Home | Liturgia Dominical | 2 de dezembro de 2018 – 1º Domingo do Advento – Ano C

2 de dezembro de 2018 – 1º Domingo do Advento – Ano C

LEITURA I – Jer 33,14-16

Leitura do Livro de Jeremias
Eis o que diz o Senhor: «Dias virão, em que cumprirei a promessa que fiz à casa de Israel e à casa de Judá:
Naqueles dias, naquele tempo, farei germinar para David um rebento de justiça que exercerá o direito e a justiça na terra. Naqueles dias, o reino de Judá será salvo e Jerusalém viverá em segurança. Este é o nome que chamarão à cidade: ‘O Senhor é a nossa justiça’».

Palavra do Senhor.

 

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 24 (25)

Refrão: Para Vós, Senhor, elevo a minha alma.

Mostrai-me, Senhor, os vossos caminhos,
ensinai-me as vossas veredas.
Guiai-me na vossa verdade e ensinai-me,
porque Vós sois Deus, meu Salvador.

O Senhor é bom e recto,
ensina o caminho aos pecadores.
Orienta os humildes na justiça
e dá-lhes a conhecer os seus caminhos.

Os caminhos do Senhor são misericórdia e fidelidade
para os que guardam a sua aliança e os seus preceitos.
O Senhor trata com familiaridade os que O temem
e dá-lhes a conhecer a sua aliança.

 

LEITURA II – 1 Tes 3,12–4,2

Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Tessalonicenses
Irmãos: O Senhor vos faça crescer e abundar na caridade uns para com os outros e para com todos, tal como nós a temos tido para convosco. O Senhor confirme os vossos corações numa santidade irrepreensível, diante de Deus, nosso Pai, no dia da vinda de Jesus, nosso Senhor, com todos os santos. Finalmente, irmãos, eis o que vos pedimos e recomendamos no Senhor Jesus: recebestes de nós instruções sobre o modo como deveis proceder para agradar a Deus, e assim estais procedendo; mas deveis progredir ainda mais. Conheceis bem as normas que vos demosda parte do Senhor Jesus.

 

Palavra do Senhor.

 

EVANGELHO – Lc 21,25-28.34-36

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas e, na terra, angústia entre as nações, aterradas com o rugido e a agitação do mar. Os homens morrerão de pavor, na expectativa do que vai suceder ao universo, pois as forças celestes serão abaladas. Então, hão-de ver o Filho do homem vir numa nuvem, com grande poder e glória. Quando estas coisas começarem a acontecer, erguei-vos e levantai a cabeça,
porque a vossa libertação está próxima. Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados pela intemperança, a embriaguês e as preocupações da vida, e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha, pois ele atingirá todos os que habitam a face da terra. Portanto, vigiai e orai em todo o tempo, para que possais livrar-vos de tudo o que vai acontecer e comparecer diante do Filho do homem».

Palavra da Salvação.

 

Reflexão:

“A Vós, Senhor, elevo a minha alma; meu Deus, em Vós confio” (Ant. de entrada). É com estas palavras que a Liturgia da Igreja nos convida a dar início ao Advento, tempo de preparação para o Natal. Neste ambiente de crise em que vivemos, ponhamos a nossa confiança no Senhor, avivando a nossa esperança e abrindo-nos à graça de Deus.

1. Início do Ano Litúrgico.
Começa neste 1º Domingo do Advento o chamado Ano Litúrgico. Trata-se de um tempo privilegiado da Igreja que vai ser vivido como tempo forte do Ano da Fé. Nele somos chamados a descobrir de novo o dom da salvação; mediante a pedagogia dos ritos e das orações, todos juntos somos guiados para a vivência do Natal de Jesus Cristo, que veio ao mundo para nos salvar pela sua Morte e Ressurreição, mistério este que é renovado e actualizado na celebração da Eucaristia.
O início do ano litúrgico é um bom momento para pôr de parte as obras das trevas e passar a viver na luz do Senhor; é um tempo propício pata tomar consciência da dignidade e da responsabilidade de ser cristãos: “Ser de Cristo é crucificar a carne com todo o cortejo dos seus vícios e apetites desordenados” (Gal 5, 24).
Na busca da santidade temos que progredir sempre mais, como nos recomendou S. Paulo na segunda leitura da missa de hoje.

2. Advento, tempo de esperança.
A Liturgia faz-nos reviver, neste primeiro Domingo do Advento, a esperança dos profetas ante a vinda do Salvador; uma era de paz e felicidade é anunciada para todos os povos e as nações já não hão-de erguer a espada umas contra outras, nem mais haverá guerra: “Nesses dias e nessa ocasião…nascerá de David um rebento justo que há-de exercer, no país, o direito e a justiça” (1ª leitura).
Avivemos, pois, a nossa esperança; ponhamos toda a nossa confiança em Deus que nos ama e que tudo dirige para o nosso bem. Cumpramos tranquilamente o nosso dever de hoje que já conhecemos e saberemos cumprir perfeitamente o de amanhã que ignoramos.
Esta Eucaristia que celebramos, a presença viva de Cristo Salvador no meio de nós, é já por si uma prova de que “não serão confundidos os que esperam no Senhor”(Antífona de entrada).
Foi com grande alegria que viemos para a Casa do senhor. Maria, Mãe da Esperança, ajudar-nos-á neste Advento: pela prática das boas obras, pela oração mais intensa, pela mortificação mais constante e pela frequência dos Sacramentos, chegaremos a amar mais as coisas do Céu e a buscar os valores eternos.

Oração Universal ou dos Fiéis

Irmãos e irmãs: Nós, que aguardamos a vinda de Cristo, imploremos, para a Igreja e para o mundo, os dons que só o Pai lhes pode dar, dizendo (ou: cantando), humildemente:

R. Ouvi-nos, Senhor.

Ou: Cristo ouvi-nos, Cristo atendei-nos.
Ou: Senhor, venha a nós o vosso reino.

1. Pelos bispos, presbíteros e diáconos,
para que guardem uma fidelidade irrepreensível
e levem os fiéis a progredir na santidade,
oremos, irmãos.

2. Pelos que, pela dor e desilusão,
já não esperam nada nem ninguém,
para que acreditem nas promessas do Senhor,
oremos, irmãos.

3. Pelos que vivem na indiferença para com Deus
e pelos que deixaram embriagar-se pela vida,
para que o dia do Senhor os não surpreenda,
oremos, irmãos.

4. Pela humanidade, para que progrida na justiça,
pelos que sofrem, para que Deus os alivie,
e pelos que morrem, para que ressuscitem para a Vida,
oremos, irmãos.

5. Pelos membros da nossa assembleia,
para que, no convívio de uns com os outros,
o Senhor nos faça crescer na caridade,
oremos, irmãos.

(Outras intenções: grandes problemas mundiais; catecúmenos …).

Senhor, nosso Deus, que nos prometeis a paz e a felicidade, guardai-nos vigilantes na oração
e atentos aos sinais anunciadores da vinda do vosso Filho Jesus Cristo. Ele que vive e reina por todos os séculos dos séculos.

Check Also

18 de novembro de 2018 – 33º Domingo do Tempo Comum – Ano B

LEITURA I – Dan 12,1-3 Leitura da Profecia de Daniel Naquele tempo, surgirá Miguel, o …