19 de setembro de 2021 -25º Domingo do Tempo Comum – Ano B

Acabamos de ouvir Jesus dizer no Evangelho, hoje narrado pelo evangelista Marcos: “Quem quiser ser o primeiro será o último de todos e o servo de todos”. O Senhor alertava assim os discípulos que se apressavam em discutir entre eles a quem caberia ser o primeiro, ter o maior lugar no Reino dos Céus.

O Mestre enquanto com eles caminhava através da Galileia, acabara de lhes anunciar a Sua morte que já estava próxima. Pela segunda vez, Jesus fala aos discípulos da Sua morte e ressurreição.

Fizera-o já, como ouvimos no passado Domingo, após Pedro ter afirmado a sua fé no Messias Salvador. Agora na Galileia, Jesus insiste no mesmo tema: “os homens hão-de matá-lo, mas Ele, três dias depois de morto, ressuscitará”. E os discípulos continuam a não dar atenção. Parece que, indiferentes ao que o Senhor lhes dizia, discutiam o primeiro lugar.

Através dos tempos e ainda hoje esta parece ser para muitos a mais importante aspiração da vida. Ser o primeiro, mesmo que para isso seja preciso pisar os outros, continuando a esquecer a advertência que Jesus já há 2000 anos fizera aos apóstolos “quem quiser ser o primeiro há-de ser o último de todos”. Princípio que repetiria a Tiago e João quando pretendiam um lugar privilegiado no Reino. Doutrina que Ele próprio poria em prática quando “ Mestre e Senhor lavaria os pés aos Apóstolos e diria que para mandar é preciso começar por servir”. E lavar os pés a alguém, na sociedade judaica de então, era suprema humilhação. Só os escravos, e não escravos judeus, lavavam os pés aos seus senhores. Mas Jesus quis vincar o papel da “humildade” e do “serviço” aos outros na conquista do Reino.

Ontem como hoje, os valores do Evangelho continuam a ser difíceis de defender. Continuam a ouvir-se hoje as imprecações do ímpio que se sente incomodado pelo facto do justo ser diferente dos outros e ter um comportamento singular, um modo diferente de estar na vida. É que o justo torna-se uma acusação contínua e incómoda para a sociedade fundada nos interesses e na violência: a sociedade de consumo em que o dinheiro e o poder são os novos ídolos. A desmedida aspiração a estes “valores” conduz, por vezes, à utilização de meios nem sempre lícitos para os obter: violência e até morte. “Cobiçais. Não conseguis – então assassinais”. “Sois invejosos, não obteis nada. Entrais em conflitos e guerras”. E todos nós sabemos como continuam hoje atuais, as palavras de São Tiago. A guerra e a morte a tantos direitos da criança, do homem e dos povos. É ler o jornal, ouvir na rádio, ver na internet, ver na TV, abrir os olhos para a vida à nossa volta.

Se pararmos um pouco, parecem martelar-nos aos ouvidos as palavras da 1ª leitura de hoje “disseram os ímpios: armemos ciladas ao justo que nos incomoda… Experimentemo-lo com ultrajes e torturas… Condenemo-lo à morte infame…”. E nós sabemos como, infelizmente, é longa a história do sofrimento humano. Às vezes é a perversidade humana a origem do mal. Injustiças, sangue inocente derramado! Outras o sofrimento aparentemente sem motivo: a criança inocente que nasce inválida, o acidente brutal que atira o jovem para uma cadeira de rodas para o resto da vida, gente sem conta que nasce, vive e morre sem o mínimo de dignidade humana. Mas quer saiba ou não esta multidão incontável de sofredores, sofre e morre com Cristo, pelos outros, carregando as pesadas cruzes da humanidade.

Feliz de quem tem consciência disso! Eles estão a tornar presente aos homens, a força da Redenção. Por isso encontramos doentes incuráveis com dores atrozes, pessoas que atravessam períodos dificílimos da sua vida com uma serenidade e uma paz indestrutível. É uma questão de fé. Fé no Senhor ressuscitado. No Senhor que, como ouvimos no Evangelho, ao fim de três dias de morto ressuscitou. Sejamos nós também homens ressuscitados com Cristo.

Check Also

Portugal: Nova tradução da Carta aos Gálatas, texto de São Paulo, divulgada online

Comissão da Conferência Episcopal desafia leitores a contribuir para melhorar o texto Lisboa, 01 dez …