7 de agosto de 2022 – Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum – Ano C

LEITURA I Sab 18, 6-9

Leitura do Livro da Sabedoria

A noite em que foram mortos os primogénitos do Egipto foi dada previamente a conhecer aos nossos antepassados,
para que, sabendo com certeza a que juramentos tinham dado crédito, ficassem cheios de coragem. Ela foi esperada pelo vosso povo, como salvação dos justos e perdição dos ímpios, pois da mesma forma que castigastes os adversários, nos cobristes de glória, chamando-nos para Vós. Por isso os piedosos filhos dos justos ofereciam sacrifícios em segredo e de comum acordo estabeleceram esta lei divina: que os justos seriam solidários nos bens e nos perigos; e começaram a cantar os hinos de seus antepassados.

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Salmo 32 (33), 1.12.18-19.20.22 (R. 12b)

Refrão: Feliz o povo que o Senhor escolheu para sua herança.

Justos, aclamai o Senhor,
os corações rectos devem louvá-l’O.
Feliz a nação que tem o Senhor por seu Deus,
o povo que Ele escolheu para sua herança.

Os olhos do Senhor estão voltados para os que O temem,
para os que esperam na sua bondade,
para libertar da morte as suas almas
e os alimentar no tempo da fome.

A nossa alma espera o Senhor,
Ele é o nosso amparo e protector.
Venha sobre nós a vossa bondade,
porque em Vós esperamos, Senhor.

LEITURA II Forma longa Hebr 11, 1-2.8-19

Irmãos:

A fé é a garantia dos bens que se esperam e a certeza das realidades que não se vêem. Ela valeu aos antigos um bom testemunho. Pela fé, Abraão obedeceu ao chamamento e partiu para uma terra que viria a receber como herança; e partiu sem saber para onde ia. Pela fé, morou como estrangeiro na terra prometida, habitando em tendas, com Isaac e Jacob, herdeiros, como ele, da mesma promessa, porque esperava a cidade de sólidos fundamentos, cujo arquitecto e construtor é Deus. Pela fé, também Sara recebeu o poder de ser mãe já depois de passada a idade, porque acreditou na fidelidade d’Aquele que lho prometeu. É por isso também que de um só homem __ um homem que a morte já espreitava __ nasceram descendentes tão numerosos como as estrelas do céu e como a areia que há na praia do mar.
Todos eles morreram na fé, sem terem obtido a realização das promessas. Mas vendo-as e saudando-as de longe,
confessaram que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra. Aqueles que assim falam mostram claramente que procuram uma pátria. Se pensassem na pátria de onde tinham saído, teriam tempo de voltar para lá. Mas eles aspiravam a uma pátria melhor, que era a pátria celeste. E como Deus lhes tinha preparado uma cidade, não Se envergonha de Se chamar seu Deus. Pela fé, Abraão, submetido à prova, ofereceu o seu filho único Isaac, que era o depositário das promessas, como lhe tinha sido dito: «Por Isaac será assegurada a tua descendência». Ele considerava que Deus pode ressuscitar os mortos; por isso, numa espécie de prefiguração, ele recuperou o seu filho.

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Forma longa Lc 12, 32-48

+ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Não temas, pequenino rebanho, porque aprouve ao vosso Pai dar-vos o reino. Vendei o que possuís e dai-o em esmola. Fazei bolsas que não envelheçam, um tesouro inesgotável nos Céus, onde o ladrão não chega nem a traça rói. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará o vosso coração. Tende os rins cingidos e as lâmpadas acesas. Sede como homens que esperam o seu senhor ao voltar do casamento, para lhe abrirem logo a porta, quando chegar e bater. Felizes esses servos, que o senhor, ao chegar, encontrar vigilantes. Em verdade vos digo: cingir-se-á e mandará que se sentem à mesa e, passando diante deles, os servirá. Se vier à meia-noite ou de madrugada, felizes serão se assim os encontrar. Compreendei isto: se o dono da casa soubesse a que hora viria o ladrão, não o deixaria arrombar a sua casa. Estai vós também preparados, porque na hora em que não pensais virá o Filho do homem». Disse Pedro a Jesus: «Senhor, é para nós que dizes esta parábola, ou também para todos os outros?». O Senhor respondeu: «Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor estabelecerá à frente da sua casa, para dar devidamente a cada um a sua ração de trigo? Feliz o servo a quem o senhor, ao chegar, encontrar assim ocupado. Em verdade vos digo que o porá à frente de todos os seus bens. Mas se aquele servo disser consigo mesmo: ‘O meu senhor tarda em vir’, e começar a bater em servos e servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo chegará no dia em que menos espera e a horas que ele não sabe; ele o expulsará e fará que tenha a sorte dos infiéis. O servo que, conhecendo a vontade do seu senhor, não se preparou ou não cumpriu a sua vontade, levará muitas vergastadas. Aquele, porém, que, sem a conhecer, tenha feito acções que mereçam vergastadas, levará apenas algumas. A quem muito foi dado, muito será exigido; a quem muito foi confiado, mais se lhe pedirá».

Palavra da salvação.

 

REFLEXÃO

São muitas as dificuldades com que nos debatemos no dia a dia da vida. E todas essas dificuldades surgem na sequência das nossas limitações terrenas e consequente opção voluntária por caminhos errados.

Todas essas limitações serão facilmente superadas na medida em que vivermos iluminados pela luz da fé. Como é importante possuirmos esta luz bendita!  Deus, nosso Pai a todos a quer dar. Para a recebermos e a fazermos crescer em nós, apenas se exige que sejamos sinceros e consequentemente humildes.

1.Feliz o Povo que o Senhor escolheu para Sua herança!

“Feliz o Povo que o Senhor escolheu para Sua herança”. Assim afirmámos há momentos. E assim acontecerá. O amor deste Senhor é infinito e como Ele é omnipotente, nada poderá faltar a esse Povo escolhido. Ele e só Ele pode dar solução a todos os problemas e dificuldades humanas.

Pelo batismo pertencemos de direito a esse Povo de Deus. Todavia para Lhe pertencermos de fato, é necessário que assumamos, com convicção, esse mesmo batismo, isto é, que vejamos no Senhor o que Ele é realmente – o Pai. E nós vivamos verdadeiramente como Seus filhos. Esta vida de filhos de Deus será uma realidade na medida em que vivermos a nossa fé. Dessa fé, que nos dá segurança na vida, nos falam de uma maneira especial, as leituras da Missa de hoje.

2.Só pela fé nos reconhecemos como herança de Deus.

Feliz de quem se reconhece herança de Deus! Tão consoladora realidade só poderá ser conhecida pelo dom inestimável da fé. Como é importante possuir esta virtude teologal! Deus. Nosso Pai colocou-a em cada um de nós no dia do nosso Batismo. Depende de nós que esta virtude essencial á nossa vida espiritual, cresça, diminua ou até mesmo desapareça. É importantíssimo alimentá-la. O Povo de Israel, como nos recorda a 1ª Leitura da Missa de hoje, lembrava os fatos que o Senhor havia realizado em seu favor, para os libertar da escravatura do Egipto. E a 2ª Leitura apresenta-nos o exemplo dos nossos pais da fé: Abraão e sua esposa Sara. Graças à fé que animava as suas vidas, tudo em que verdadeiramente acreditavam, se realizou.

3.Só á luz da fé podemos reconhecer o verdadeiro valor de todas as coisas.

As parábolas contadas por Jesus e que o Sagrado Evangelho de hoje nos recorda, são um alerta para um acordar para o verdeiro valor das coisas. Sem a fé corremos o risco vivido pelo rico avarento, da parábola contada no domingo passado: “tens riquezas, vive, goza a vida,.. mas o Senhor o chamou a contas naquela mesma noite”.

Viver iluminados pela fé, exige que não nos deixemos “prender” pelas riquezas do mundo, que são sempre ilusórias e passageiras. A boa administração das mesmas consistirá em as saber distribuir aos pobres e em as aplicar em obras de apostolado e caridade. Essas serão guardadas em bolsas que não envelhecem.

Viver a fé é estar sempre “vigilantes, com as lâmpadas acesas e rins “cingidos” prontos para a caminhada que nos leva à eternidade.

Viver a fé é estar atento para “não deixar entrar o ladrão”. Esta exigência impõe-se a todos. Ninguém está excluído.

Peçamos ao Senhor que aumente a nossa fé. Só assim poderemos usufruir da eterna felicidade, que o Senhor, nosso Pai a todos quer dar. Só assim seremos a Sua herança.

 

ORAÇÃO UNIVERSAL  OU DOS FIÉIS 

Caríssimos cristãos:
Oremos, em nome de toda a humanidade, ao Senhor, nosso Deus e nosso Pai, dizendo (ou: cantando), com toda a confiança:

R. Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia.
Ou: Senhor, socorrei-nos e salvai-nos.
Ou: Ouvi, Senhor, a oração do vosso povo.

1. Pela santa Igreja católica, pequeno rebanho de Cristo,
para que o Senhor a proteja em toda a terra
e a mantenha pobre, vigilante e servidora,
oremos.

2. Pelos homens que governam as nações,
para que estejam ao serviço dos mais pobres
a quem falta o pão de cada dia,
oremos.

3. Pelos Judeus, Muçulmanos e Cristãos,
para que a fé que professam no Deus único
os ensine a ser bons e a perdoar,
oremos.

4. Pelos que trabalham no campo e dele vivem,
para que o Senhor lhes dê tempos favoráveis,
colheitas abundantes e o dom da paz,
oremos.

5. Por todos nós aqui presentes em assembleia,
para que Deus nos converta à sua Palavra
e nos perdoe todos os pecados,
oremos.

(Outras intenções: os que proclamam os direitos de Deus e dos homens …).

 

Senhor,nosso Deus,
que nos mandais esperar a vossa vinda ocupados em ser bons administradores, não permitais que os nossos corações
se afastem da riqueza verdadeira que sois Vós.
Por Cristo Senhor nosso.

Check Also

24 de julho de 2022 – Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum – Ano C

LEITURA I Gen 18, 20-32 Leitura do Livro do Génesis Naqueles dias, disse o Senhor: …