12 de dezembro de 2021 – Liturgia do 3º Domingo do Advento – Ano C

LEITURA I Sof 3, 14-18a 

Leitura da Profecia de Sofonias 

Clama jubilosamente, filha de Sião; solta brados de alegria, Israel. Exulta, rejubila de todo o coração, filha de Jerusalém. O Senhor revogou a sentença que te condenava, afastou os teus inimigos. O Senhor, Rei de Israel, está no meio de ti e já não temerás nenhum mal. Naquele dia, dir-se-á a Jerusalém: «Não temas, Sião, não desfaleçam as tuas mãos. O Senhor teu Deus está no meio de ti, como poderoso salvador. Por causa de ti, Ele enche-Se de júbilo, renova-te com o seu amor, exulta de alegria por tua causa, como nos dias de festa».

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Is 12, 2-3.4bcd.5-6 (R. 6) 

Refrão: Exultai de alegria,
porque é grande no meio de vós

o Santo de Israel. Repete-se
Ou: Povo do Senhor, exulta e canta de alegria. Repete-se

 

Deus é o meu Salvador,
tenho confiança e nada temo.
O Senhor é a minha força e o meu louvor.
Ele é a minha salvação. Refrão

Tirareis água com alegria das fontes da salvação.
Agradecei ao Senhor, invocai o seu nome;
anunciai aos povos a grandeza das suas obras,
proclamai a todos que o seu nome é santo. Refrão

Cantai ao Senhor, porque Ele fez maravilhas,
anunciai-as em toda a terra.
Entoai cânticos de alegria, habitantes de Sião,
porque é grande no meio de vós o Santo de Israel. Refrão

 

LEITURA II Filip 4, 4-7 

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Filipenses 

Irmãos: Alegrai-vos sempre no Senhor. Novamente vos digo: alegrai-vos. Seja de todos conhecida a vossa bondade. O Senhor está próximo. Não vos inquieteis com coisa alguma; mas em todas as circunstâncias, apresentai os vossos pedidos diante de Deus, com orações, súplicas e acções de graças. E a paz de Deus, que está acima de toda a inteligência, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Lc 3, 10-18 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas 

Naquele tempo, as multidões perguntavam a João Baptista: «Que devemos fazer?». Ele respondia-lhes: «Quem tiver duas túnicas reparta com quem não tem nenhuma; e quem tiver mantimentos faça o mesmo». Vieram também alguns publicanos para serem baptizados e disseram: «Mestre, que devemos fazer?». João respondeu-lhes: «Não exijais nada além do que vos foi prescrito». Perguntavam-lhe também os soldados: «E nós, que devemos fazer?». Ele respondeu-lhes: «Não pratiqueis violência com ninguém nem denuncieis injustamente; e contentai-vos com o vosso soldo». Como o povo estava na expectativa e todos pensavam em seus corações se João não seria o Messias, ele tomou a palavra e disse a todos: «Eu baptizo-vos com água, mas está a chegar quem é mais forte do que eu, e eu não sou digno de desatar as correias das suas sandálias. Ele baptizar-vos-á com o Espírito Santo e com o fogo. Tem na mão a pá para limpar a sua eira e recolherá o trigo no seu celeiro; a palha, porém, queimá-la-á num fogo que não se apaga». Assim, com estas e muitas outras exortações, João anun¬ciava ao povo a Boa Nova».

Palavra da salvação.

 

Reflexão

Alegrai-vos, sempre, no Senhor! Repito: alegrai-vos; o Senhor está a chegar”. Com estas palavras, tiradas da Carta de S. Paulo aos Filipenses, a Santa Igreja, no cântico de entrada deste terceiro Domingo do Advento, faz-nos um veemente apelo à alegria, virtude unida intimamente à Esperança. O Senhor está a chegar e, com Ele, nos vêm todos os bens. Por isso se chama este Domingo, na tradição litúrgica, o Domingo da Alegria.

1.Exultemos de alegria!

“Exultai de alegria, porque é grande no meio de vós, o Santo de Israel”. Foi o refrão, que há momentos rezámos (cantámos).

Exultai de alegria é o convite que hoje, de uma maneira especial nos é dirigido. Por isso, este terceiro Domingo do Advento é chamado o Domingo da alegria. A própria cor dos paramentos litúrgicos procuram despertar em nós essa mesma alegria.

Para o Povo de Israel, a quem estas palavras primeiramente foram dirigidas, é apresentado também o motivo dessa tão desejada alegria: o Senhor está no meio de vós, Ele revogou a sentença que vos condenava.

2.Importância da pregação de S. João Batista.

Deve ser motivo de alegria saber que o Senhor está próximo! Para tal nos chama particularmente a atenção, S. Paulo na segunda Leitura da Missa de hoje. Ele é que é a causa e fonte da verdadeira alegria. Não são as riquezas, o poder, a fama que poderão dar-nos a alegria que o nosso coração aspira e deseja. É sim a presença do Senhor, que é sempre amorosa e por sua vez Senhor de tudo quanto existe.

Para sentirmos esta tão necessária aproximação do Senhor e consequentemente vivermos alegres, o que é próprio de um cristão, é necessário retirar de nós mesmos tudo aquilo que d’Ele nos afasta. Eis a grande tarefa deste tempo litúrgico. Para que tal aconteça, temos que escutar, mais uma vez, o grande pregador do Advento, que é S. João Batista. Ele nos apresenta os meios concretos de aproximação ao Senhor: “o que tem duas túnicas, dê uma a quem não tem …”, partilhe com os mais pobres o que se possui de supérfluo. Sobretudo nesta quadra natalícia, em que somos brindados com a melhor prenda que Deus Pai tinha para nos dar, na Pessoa de Seu divino Filho, procuremos socorrer também os nossos irmãos mais necessitados com tudo aquilo a que possamos recorrer para o fazer. Estes gestos de doação, são geradores de verdadeiras alegrias interiores.

3. O berço desejado por Jesus.

Não cometamos injustiças, nos continua a recomendar João Batista. E o certo é que cometemos injustiças, quando não vivemos totalmente para Deus, nosso único e verdadeiro Senhor, dono de tudo quanto somos ou temos em nossa posse. João Batista a todos aponta caminhos de conversão: os soldados que não abusem do poder, todos sigam os verdadeiros caminhos do amor. Só estes caminhos nos levarão a sentir os verdadeiros sentimentos do Natal: Deus, feito Menino por nosso Amor está no nosso meio, está connosco! O berço que mais Lhe agrada e que está ao alcance de todos, é um berço de um coração cheio de AMOR. Que Ele se sinta bem quentinho no amor do nosso coração, sobretudo no dia de Natal que se aproxima. Vamos recebê-LO com um amor semelhante, já que não pode ser igual, ao que LHE ofereceu Sua Mãe, Maria Santíssima. Com Ele, e só com Ele poderemos experimentar a alegria de viver e assegurar a nossa felicidade eterna do Céu.

 

ORAÇÃO DOS FIÉIS

Irmãs e irmãos:
Fiéis à recomendação de São Paulo de não nos inquietarmos com coisa alguma, mas de erguermos para Deus as nossas mãos, peçamos (ou: cantemos), confiadamente:

 

R. Vinde, Senhor, e salvai-nos.
Ou: Ouvi-nos, Senhor.
Ou: Vinde, Senhor Jesus.

 

1. Para que no rosto da Igreja e dos seus filhos
transpareça a alegria do Evangelho que os anima
e a bondade do Espírito que os conduz,
oremos.

2. Para que os homens do poder e da riqueza
não pratiquem violências com ninguém,
mas sejam justos e repartam com os pobres,
oremos.

3. Para que os que vão festejar este Natal
se disponham a uma verdadeira conversão
e se abram à paz que vem de Cristo,
oremos.

4. Para que todos os que sofrem e desanimam
encontrem corações que os acolham
e mãos amigas que se lhes estendam,
oremos.

5. Para que todos nós aqui presentes,
baptizados no Espírito Santo e no fogo,
sejamos trigo que Deus recolhe no seu celeiro,
oremos.

Deus fiel e salvador,
que encheis o nosso coração de santa alegria, ouvi as preces destes vossos servos e ensinai-os a matar a sede nas fontes da vossa salvação.
Por Cristo Senhor nosso.

 

Check Also

24 de julho de 2022 – Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum – Ano C

LEITURA I Gen 18, 20-32 Leitura do Livro do Génesis Naqueles dias, disse o Senhor: …