Home | Liturgia Dominical | 3 de maio de 2020 – 4º Domingo da Páscoa – Domingo do Bom Pastor

3 de maio de 2020 – 4º Domingo da Páscoa – Domingo do Bom Pastor

LEITURA I Actos 2, 14a.36-41

Leitura dos Actos dos Apóstolos

No dia de Pentecostes, Pedro, de pé, com os onze Apóstolos, ergueu a voz e falou ao povo: «Saiba com absoluta certeza toda a casa de Israel que Deus fez Senhor e Messias esse Jesus que vós crucificastes». Ouvindo isto, sentiram todos o coração trespassado e perguntaram a Pedro e aos outros Apóstolos: «Que havemos de fazer, irmãos?». Pedro respondeu-lhes: «Convertei-vos e peça cada um de vós o Baptismo em nome de Jesus Cristo, para vos serem perdoados os pecados. Recebereis então o dom do Espírito Santo, porque a promessa desse dom é para vós, para os vossos filhos e para quantos, de longe, ouvirem o apelo do Senhor, nosso Deus». E com muitas outras palavras os persuadia e exortava, dizendo: «Salvai-vos desta geração perversa». Os que aceitaram as palavras de Pedro receberam o Baptismo, e naquele dia juntaram-se aos discípulos cerca de três mil pessoas.

 

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6

Refrão: O Senhor é meu pastor: nada me faltará.

 

O Senhor é meu pastor: nada me falta.

Leva-me a descansar em verdes prados,

conduz-me às águas refrescantes

e reconforta a minha alma.

 

Ele me guia por sendas direitas por amor do seu nome.

Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos,

não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo:

o vosso cajado e o vosso báculo

me enchem de confiança.

 

Para mim preparais a mesa,

à vista dos meus adversários;

com óleo me perfumais a cabeça,

e o meu cálice transborda.

 

A bondade e a graça hão-de acompanhar-me,

todos os dias da minha vida,

e habitarei na casa do Senhor

para todo o sempre.

 

LEITURA II 1 Pedro 2, 20b-25

Leitura da Primeira Epístola de São Pedro

Caríssimos: Se vós, fazendo o bem, suportais o sofrimento com paciência, isto é uma graça aos olhos de Deus. Para isto é que fostes chamados, porque Cristo sofreu também por vós, deixando-vos o exemplo, para que sigais os seus passos. Ele não cometeu pecado algum e na sua boca não se encontrou mentira. Insultado, não pagava com injúrias; maltratado, não respondia com ameaças; mas entregava-Se Àquele que julga com justiça. Ele suportou os nossos pecados no seu Corpo, sobre o madeiro da cruz, a fim de que, mortos para o pecado, vivamos para a justiça: pelas suas chagas fomos curados. Vós éreis como ovelhas desgarradas, mas agora voltastes para o pastor e guarda das vossas almas.

 

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO Jo 10, 1-10

+ Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João

Naquele tempo, disse Jesus: «Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que não entra no aprisco das ovelhas pela porta, mas entra por outro lado, é ladrão e salteador. Mas aquele que entra pela porta é o pastor das ovelhas. O porteiro abre-lhe a porta e as ovelhas conhecem a sua voz. Ele chama cada uma delas pelo seu nome e leva-as para fora. Depois de ter feito sair todas as que lhe pertencem, caminha à sua frente; e as ovelhas seguem-no, porque conhecem a sua voz. Se for um estranho, não o seguem, mas fogem dele, porque não conhecem a voz dos estranhos». Jesus apresentou-lhes esta comparação, mas eles não compreenderam o que queria dizer. Jesus continuou: «Em verdade, em verdade vos digo: Eu sou a porta das ovelhas. Aqueles que vieram antes de Mim são ladrões e salteadores, mas as ovelhas não os escutaram. Eu sou a porta. Quem entrar por Mim será salvo: é como a ovelha que entra e sai do aprisco e encontra pastagem. O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir. Eu vim para que as minhas ovelhas tenham vida e a tenham em abundância».

 

Palavra da salvação.

 

Reflexão

O mistério pascal é determinante na realidade vivencial do homem. O confronto com Cristo, Crucificado e Ressuscitado, é o ponto de partida para que a vida de cada um de nós não permaneça inalterada, mas assuma convictamente uma nova forma de estar, de olhar e, sobretudo, de viver. Somos chamados a viver em Cristo e à Sua imitação.

“A PROMESSA DESSE DOM É PARA VÓS”

Quando nos acomodamos na fé, facilmente deixamos de o necessário sentido crítico para alcançar tudo o que nos é reservado pelo Baptismo. Por sua vez, o Baptismo não é um acontecimento circunscrito a uma data, mas uma nova vida pela qual temos de lutar, sempre na lógica da identificação com Cristo, no qual participamos pelo Baptismo. Assim sendo, o dom baptismal e o dom do Espírito não pode ser derramado em vão, daí o Apóstolo exortar à Conversão. Diante da vocação baptismal é necessária uma contínua vigilância, algumas das vezes auto-crítica, onde deveremos alcançar a profundidade da santidade a que somos chamados. A graça que pelos sacramentos recebemos não são dados adquiridos, mas uma contínua e zelosa correspondência de amor ao Amor que foi derramado nos nossos corações. O dom que nos fala o Apóstolo não é só para os outros, mas temos de o reconhecer primeiramente como nosso e para nós, levando-nos a tomar a iniciativa humana à iniciativa de Deus.

“PELAS SUAS CHAGAS FOMOS CURADOS”

Durante toda a Quaresma, e de modo mais explícito na Semana Santa, somos confrontados com a profundidade do Amor de Deus, manifestado no mistério da vida de Cristo. Toda a vida de Jesus é acontecimento salvífico, embora alguns sinais sejam mais expressivos do alcance do seu amor. As chagas de Cristo Crucificado são um dos sinais mais evidentes da radicalidade e da intensidade do amor de Jesus. O Senhor, para redimir o pecado do homem, em nada se poupou, levando o Seu Amor ao extremo. As chagas, mais do que sinais de dor e suplício, são sobretudo sinais de amor, um amor sem limites que, por si, é redentor porque cura. As chagas do Senhor são, enquanto sinal expressivo do Seu Amor, um verdadeiro bálsamo e curativo, com a firme consciência que é o amor que salva e que cura. Diante das doenças humanas e do pecado do homem, a cura que verdadeiramente poderá dignificar o Homem é a cura do Amor, de que as chagas são sinal evidente e claro.

“AQUELE QUE ENTRA PELA PORTA”

O amor de Jesus está muito bem representado na imagem que Ele apresenta de si mesmo: o Bom Pastor. A imagem de Pastor é a que melhor pode indicar a complexidade dos cuidados prestados por Jesus. O Senhor usa de compaixão para com o Seu rebanho, coloca-se no meio dele, vive com o rebanho e dá a Sua vida pelo rebanho. Diante desta atitude do Pastor, as ovelhas em nada desconfiam e vêem no pastor a razão do seu existir e o motivo pelo qual existem. Daí a verdade que o Evangelho fala: Jesus entra pela porta e as ovelhas reconhecem a Sua voz, ao passo que o ladrão e o salteador jamais terão a credibilidade das ovelhas, pois procuram-nas para as explorar, cativar e matar. A realidade da vida humana está predominantemente infestada de ladrões e salteadores, que roubam a cada homem e mulher a possibilidade de sonhar, de se realizar, de viver em dignidade, sob a opressão de estruturas de exploração, dependências, corrupção, cumplicidades e, em última instância, de morte. Só o Senhor entra como cuidador, só o Senhor age com amor incondicional, só o Senhor fala com palavras de Vida Eterna para que possamos reconhecer a profundidade da Sua voz.

 

Oração Universal ou dos Fiéis

Irmãos e irmãs:

Neste domingo mundial das vocações, oremos a Jesus Cristo, o Bom Pastor, pedindo-Lhe que nos faça ouvir a sua voz, dizendo (ou: cantando), com alegria:

 

  1. Cristo, ouvi-nos. Cristo, atendei-nos.

Ou: Cristo ressuscitado, ouvi-nos.

Ou: Rei da glória, ouvi a nossa oração.

 

 

  1. Para que o Redentor livre de todo o mal a santa Igreja,

lhe dê pastores segundo o seu coração

e lhe conceda as vocações de que ela precisa,

oremos.

 

 

  1. Para que o Redentor sustente a fidelidade dos esposos,

ensine os jovens a lutar pela castidade

e dê às jovens o amor pela virgindade,

oremos.

 

 

  1. Para que o Redentor Se lembre dos mais pobres,

dos pecadores, dos aflitos, dos doentes

e das ovelhas que não O escutam nem conhecem,

oremos.

 

 

  1. Para que o Redentor, que foi morto, mas ressuscitou,

torne felizes para sempre no seu reino

os fiéis que O procuraram e serviram,

oremos.

 

 

  1. Para que o Redentor, que a todos chama pelo seu nome,

faça de nós e de todos os cristãos desta comunidade,

uma família onde cada um se sinta amado,

oremos.

 

 

(Outras intenções: vocações consagradas; defuntos da família paroquial …).

 

 

Senhor Jesus Cristo, Bom Pastor,

que nos alegrais com a solenidade da vossa Ressurreição, ouvi as preces do vosso povo e concedei àqueles que Vos imploram, os bens que santamente desejam. Vós que viveis e reinais por todos os séculos dos séculos.

Check Also

17 de maio de 2020 -6º Domingo da Páscoa -Ano A

LEITURA I Actos 8, 5-8.14-17 Leitura dos Actos dos Apóstolos Naqueles dias, Filipe desceu a …