegarem junto de Jesus Menino os magos prostraram-se diante dEle para O adorarem. Reconheciam-nO  como o Messias anunciado ao Povo de Israel, mas também como verdadeiro Deus.

Adorar é reconhecer que Deus é o Criador, o Senhor de tudo. É a primeira obrigação do homem diante dEle.

Como sinal dessa adoração ajoelhamos com os dois joelhos ou genuflectimos com o joelho direito. Devemos fazê-lo ao entrar na igreja e nalguns momentos da missa. São gestos simbólicos que servem para dizer ao Senhor que Ele é muito grande, mesmo quando escondido na Eucaristia e que nós somos muito pequenos diante dele. Devemos pôr nesse gesto toda a nossa alma. Como aquela miúda que fazia muito bem a genuflexão. O pároco perguntou-lhe: quando genuflectes que dizes a Jesus?

-Digo-Lhe baixinho: -ó Jesus eu gosto muito de Ti.

Que pena que muitos cristãos entrem na igreja e não saibam ajoelhar com reverência e humildade. Nesses gestos podemos ver a fé ou a falta de fé das pessoas que ali vão.

As nossas mães, quando éramos pequenos, ensinavam-nos essas coisas. Hoje muitas não têm o cuidado de o fazer. E é pena.

Durante a missa devemos tomar as atitudes que a Igreja recomenda: de pé, de joelhos, ou sentados.

À consagração, se não estamos impedidos, é-nos dito que devemos ajoelhar em adoração a Jesus que Se torna presente no altar. Antes de comungar, se podemos, devemos genuflectir adorando a Jesus na hóstia consagrada. Assim imitamos os reis magos.

Regressaram por outro caminho

Os reis magos voltaram por outro caminho para a sua terra, avisados por Deus. É uma lição para nós. Depois de nos encontrarmos com Jesus a nossa vida tem de renovar-se. Temos de ver melhor o que Ele espera de nós.

Ao ouvir a Jesus, ao olhar para Ele que é o nosso modelo, descobrimos tantas coisas que é preciso pôr de acordo com Ele. O encontro com Jesus é sempre um convite à conversão, ao arrependimento, a uma vida de santidade. Ao sair de cada missa, depois de estarmos com o Senhor, temos de ir dispostos a mudar muitas coisas em nossa vida. Coisas grandes ou coisas pequenas que fazem parte do nosso caminhar cá na terra.

Um navio que vai pelo mar fora em busca dum porto longínquo necessita dum piloto que o guie com segurança acertando bem a direcção e afinando-a uma e outra vez. Doutro modo no fim da viagem pode estar a milhares de quilómetros de distância do porto pretendido.

Jesus espera de nós esta conversão contínua. É essa a melhor prenda que Lhe podemos dar em cada missa. É a oferta de nós próprios, a entrega do nosso coração, mais valiosa que todo o ouro do mundo.

Os magos encontraram Jesus nos braços de Nossa Senhora. É Ela sempre que nos apresenta Jesus e que nos ensina a amá-Lo cada dia mais, a nunca O perder pelo pecado, a lutar mais por sermos santos.

Segundo uma antiga tradição os magos vieram a ser cristãos mais tarde e são venerados como santos, encontrando-se os seus corpos na catedral de Colónia, na Alemanha.

Que a Virgem e S.José nos ensinem a amar a Jesus com mais alegria e generosidade e viver melhor a Eucaristia de cada domingo.

 

ORAÇÃO DOS FIÉIS

Caríssimos cristãos:
Oremos juntos ao Pai, que está nos céus, pedindo-Lhe que faça brilhar sobre os homens a sua luz de verdade e de vida, dizendo (ou: cantando), com alegria:

R. Iluminai, Senhor, a terra inteira.
Ou: Toda a terra Vos adore, Senhor Deus do Universo.
Ou: Ouvi, Senhor, a nossa oração.

 

1. Pela Igreja e por todos os seus filhos,
para que sejam luz que ilumina,
ao proclamarem as glórias do Senhor,
oremos.

 

2. Pelos bispos, presbíteros e diáconos,
e por todos os anunciadores da Boa Nova,
para que a tornem atraente em suas palavras,
oremos.

 

3. Pelos que não chegaram ainda à luz da fé,
para que, seguindo a estrela de Belém,
possam vir a adorar o Salvador,
oremos.

 

4. Por aqueles que, sem descanso e sem fadiga,
trabalham pela concórdia e pela paz,
para que a vejam despontar no horizonte,
oremos.

 

5. Por todos nós que aqui nos reunimos,
para que aprendamos a saborear intimamente
o mistério que nos foi dado a conhecer,
oremos.

 

Senhor, nosso Deus e nosso Pai, a quem os homens não procurariam se antes não Vos tivessem encontrado,
fazei que a nossa maneira de viver nos leve a contemplar a vossa glória.
Por Cristo Senhor nosso.

Check Also

9 de janeiro de 2022 – Liturgia da Festa do Batismo do Senhor – Ano C

LEITURA I Is 42, 1-4.6-7  Leitura do Livro de Isaías  Diz o Senhor: «Eis o …