Home | Liturgia Dominical | 13 de maio de 2018 – Solenidade da Ascensão do Senhor – Ano B

13 de maio de 2018 – Solenidade da Ascensão do Senhor – Ano B

LEITURA 1- Act 1,1-11

No meu primeiro livro, ó Teófilo, narrei todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar, desde princípio até ao dia em que foi elevado ao Céu, depois de ter dado, pelo Espírito Santo, as suas instruções aos Apóstolos que escolhera. Foi também a eles que, depois da sua paixão, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando lhes do reino de Deus. Um dia em que estava com eles à mesa, mandou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, «da Qual- disse Ele – Me ouvistes falar. Na verdade, João baptizou com água; vós, porém, sereis baptizados no Espírito Santo, dentro de poucos dias». Aqueles que se tinham reunido começaram a perguntar: «Senhor, é agora que vais restaurar o reino de Israel?» Ele respondeu-lhes: «Não vos compete saber os tempos ou os momentos que o Pai determinou com a sua autoridade; mas recebereis a força do Espírito Santo, que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém e em toda a Judeia e na Samaria e até aos confins da terra». Dito isto, elevou-Se à vista deles e uma nuvem escondeu-O a seus olhos. E estando de olhar fito no Céu, enquanto Jesus se afastava, apresentaram-se-Ihes dois homens vestidos de branco, que disseram: «Homens da Galileia, porque estais a olhar para o Céu? Esse Jesus, que do meio de vós foi elevado para o Céu, virá do mesmo modo que O vistes ir para o Céu».

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 46 (47)

Refrão 1: Por entre aclamações e ao som da trombeta, ergue-Se Deus, o Senhor.

Refrão 2: Ergue-se, Deus, o Senhor, em júbilo e ao som da trombeta.

Povos todos, batei palmas,
aclamai a Deus com brados de alegria,
porque o Senhor, o Altíssimo, é terrível,
o Rei soberano de toda a terra.

Deus subiu entre aclamações,
o Senhor subiu ao som da trombeta.
Cantai hinos a Deus, cantai,
cantai hinos ao nosso Rei, cantai.

Deus é Rei do universo:
cantai os hinos mais belos.
Deus reina sobre os povos,
Deus está sentado no seu trono sagrado.

 

LEITURA II – Ef 1,17-23

Irmãos: O Deus de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda um espírito de sabedoria e de luz
para O conhecerdes plenamente e ilumine os olhos do vosso coração, para compreenderdes a esperança a que fostes chamados, os tesouros de glória da sua herança entre os santos e a incomensurável grandeza do seu poder
para nós os crentes. Assim o mostra a eficácia da poderosa força que exerceu em Cristo, que Ele ressuscitou dos mortos e colocou à sua direita nos Céus, acima de todo o Principado, Poder, Virtude e Soberania, acima de todo o nome que é pronunciado, não só neste mundo, mas também no mundo que há-de vir. Tudo submeteu aos seus pés e pô-l’O acima de todas as coisas como Cabeça de toda a Igreja, que é o seu Corpo, a plenitude d’Aquele que preenche tudo em todos.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO – Mc 16,15-20

Naquele tempo, Jesus apareceu aos Doze e disse-lhes: «Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda a criatura. Quem acreditar e for baptizado será salvo; mas quem não acreditar será condenado. Eis os milagres que acompanharão os que acreditarem: expulsarão os demónios em meu nome; falarão novas línguas; se pegarem em serpentes ou beberem veneno, não sofrerão nenhum mal; e quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados» E assim o Senhor Jesus, depois de ter falado com eles, foi elevado ao Céu e sentou-Se à direita de Deus. Eles partiram a pregar por toda a parte e o Senhor cooperava com eles, confirmando a sua palavra com os milagres que a acompanhavam.

 

REFLEXÃO

Após a Ascensão de Jesus, os Apóstolos reunidos em oração no Cenáculo, com Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe, preparam-se para a recepção do Divino Espírito Santo. Entretanto Pedro, assumindo o cargo de Chefe visível da Igreja que lhe tinha sido confiada por Jesus, promove a ocupação do lugar deixado vago por Judas.

1. O Senhor é clemente e cheio de compaixão.

É esta verdade lembrada pelo refrão do Salmo intercalar da Missa de hoje. Esta afirmação deverá fomentar em cada um de nós a esperança da nossa salvação eterna. Por maiores que tenham sido os nossos pecados há que ter presente que a misericórdia do Senhor é infinitamente maior. Importa que acreditemos nesta verdade de fé, que o Senhor Jesus, ao longo de toda a Sua vida, demonstrou ser e possuir.
Para podermos usufruir desta clemência e compaixão é necessária a nossa colaboração: aceitar e assumir a realidade do pecado nas nossas vidas, como afirmámos ao recitar a confissão. Pecamos por pensamentos, palavras, obras e omissões. Nesta condição de pecadores cumpre-nos recorrer com arrependimento e confiança ao Amor do Pai, onde sempre encontraremos remédio para todos os males.

2. Os Apóstolos, testemunhas da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus.

Para que estas verdades não sejam em vão para nós, é necessário acreditar no Amor manifestado aos homens por Nosso Senhor Jesus Cristo. Depois do anúncio deste Amor eterno e infinito do Pai, por nosso amor e cumprindo a mesma vontade do Pai, voluntariamente, se submete às maiores humilhações e sofrimentos, morrendo crucificado por todos e por cada um de nós. Como é importante acreditar na Sua Morte e Ressurreição! Foi com a Sua Ressurreição que nos deu o maior sinal de Sua divindade.
Os Apóstolos, cumprindo o que estava profeticamente anunciado no Livro dos Salmos escolheram um novo Apóstolo para substituir Judas Escariotes, que tinha vendido Jesus. Para concretizar esta pretensão, quiseram que fosse escolhido alguém que, como eles, tivesse sido testemunha da paixão, morte e Ressurreição do Senhor. Depois de orarem, a sorte caiu em Matias, como ouvimos na primeira Leitura da Missa de hoje.
A fé que nos salva é que chegou até nós através de testemunhas oculares de Jesus Ressuscitado. E todos os Apóstolos, mais uma vez, testemunharam o que anunciaram, o que viram e apalparam, com o martírio de suas vidas. Bendito seja Deus por nos ter deixado tão belos e convincentes testemunhos, que verdadeiramente cimentam a nossa fé.

3. Importância do nosso testemunho.

Estas verdades salvadoras chegaram até nós com o testemunho das vidas de tantos irmãos nossos que ao longo dos séculos também morreram mártires e nos transmitiram os ensinamentos salvadores, que o mesmo Jesus nos deixou e que se resumem em amarmos a Deus sobre todas as coisas e uns aos outros como Ele nos amou. Foi por este testemunho recebido e que temos obrigação de transmitir que o Senhor orou antes de nos deixar de forma visível, como nos recorda o Evangelho de hoje” Pai Santo, guarda-os em Teu nome… consagra-os na verdade”. “ Que todos sejam um, como Nós somos Um”. Eis a grande missão que Jesus nos confiou. O mundo só O conhecerá através do nosso testemunho de verdadeiro amor que se manifestará em servir os outros. Para que este plano de amor se possa realizar Ele mesmo pediu ao Pai que não nos tirasse do mundo, mas que nos livrasse do mal.
Cumpramos com generosidade este programa de vida que o Senhor nos confiou. Quantos se poderão salvar ou condenar conforme, tivermos cumprido ou não, este mandamento do Senhor. Só assim, cada um poderá descobrir, como o Senhor é clemente e cheio de compaixão e chegar, depois desta sempre breve vida terrena, à Pátria eterna do céu, que é o Reino do Amor.

ORAÇÃO UNIVERSAL OU DOS FIÉIS

Caríssimos fiéis: Oremos a Jesus nosso Senhor, que subiu ao Céu sem deixar de estar connosco, para que os cristãos façam o que Ele diz, pedindo (ou: cantando), com alegria:

R. Cristo, elevado ao Céu, ouvi-nos.
Ou: Cristo, ouvi-nos. Cristo, atendei-nos.
Ou: Mediador dos homens, escutai-nos.

1. Pelos mensageiros do Evangelho,
para que o levem, com alegria, a toda a parte
e dêem sempre bom testemunho de Cristo,
oremos, irmãos.

2. Pelos fiéis perseguidos e prisioneiros,
para que os dons do Espírito Santo os fortaleçam
e os tornem firmes na confissão da sua fé,
oremos, irmãos.

3. Pelos que buscam a Deus olhando o Céu,
para que O reconheçam também sobre a terra
nos mais pobres, nos que choram ou estão sós,
oremos, irmãos.

4. Pelos jovens e por aqueles que os acompanham,
para que todos cresçam cada vez mais
no conhecimento e no amor ao Evangelho,
oremos, irmãos.

5. Pelos fiéis desta assembleia dominical,
para que Deus Pai Se lhes revele aqui na terra
e os leve um dia a contemplar Cristo na glória,
oremos, irmãos.

(Outras intenções: meios de comunicação social; jornalistas …).

Ouvi, Senhor, as nossas súplicas e fazei que os nossos corações se voltem para Aquele que, neste dia,
subiu ao Céu e entrou na sua glória, de onde constantemente nos atrai. Ele que vive e reina por todos os séculos dos séculos.

Check Also

2 de setembro de 2018 – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B

LEITURA I – Dt 4,1-2.6-8 Leitura do Livro do Deuteronómio Moisés falou ao povo, dizendo: …