Home | Liturgia Dominical | 8 de dezembro de 2019 – Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria

8 de dezembro de 2019 – Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria

LEITURA I Gen 3, 9-15.20

Leitura do Livro do Génesis
Depois de Adão ter comido da árvore, o Senhor Deus chamou-o e disse-lhe: «Onde estás?». Ele respondeu: «Ouvi o rumor dos vossos passos no jardim e, como estava nu, tive medo e escondi-me». Disse Deus:
«Quem te deu a conhecer que estavas nu? Terias tu comido dessa árvore, da qual te proibira comer?». Adão respondeu: «A mulher que me destes por companheira deu-me do fruto da árvore e eu comi». O Senhor Deus perguntou à mulher: «Que fizeste?» E a mulher respondeu: «A serpente enganou-me e eu comi». Disse então o Senhor Deus à serpente: «Por teres feito semelhante coisa, maldita sejas entre todos os animais domésticos
e entre todos os animais selvagens. Hás-de rastejar e comer do pó da terra todos os dias da tua vida. Estabelecerei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a descendência dela. Esta te esmagará a cabeça e tu a atingirás no calcanhar». O homem deu à mulher o nome de ‘Eva’, porque ela foi a mãe de todos os viventes.

Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 97 (98), 1.2-3ab.3cd-4 (R. 1a)

Refrão: Cantai ao Senhor um cântico novo:
o Senhor fez maravilhas.

Cantai ao Senhor um cântico novo,
pelas maravilhas que Ele operou.
A sua mão e o seu santo braço
Lhe deram a vitória.

O Senhor deu a conhecer a salvação,
revelou aos olhos das nações a sua justiça.
Recordou-Se da sua bondade e fidelidade
em favor da casa de Israel.

Os confins da terra puderam ver
a salvação do nosso Deus.
Aclamai o Senhor, terra inteira,
exultai de alegria e cantai.

 

LEITURA II Ef 1, 3-6.11-12

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios
Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto dos Céus nos abençoou com toda a espécie de bênçãos espirituais em Cristo. N’Ele nos escolheu, antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, em caridade, na sua presença. Ele nos predestinou, conforme a benevolência da sua vontade, a fim de sermos seus filhos adoptivos, por Jesus Cristo, para louvor da sua glória e da graça que derramou sobre nós, por seu amado Filho. Em Cristo fomos constituídos herdeiros, por termos sido predestinados, segundo os desígnios d’Aquele que tudo realiza conforme a decisão da sua vontade, para sermos um hino de louvor da sua glória, nós que desde o começo esperámos em Cristo.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Lc 1, 26-38

+ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, o Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma Virgem desposada com um homem chamado José, que era descendente de David. O nome da Virgem era Maria. Tendo entrado onde ela estava, disse o Anjo: «Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo». Ela ficou perturbada com estas palavras e pensava que saudação seria aquela. Disse-lhe o Anjo: «Não temas, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Conceberás e darás à luz um Filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-Se-á Filho do Altíssimo. O Senhor Deus Lhe dará o trono de seu pai David; reinará eternamente sobre a casa de Jacob e o seu reinado não terá fim». Maria disse ao Anjo: «Como será isto, se eu não conheço homem?». O Anjo respondeu-lhe: «O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso o Santo que vai nascer será chamado Filho de Deus. E a tua parenta Isabel concebeu também um filho na sua velhice e este é o sexto mês daquela a quem chamavam estéril; porque a Deus nada é impossível». Maria disse então: «Eis a escrava do Senhor;
faça-se em mim segundo a tua palavra».

Palavra da salvação.

 

Reflexão:

A Igreja universal celebra hoje com a maior alegria e júbilo a Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria.
Esta celebração integra-se perfeitamente no espírito do Advento, porque Maria é o sinal da proximidade de Deus e a Imaculada Conceição anuncia-nos que a salvação está próxima.
A Liturgia da Palavra ajuda-nos a compreender ainda melhor o sentido da nossa vida na terra.
Por isso, o nosso olhar comovido se volta para Maria Imaculada, cantando, cheios de gratidão, os seus louvores.

1. Maria, sinal da benevolência divina

a) Maria, nossa Esperança. «Depois de Adão ter comido da árvore, o Senhor Deus chamou-o e disse-lhe: “Onde estás?” Ele respondeu: “Ouvi o rumor dos vossos passos no jardim e, como estava nu, tive medo e escondi-me”.» A serpente seduziu Eva e esta arrastou Adão na sua desgraça e ruína do pecado original. De repente, Adão e Eva viram-se reduzidos à mais extrema indigência. Afinal o que Satanás queria não era fazê-los como deuses, mas reduzi-los à miséria e à infelicidade.
• Tive medo. Destruiu a filiação divina e a consequente intimidade com Deus. Adão e Eva escondem-se, porque têm medo de se encontrarem com Deus.
Adão e Eva têm medo de Deus. Não é normal que um filho tenha medo do pai e se esconda, a tremer de medo, quando ele chega a casa. O mais normal é que se lance a correr ao seu encontro e se abrace a ele, cobrindo-o de beijos.
• Estava nu. Roubou-lhe o tesouro da graça e da filiação divina. Adão confessa, triste que está nu. A nudez é sobretudo a extrema indigência a que o demónio conseguiu reduzi-los, levando-os ao pecado.
Os nossos pecados pessoais fazem-nos perder o gosto de estar com Deus — de orar — de tratar de coisas espirituais.
O pecado original dos nossos primeiros pais não é uma lenda, mas um tremendo acontecimento cujas consequências ainda se fazem sentir hoje.
O pecado grave pessoal é como um naufrágio em que perdemos tudo o que levávamos connosco, ou como um incêndio que nos permite retirar de dentro de casa os nossos haveres.
Este tudo quer dizer a graça santificante — veste indispensável para entrarmos no Céu — a comunhão de Amor com Deus, a paz e a alegria interior, a paz da consciência e o sentido da vida.
Deus vem ao encontro dos dois, não para os castigar e humilhar, mas para os ajudar a compreender o mal que tinham feito e anunciar-lhes a misericórdia.
O primeiro sinal da benevolência do Senhor é a promessa de confiar a luta contra Satanás e seus sequazes a uma Mulher que seguirá à frente dos filhos de Deus.

b) Maria, terror do Inimigo. «Estabelecerei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a descendência dela. Esta te esmagará a cabeça e tu a atingirás no calcanhar.»
Deus vem ao encontro de Adão e Eva trazendo consigo um plano de resgate, de salvação.
Segundo os Seus desígnios eternos, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade — o Verbo — assumirá a nossa natureza humana com todas as suas fragilidades, excepto no pecado.
Como Deus, as Suas obras têm merecimento infinito, podendo, com efeito, pagar a dívida infinita contraída pelo pecado dos nossos primeiros pais e pelos pecados de cada um de nós, até ao fim do mundo. Como Homem, poderá apresentar-se diante do Pai em nome de cada um de nós.
Mas, para assumir verdadeiramente a natureza humana — um corpo mortal — seguindo as leis da natureza, precisará do seio de uma mulher.
Foi assim que Deus “sonhou” com Maria desde toda a eternidade. Adornou-A com todas as qualidades, dons e graças.
Ela foi imune da culpa original, pelos méritos do seu futuro Filho. Como poderia Deus suportar que o demónio Lhe pudesse dizer: “A Tua Mãe, antes de ser Tua, foi minha escrava, pois contraiu a culpa de Adão!?”
Deus projectou ainda outra maravilha: o demónio seria vencido por uma Mulher, tal como conseguira entrar no mundo por Eva. Foi ela que lhe abriu a porta para entrar também no coração de Adão.
• Maria comanda os exércitos de Deus. Maria aparece, pois, revelada, como a Mensageira da vitória de Deus, como sinal de esperança para todos nós.
A partir de agora já não será o arco íris a lembrar a Aliança de Deus com a criação, mas Maria, verdadeira bênção de Deus para todos nós.
Esta mulher profetizada no Génesis não pode ser Eva. No momento em que deus profere esta sentença, Eva é amiga de Satanás, pois fez-lhe a vontade e colaborou na sua maldade seduzindo Adão.
A descendência da Mulher — de Maria — é Jesus e todos os que estão unidos a Ele pelo Baptismo; a descendência de Satanás são a terceira parte dos Anjos do Céu que o seguiram na sua rebelião contra Deus e foram precipitados no abismo; e todas as pessoas que se lhe entregam pelo pecado em breve começam também a trabalhar para ele, quer pelos maus exemplos, quer mesmo pelas atitudes de arrastar outros ao pecado.
• Maria triunfará. Esmagará a cabeça da serpente maldita. Na linguagem bíblica, esta figura significa a vitória perfeita contra o Inimigo.
Se quisermos avançar na vida unidos a Ela, também venceremos o Maligno que nos quer tornar infelizes para sempre, como ele.
Ela entrega-nos uma arma para combater: o Terço. Deus realiza maravilhas com coisas simples: com água lava as almas do pecado e infunde-lhes a vida divina; transubstancia um pouco de pão de trigo no Seu Corpo e Sangue.
O demónio tenta convencer as pessoas que o Terço é uma arma sem valor, que rezá-lo é uma rotina sem sentido, etc.
Mas ele tem sido a arma com que Maria venceu o Inimigo nas grandes batalhas da história.
• Seremos tentados. É o que significam as ciladas armadas ao calcanhar da mãe, ou seja os atentados contra os seus filhos que somos nós.

c) Conduz-nos à felicidade. «N’Ele nos escolheu, antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, em caridade, na sua presença. Ele nos predestinou, conforme a benevolência da sua vontade, a fim de sermos seus filhos adoptivos, […] por termos sido predestinados […], para sermos um hino de louvor da sua glória».
Saímos do Coração do nosso Deus pela força do Seu Amor, e para Ele devemos voltar no fim da vida, se aceitarmos o Seu convite. Ele quer-nos sentados à mesa da Sua felicidade para sempre.
• Eleitos de Deus. Não estamos nesta vida por um acaso. Deus quis que existíssemos, felizes com Ele para sempre, e chamou-nos à vida, para nos oferecer esta possibilidade.
• Para a santidade pessoal. Esta fidelidade À vontade de deus na nossa vida chama-se santidade pessoal.
• Para a felicidade eterna. Deus criou-nos para sermos felizes na terra e no Céu. Mas não podemos confundir felicidade verdadeira com prazer dos sentidos ou afirmação pessoal orgulhosa.
• Maria guia-nos para o Céu. Maria é de todas as criaturas a única que realizou perfeitamente o projecto de Deus. Viveu em consonância perfeita com a Sua vontade, sem o menor desvio, todos os momentos da sua vida.
Mas, como é Mãe, defende-nos dos ataques venenosos da serpente infernal e quer que A acompanhemos no caminho do Céu.
Como em Caná, aos serventes de mesa das bodas matrimoniais, recomenda a cada um de nós: «Fazei tudo o que Ele vos disser.»
Maria é revelada no texto do Génesis como a mensageira do Senhor, a que zela pelos Seus interesses, pois comanda as hostes de Deus em luta contra o Altíssimo.
Defende-nos cuidadosamente das ciladas do Inimigo, se quisermos seguir as suas recomendações.
Para tudo isto foi concebida Imaculada, desde o primeiro momento da sua existência.

2. Virgem fiel e Imaculada

a) A Eleita do Senhor. «disse o Anjo: “Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo!. […] Disse-lhe o Anjo: “Não temas, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Conceberás e darás à luz um Filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-Se-á Filho do Altíssimo.”»
A Sabedoria infinita de Deus escolhe o momento da Anunciação do Arcanjo a Maria para nos revelar ou revelar diversos mistérios da nossa fé:
Santíssima Trindade. O Filho de Maria será Deus, Filho unigénito do Pai e será concebido pela força do Espírito Santo;
A maternidade divina de Maria. Ela será verdadeira Mãe de Jesus: “eis que conceberás e darás à luz”.
A sua Imaculada Conceição. Deus estabelecerá inimizades (perpétuas, irreconciliáveis) entre a Mulher e a serpente).
A virgindade perpétua de Maria. O Arcanjo explica-lhe que, ao contrário do que acontece com qualquer mulher, para ser mãe, Ela não precisará de sacrificar a virgindade, pondo de parte o anterior compromisso com o Senhor, Ao nascer, Jesus respeitou e guardou a integridade da Sua Mãe que quisera preservar na Conceição: E se Maria tinha o compromisso de virgindade com o Senhor, por que havia de sacrificá-lo na constância do matrimónio?
O Arcanjo saúda Maria como a Escolhida de Deus para esta missão única da história da Salvação, a Eleita do Senhor. «Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo».
O Arcanjo saúda Maria, mudando-lhe o nome. É a “Cheia de Graça”.
Na história da Salvação, Deus muda o nome das pessoas a quem chama a uma missão importante: Abrão converte-se em Abraão, quando se torna o “Pai dos crentes”, do Povo de Deus. Isaca passa a ser Isaac; Jacob vê o seu nome mudado para Israel.
Já no Novo testamento, Jesus muda o nome de Simão para Pedro, rocha, quando o chama para chefe da Igreja que vem fundar.
Maria é aclamada “cheia de graça” porque nunca desperdiçou um momento de graça, desde a sua Conceição.
Até ao fim dos tempos, conduzirá a luta do Povo de Deus contra o Inimigo.

b) Mestra da fidelidade. «Maria disse ao Anjo: “Como será isto, se eu não conheço homem?”.»
A pergunta de Maria não encerra uma recusa, caso não se cumpram as condições que apresenta, mas apenas conhecer qual é a vontade do Senhor a Seu respeito. Ela está ali para fazer a Sua vontade.
Na Sua vida pública, Jesus há-de elogiá-la neste comportamento: «Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática.»
Maria ouve com toda a atenção a proposta do Céu; pergunta delicadamente o que não compreende, não para discutir com Deus, mas para fazer precisamente o que Deus quer.
Muitas vezes, ao fazermos oração de petição, não damos oportunidade ao Senhor de escolher outra coisa. Se não nos concede o que Lhe pedimos, entramos em crise de fé, duvidando do Seu Amor.
Maria não recorre à oração para fazer a sua vontade, mas para saber o que Deus quer. Mesmo em Canaã da Galileia, quando a análise superficial das palavras de Jesus parecem indicar que a graça não deve ser concedida, Ele retira-se com a certeza de ter obtido o que pediu e dá imediatamente aos serventes uma indicação oportuna e concreta, não vá a sua ignorância estragar tudo, negando-se a fazer o que Jesus lhes manda, por o julgarem inoportuno e desacertado: «Fazei tudo o que Ele vos disser.»:
Ela quer apenas seguir um dos dois caminhos que lhe parecem irreconciliáveis: permanecer virgem ou ser Mãe.
Imaginamos o Arcanjo a responder-lhe com um sorriso: “As duas coisas”. Maria será única Virgem e Mãe de toda a história da humanidade, por especial privilégio do Altíssimo.
Nisto consiste a fidelidade: procurar conhecer o que Deus quer a nosso respeito e segui-lo com generosidade, sem fugas cobardes nem descontos mesquinhos.

c) Mãe de Deus. «O Anjo respondeu-lhe: “O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso o Santo que vai nascer será chamado Filho de Deus.” […] Maria disse então: “Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra”.»
Jesus Cristo não é um corpo estranho que passa por dentro de Maria, totalmente alheio à sua vida.
A expressão «conceberás e darás à luz» indica as duas funções principais da mãe biológica.
• Maria Mãe de Jesus. Quando isto acontece, o filho concebido vive na mais perfeita união com a mãe durante os nove meses de gestação. Alimenta-se com o seu sangue, respira o ar que ela respira, e os dois corações pulsam em uníssono.
Ao mesmo tempo, por dom de Deus, desenvolve-se entre a mãe e o filho das suas entranhas uma intimidade que vai perfurar para sempre.
Denunciam-no os traços fisionómicos, tanto mais que humanamente, Jesus não tem pai; a vigilância do coração que faz com que a mãe acompanhe o filho momento a momento, mesmo quando está afastado fisicamente, até ao ponto de pressentir qualquer perigo que o ameaça.
• Maria Mãe de Deus. Pelo mistério da Incarnação, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade une-se à natureza humana recebida de Maria, formando uma única Pessoa divina e humana: Jesus Cristo.
Maria Santíssima aparece-nos na Anunciação como Mãe da Pessoa que Se chama Jesus Cristo. É assim que o trata, depois de O encontrar no templo entre os Doutores da Lei: «Filho, porque procedeste assim para connosco?»
Jesus comporta-se como verdadeiro Filho, entregando-se confiadamente nos braços, em Belém, aceitando o alimento que lhe dá do seu seio, e acolhendo as indicações que lhe dá pra que aprenda as palavras, gestos e costumes de todas as pessoas.
Que maravilhosos não devem ter sido os colóquios de Maria com Jesus ainda Menino e adolescente, no lar de Nazaré.
• Maria nossa Mãe. Uma vez que é Mãe de Jesus — Cabeça do Corpo Místico do qual fazemos parte — é também nossa Mãe. Jesus proclama solenemente esta verdade do alto da Cruz, talvez para nos ensinar que esta maternidade universal da Imaculada Conceição é fruto do sacrifício da Cruz.
Rejubilemos, pois, nesta Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria, porque temos motivos de sobejo para o fazer.

Oração Universal ou dos Fiéis

Irmãs e irmãos caríssimos:
Bendigamos a Deus, que nos enviou a grande bênção prometida a nossos pais e, por intercessão da Virgem Imaculada, nossa Padroeira, peçamos (ou: cantemos), com alegria:

R. Interceda por nós a Virgem Imaculada.

Ou: Interceda por nós a Virgem cheia de graça.

1. Pela santa Igreja, presente em toda a terra,
para que não se deixe enganar pelo Demónio
e seja esposa de Cristo, santa e imaculada,
oremos, por intercessão de Maria.

2. Pelo Papa N., pelos bispos e presbíteros,
para que Deus, que os chamou e os escolheu,
lhes dê a graça de serem sempre bons pastores,
oremos, por intercessão de Maria.

3. Pelos fiéis cristãos do mundo inteiro,
para que reconheçam na Virgem Imaculada
o sinal prometido por Deus aos nossos primeiros pais,
oremos, por intercessão de Maria.

4. Pelos governantes e autoridades da nossa terra,
para que pensem sobretudo nos mais pobres
e sirvam o bem comum dos cidadãos,
oremos, por intercessão de Maria.

5. Pelas mulheres que estão prestes a ser mães,
para que saibam acolher e agradecer o dom da vida
que Deus entrega em suas mãos,
oremos, por intercessão de Maria.

6. Pelos que cederam à tentação do Inimigo
e por todos os que vivem em pecado,
para que se arrependam e recebam o perdão,
oremos, por intercessão de Maria.

(Outras intenções).

Senhor, nosso Deus e nosso Pai,
que convocastes e reunistes estes vossos filhos para celebrarem os louvores da Virgem Imaculada, fazei que, olhando para Ela, aprendam a imitá-l’A e a progredir na santidade.
Por Cristo Senhor nosso.

Check Also

10 de maio de 2020 – 5º Domingo da Páscoa – Ano A

LEITURA I Actos 6,1-7 Leitura dos Actos dos Apóstolos Naqueles dias, aumentando o número dos …