18 de fevereiro de 2024 – 1º Domingo da Quaresma -Ano B

Todos os anos, no primeiro domingo da Quaresma, o trecho evangélico trata o tema das tentações de Jesus no deserto.

Notemos, antes de mais, que é o Espírito que, logo após ter pousado em Jesus, como uma pomba, o impele para O deserto.

Se «tentar» fosse equivalente a «incitar ao mal», então poderíamos dizer que o Espírito não lhe fez um grande favor; no Pai-nosso, de facto, nós pedimos a Deus que «não nos deixe cair em tentação». E, no entanto, vemos com frequência que, na Bíblia, Deus põe à prova as pessoas que escolhe, não os malvados.

Há tentações que não são absolutamente instigações ao mal: são as situações que também o homem justo deve enfrentar, os momentos nos quais deve fazer escolhas e que constituem ocasiões favoráveis para tornar mais sólida a própria fé.

Quem quer crescer, melhorar, purificar-se, reforça a sua adesão a Deus não pode ser poupado a estas provas. Nem mesmo Jesus o foi, e isto aproxima-o de nós, coloca-o ao nosso lado, porque também Ele «foi provado em tudo como nós, excepto no pecado».

O evangelista coloca a prova de Jesus no deserto. Porquê? O que representa este lugar?

Não há dúvida que Jesus, assim como o Baptista e muitos outros ascetas do seu tempo, deve ter passado um período da sua vida em solidão, meditando e rezando nalguma gruta da região árida e desolada que se estende ao redor do mar Morto. Então perguntamo-nos: terá pretendido Marcos abreviar o tempo em que Jesus foi tentado, reduzindo-o à duração desta breve experiência? Não pode ser: isso não só iria contradizer a afirmação que acabámos de citar da Carta aos Hebreus, como tornaria Jesus uma pessoa estranha, alguém que foi poupado às nossas dificuldades, que gozou de privilégios e que foi apenas aflorado – ou talvez nem sequer isso – pelas angústias e as dúvidas que nos acompanham durante toda a vida. Um Jesus assim deixaria de ter interesse para nós.

O número quarenta esclarece, inequivocamente, a intenção do evangelista: na simbologia bíblica indica toda uma geração, com particular referência à geração que atravessou o deserto, que aí foi tentada e que por lá morreu. Deste modo, é toda a vida de Jesus que é representada nestes quarenta dias passados no deserto: durante toda a sua vida, Ele esteve submetido à prova. Entrou no deserto logo após o batismo de João: iniciou o seu êxodo, empreendeu a sua luta contra Santanás, uma luta que durou até ao momento que, vitorioso, saiu do deserto, no momento da sua morte.

E quem é Satanás, esta personagem que aparece a seu lado? O termo hebraico satan não é um nome próprio de pessoa, mas um nome comum: indica aquele que se põe contra, que se coloca defronte, como adversário e acusador. Era imaginado, no tempo de Jesus, como um espírito mau, inimigo do bem do ser humano, destrutor da obra de Deus. No nosso texto é a personificação de todas as forças do mal contra as quais Jesus

lutou, durante os «quarenta dias» da sua breve vida na terra.

Este antagonista de Deus e do ser humano apresenta-se hoje nos impulsos ao ódio, ao rancor, ao egoísmo, na cobiça do ter, na avidez do domínio, nas paixões desregradas que produzem coeeupção e morte. São estes os Satanás contra os quais cada ser humano, como Jesus, é chamado a confrontar-se, não com práticas de exorcismo, mas com a força do Espírito que age na palavra do Evangelho e nos sacramentos. É através desta luta interior que nos é dada a possibilidade de maturar e crescer «até que cheguemos todos ao homem adulto, à medida completa da plenitude de Cristo».

Check Also

Nota Pastoral na comemoração dos cinquenta anos do “25 de Abril”

1. Na comemoração do cinquentenário da Revolução de 25 de Abril de 1974 cabe aos …

Sahifa Theme License is not validated, Go to the theme options page to validate the license, You need a single license for each domain name.